Domingo, 28 Fevereiro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Famílias palestinas aguardam o Tribunal Penal Internacional do TPI para alcançar a justiça para os seus mortos

De acordo com um documento da ONU de 2015, 44 palestinos foram mortos e pelo menos 227 feridos "em ações israelenses (...) contra a infraestrutura da ONU usada como abrigos de emergência".

Quando o TPI se declarou competente no início de fevereiro para julgar os eventos ocorridos nos territórios ocupados, Nevine Barakat sentiu-se "feliz e cheio de esperança".

"Foi como se o mundo começasse a entender que a injustiça israelense tinha que acabar", explicou ele à AFP, à beira das lágrimas.

No verão de 2014, Israel lançou uma operação para impedir o lançamento de foguetes do movimento islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza, em direção ao seu território.

Cerca de 2.250 palestinos foram mortos, a maioria civis, bem como 74 israelenses, a maioria soldados, nesses confrontos que foram marcados por fogo em Gaza e Israel.

Na noite de 30 de julho de 2014, Nevine e sua família, como muitas outras, se refugiaram em uma escola administrada pela Agência das Nações Unidas para Refugiados Palestinos (UNRWA) em Jabaliya, no norte da Faixa de Gaza, após a destruição de suas casas nos ataques.

Mas, no meio da guerra, o exército israelense bombardeou esta escola.

"Contei sete projéteis antes de perder a consciência", lembra-se esta mãe de cinco filhos, machucada nas costas e com os membros inferiores paralisados. Ele disse que recuperou a consciência com os gritos de seu filho pela morte de seu pai.

Sua filha Samar, ferida, conta que tentou evitar os projéteis, “mas eles caíram na frente e atrás de nós”.

“Quem mata tem que ser punido, e Israel tem que assumir a responsabilidade por seus crimes”, diz essa garota de 18 anos.

 

- "Sete anos de espera" -

De acordo com um documento da ONU de 2015, 44 palestinos foram mortos e pelo menos 227 feridos "em ações israelenses ... contra a infraestrutura das Nações Unidas usada como abrigos de emergência" entre o início de julho e o final de agosto de 2014. 

“Esses prédios (...) devem ser lugares seguros, especialmente em tempos de conflito armado”, advertiu a ONU, embora também tenha considerado “inaceitável” que grupos armados usem as escolas da UNRWA para armazenar armas.

Por sua vez, o exército israelense, que repetidamente repete ter feito todo o possível para minimizar as baixas em Gaza, insistiu que o Hamas usasse esses centros para disparar contra Israel, usando os palestinos como "escudos humanos".

Quando o TPI anunciou em 5 de fevereiro que era competente nos territórios palestinos ocupados, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu invocou o direito de Israel de "defender-se contra terroristas".

Mas esse argumento não convence Montaser Bakr, de 17 anos: "Vou contar ao TPI como meu primo Ismail, de 9 anos, foi morto por Israel quando estava jogando bola!"

Neste dia de julho de 2014, Montasser estava jogando futebol na praia. Ele ficou ferido no bombardeio, mas seu irmão Zakaria e seus três primos, de 9 a 11 anos, morreram. A morte dessas crianças deu a volta ao mundo.

A mãe de um deles ainda hoje chora sua morte.

“Aqueles que sobreviveram a esses bombardeios perderam a vontade de viver e têm problemas psicológicos”, disse Salwa Bakr, 46. "Há sete anos espero este momento e que os líderes da ocupação (como os palestinos chamam Israel) sejam julgados."

 

- "Nada vai mudar"

Em 2014, a Anistia Internacional relatou ataques israelenses a casas, sem aviso prévio. Segundo esta ONG, morreram mais de 100 civis, incluindo "famílias inteiras".

 Mohamad Abu Jazar, 34, perdeu as pernas no bombardeio de sua casa em Rafah (sul), no qual sua esposa e dois de seus filhos morreram.

"Estávamos dormindo quando os bombardeios começaram. Toda a vizinhança foi bombardeada", disse este homem em uma cadeira de rodas.

Em seu telefone, ela exibe uma fotografia de seus filhos mortos.

Você sabe, o ICC não irá devolvê-los para você. “Não tenho certeza se a decisão do tribunal vai mudar alguma coisa”, lamenta ele, junto com sua filha Maysam, a única que sobreviveu.

 

Foto: Parentes de uma criança morta em uma praia de Gaza em 2014 em um atentado israelense visitam seu túmulo, no campo de refugiados de Al Shati, na Faixa de Gaza, em 7 de fevereiro de 2021 – afp_tickers

 

Fonte: Swiss Info

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.