Sexta Feira, 22 Novembro 2019

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Forças israelenses prendem a importante legisladora e ativista palestina Khalida Jarrar

Soldados israelenses prenderam a proeminente parlamentar palestina e ativista Khalida Jarrar em sua casa na área de Ramallah, em Albera, junto com o escritor e jornalista Ali Jaradat.

Jarrar, membro do Conselho Legislativo da Palestina e da Frente Popular de Libertação da Palestina (PFLP), foi libertado em fevereiro da prisão de Damon, em Israel, depois de 20 meses em detenção administrativa sem acusações.

A filha de Jarrar, Suha, disse ao Middle East Eye que 12 veículos militares cercaram sua casa às 3h da manhã de quinta-feira. As forças israelenses bateram nas portas da propriedade e cerca de 20 soldados armados invadiram a casa.

Suha disse que durante o ataque foi detida em um dos cômodos da casa, longe da mãe.

"Antes de minha mãe ser presa, eles confiscaram sua carteira de identidade e levaram seu celular", disse ela.

Suha disse que um oficial israelense continuou a provocá-los e perguntou imediatamente após entrar: "Você preparou uma mala?"

"O objetivo de Israel é roubar de nós nossa estabilidade e nossas vidas e nos manter vivendo em um estado de ansiedade e espera, mas sabemos muito bem que é uma ocupação e acreditamos que não romperemos apesar de tudo", disse Suha.

Jarrar, 56, sofre de várias condições médicas e está tomando anticoagulantes, colesterol e medicamentos para o estômago. Suha disse que sua mãe precisa de um check-up médico regular.

"Estou preocupada com minha mãe. Ela precisa de cuidados de saúde", disse ela.

 

Quarta prisão

Esta é a quarta vez que as autoridades israelenses detêm Jarrar, segundo sua família.

Ela foi presa em 1989, quando foi mantida por um mês sem julgamento. Durante sua segunda detenção em 2014, foi condenada a 15 meses de prisão.

Em 2017 foi presa pela terceira vez e finalmente libertada em fevereiro de 2019.

O advogado de Jarrar, Sahar Franses, disse ao jornal Haaretz que a ativista havia sido levada para um lugar desconhecido.

Em um comunicado enviado ao MEE, a PFLP disse que a organização responsabilizou a ocupação sionista pela vida de seus combatentes Khalida Jarrar e Ali Jaradat e vários outros líderes detidos que sofrem de sérias condições de saúde. Disse que o foco da agressão da ocupação em atingir os líderes da PFLP era uma tentativa de remover a liderança da cena, a fim de criar um ambiente favorável ao programa destrutivo de assentamentos de Israel.

A PFLP também pediu à Autoridade Palestina e seus serviços de segurança que tomem uma decisão clara e séria para interromper todas as formas de coordenação de segurança com a ocupação.

Israel impediu Jarrar de deixar a Cisjordânia desde 1998 devido ao seu ativismo.

 

Fonte: Middle East Eye

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2019 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.