Sexta Feira, 07 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Fechado e esquecido: o que você deve saber sobre as 'zonas de tiro' de Israel na Cisjordânia

Não há lógica militar no mundo que possa justificar racionalmente a restrição do acesso médico a uma comunidade isolada.

As duras condições da ocupação israelense pressionam as comunidades palestinas a deixar suas terras. Esta é a limpeza étnica que Israel usa para evacuar a Palestina de seus povos indígenas.

Uma notícia aparentemente comum, publicada no jornal israelense Haaretz, em 7 de janeiro, lança luz sobre um assunto esquecido, mas crucial, há muito esquecido: as chamadas "zonas de tiro" de Israel na Cisjordânia ocupada.

"Israel apreendeu o único veículo disponível para uma equipe médica que presta assistência a 1.500 palestinos que vivem dentro de uma zona de tiro militar israelense na Cisjordânia", segundo o Haaretz.

A comunidade palestina que teve seu único acesso negado aos serviços médicos é Masafer Yatta, uma pequena vila palestina localizada nas colinas de Hebron do Sul.

O Masafer Yatta, que existe em total e absoluto isolamento do resto da Cisjordânia ocupada, está localizado na 'Área C', que constitui o maior pedaço territorial, cerca de 60%, da Cisjordânia. Isso significa que a vila, junto com muitas cidades palestinas, aldeias e pequenas comunidades isoladas, está sob total controle militar israelense.

“Não deixe que a lógica confusa dos Acordos de Oslo o engane; todos os palestinos, em todas as partes da Cisjordânia ocupada, Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza sitiada, também estão sob controle militar israelense.

Infelizmente para Masafer Yatta, e aqueles que vivem na 'Área C', no entanto, o grau de controle é tão sufocante que todos os aspectos da vida palestina - liberdade de movimento, educação, acesso à água potável etc. - são controlados por um complexo sistema de ordenanças militares israelenses que não têm nenhuma consideração pelo bem-estar das comunidades sitiadas.

Não é surpresa, portanto, que o único veículo de Masafer Yatta, uma tentativa desesperada de fabricar uma clínica móvel, tenha sido confiscado no passado também, e só tenha sido recuperado depois que os moradores pobres foram forçados a pagar uma multa aos soldados israelenses.

Não há lógica militar no mundo que possa justificar racionalmente a restrição de acesso médico a uma comunidade isolada, especialmente quando uma potência ocupante como Israel é legalmente obrigada pela Quarta Convenção de Genebra a garantir acesso médico a civis que vivem em um território ocupado.

“É natural que Masafer Yatta, como todos os palestinos na 'Área C' e na Cisjordânia maior, se sinta negligenciado - e completamente traído - pela comunidade internacional e por sua própria liderança.

Mas há mais coisas que tornam a Masafer Yatta ainda mais única, qualificando-a pela infeliz designação de ser um Bantustan dentro de um Bantustan, pois subsiste em um sistema de controle muito mais complexo, comparado ao imposto à África do Sul negra durante o Apartheid era do regime.

Logo depois que Israel ocupou a Cisjordânia, Jerusalém Oriental e Gaza, desenvolveu uma estratégia de longo prazo destinada ao controle permanente dos novos territórios ocupados. Embora designasse algumas áreas para a realocação futura de seus próprios cidadãos - que agora compõem a população extremista ilegal de colonos judeus na Cisjordânia -, também reservou grandes áreas dos Territórios Ocupados como zonas de segurança e proteção.

O que é bem menos conhecido é que, ao longo da década de 1970, os militares israelenses declararam cerca de 18% da Cisjordânia como "zonas de tiro".

Essas "zonas de tiro" deveriam ser consideradas campos de treinamento para os soldados do exército de ocupação israelense - embora os palestinos presos nessas regiões frequentemente relatem que pouco ou nenhum treinamento militar ocorre dentro de "zonas de tiro".

De acordo com o Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU (OCHA) na Palestina, existem cerca de 5.000 palestinos, divididos entre 38 comunidades que ainda vivem, em circunstâncias mais difíceis, dentro das chamadas "zonas de tiro".

A ocupação de 1967 levou a uma onda massiva de limpeza étnica que viu a remoção forçada de aproximadamente 300.000 palestinos do território recém-conquistado.

“Muitas das comunidades vulneráveis que foram etnicamente limpas incluem beduínos palestinos, que continuam pagando o preço pelos desenhos coloniais de Israel no vale do Jordão, nas colinas de Hebron do sul e em outras partes da Palestina ocupada.

Essa vulnerabilidade é agravada pelo fato de a Autoridade Palestina (PA) agir com pouca consideração aos palestinos que vivem na 'Área C', que são deixados para resistir e resistir às pressões israelenses sozinhos, geralmente recorrendo ao sistema judicial injusto de Israel, para reconquistar alguns de seus direitos básicos.

Os Acordos de Oslo, assinados em 1993 entre a liderança palestina e o governo de Israel, dividiram a Cisjordânia em três regiões: 'Área A', teoricamente sob controle autônomo da Palestina e consistindo em 17,7% do tamanho total da Cisjordânia; 'Área B', 21%, e sob controle compartilhado da PA israelense e 'Área C', o restante da Cisjordânia e sob controle total de Israel.

Esse acordo deveria ser temporário, previsto para ser concluído em 1999, uma vez concluídas as “negociações finais sobre o status” e assinado um amplo acordo de paz. Em vez disso, tornou-se o status quo ante.

Por mais infelizes que os palestinos que vivem na 'Área C' sejam, aqueles que vivem na "zona de tiro" dentro da 'Área C' estão enfrentando as maiores dificuldades. Segundo as Nações Unidas, suas dificuldades incluem "o confisco de propriedades, violência de colonos, assédio por soldados, restrições de acesso e movimento e / ou escassez de água".

Espera-se que muitos assentamentos judeus ilegais tenham surgido nessas “zonas de tiro” ao longo dos anos, uma indicação clara de que essas áreas não têm nenhum objetivo militar, mas foram destinadas a fornecer uma justificativa legal israelense para confiscar quase um quinto da Cisjordânia para futuro expansão colonial.

Ao longo dos anos, Israel limpou etnicamente todos os palestinos restantes nessas “zonas de tiro”, deixando para trás apenas 5.000, que provavelmente sofrerão o mesmo destino se a ocupação israelense continuar na mesma trajetória violenta.

Isso faz da história de Masafer Yatta um microcosmo da trágica e maior história de todos os palestinos. É também um reflexo da natureza sinistra do colonialismo israelense e da ocupação militar, onde os palestinos ocupados perdem suas terras, suas águas, sua liberdade de movimento e, eventualmente, até os cuidados médicos mais básicos.

Essas duras “condições contribuem para um ambiente coercitivo que cria pressão sobre as comunidades palestinas para deixar essas áreas”, de acordo com as Nações Unidas. Em outras palavras, limpeza étnica, que sempre foi o objetivo estratégico de Israel.

 

Fonte: Ramzy Baroud, Middle East Monitor

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.