Sábado, 05 Dezembro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Gaza é, por enquanto, o único ponto no Oriente Médio livre do coronavírus

Com mais de 200 mil infectados e 160 países afetados pelo COVID-19 no mundo e seus vizinhos afetados, Egito e Israel, Gaza é o único ponto no Oriente Médio que permanece livre do vírus por enquanto.

A margem palestina, com condições sanitárias precárias e uma economia severamente punida pelo bloqueio imposto por Israel desde 2007, ainda não registrou casos positivos de coronavírus.

Enquanto isso, Israel tem mais quinhentos infectados, segundo dados oficiais, que sofrem com a falta de testes de diagnósticos realizados. O Egito registra quase 200 casos.

Dada a situação, as autoridades de saúde em Gaza - governadas de fato pelo movimento islâmico Hamas - ativaram medidas estritas de prevenção para conter a doença e impedir sua propagação entre os dois milhões de habitantes deste território com alta densidade populacional.

Segundo o porta-voz do Ministério da Saúde local, Ashraf al Qedra, as principais rotas pelas quais o vírus pode entrar são as passagens de fronteira de Erez - com Israel - e Rafah, que liga a faixa à península egípcia do Sinai.

Como precaução, ambos os cruzamentos foram fechados no domingo passado. Mas estes já estavam enormemente limitados a pessoas com permissões especiais devido ao bloqueio na faixa. Além disso, as autoridades colocaram em quarentena cerca de 5.000 habitantes de Gaza por 14 dias, que retornaram ao enclave do exterior nas últimas duas semanas.

Cerca de dois mil estão internados em várias escolas e o restante permanece isolado em casa. Também existem cerca de 80 pessoas com problemas cardíacos, câncer ou mais de 60 que recentemente estiveram no exterior para receber atendimento médico.

Mas, por enquanto, de acordo com testes realizados 24 horas por dia em um laboratório na capital de Gaza, ninguém testou positivo para o coronavírus, diz Al Qedra.

As autoridades de saúde instalaram um hospital de campo no cruzamento de Rafah com 30 leitos, uma unidade de terapia intensiva e pessoal médico equipado, se necessário.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) enviou ontem centenas de kits de teste adicionais e equipamentos de proteção médica a Gaza em uma operação coordenada com as autoridades israelenses.

De acordo com a mídia local, eles estão preocupados que o vírus se espalhe pelo enclave devido às consequências humanitárias que poderia ter e aos efeitos que poderia ter em Israel.

"Em Gaza, o sistema de saúde deteriorado e sobrecarregado poderia ser rapidamente sobrecarregado se houvesse um surto de COVID-19", o que poderia levar a uma "situação muito perigosa", disse uma porta-voz da ONG Medecines Sin à Efe. Fronteiras (SPS).

As aulas também foram canceladas em escolas e universidades, que estarão fechadas até o final do mês, mas, em grande parte, o dia a dia da faixa continua.

Mercados, empresas, escritórios e bancos permanecem abertos e as pessoas continuam com suas vidas profissionais, explica o Ezka Reema Masri, que acrescenta que são tomadas precauções de higiene nos locais de trabalho para evitar o contágio.

 

Fonte: Agência EFE

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.