Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Gaza e suas múltiplas faces

O bloqueio a que a Faixa de Gaza foi submetida nos últimos 12 anos dinamizou as opções de trabalho para 12 milhões de pessoas e tornou inacessíveis os produtos mais básicos

Tic tac, tic tac. O relógio não para, nem o avanço dos dias. Estamos a menos de um mês da zero hora: o ano 2020. O ano em que as Nações Unidas previram que a Faixa de Gaza seria inabitável. Obviamente, esse cálculo foi feito antes da ofensiva da Margem Protetora de 2014, da Grande Marcha do Retorno, das últimas escaladas de violência em 2018 e de muitos outros eventos.

A Faixa de Gaza há muito deixou de ser habitável, mas a população de refugiados palestinos resiste, sobrevive e faz o que pode para ver a luz do sol mais um dia. Mas isso é difícil quando você não precisa colocá-lo na boca. O bloqueio a que a tira foi submetida nos últimos doze anos dinamizou as opções de mão-de-obra e aumentou o preço de produtos básicos, como alimentos.

As possibilidades de negociar e trocar produtos com os países vizinhos foram reduzidas quando as portas daquela prisão foram fechadas. As famílias que se dedicam à pesca viram como a poluição das águas e a superexploração das poucas milhas náuticas às quais têm acesso acabaram com seu sustento. Aqueles que viviam na lavoura mal sobrevivem devido à baixa produção dessas terras, que contêm metais pesados ou esgoto, ou que foram confiscadas diretamente quando estão na zona de exclusão controlada pelo exército israelense, na fronteira periférica entre os dois territórios.


Sem acesso ao básico

Dos quase 2 milhões de pessoas que vivem na Faixa de Gaza, 1,4 milhões são refugiados da Palestina e quase metade recebe ajuda alimentar da Unrwa (Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina no Oriente Médio). Você só precisa ir aos centros de distribuição para ver as filas de pessoas esperando pacientemente pela farinha, grão de bico ou óleo, que lhes permitirá alimentar a família por mais alguns meses.

Eles esperam e esperam porque sabem que não poderiam comprá-lo por seus próprios meios, já que os níveis de desemprego são tão altos que ultrapassam 50% e a destruição de empregos cresce todos os dias. Isso resultou em mais de meio milhão de refugiados palestinos vivendo na faixa abaixo da linha de pobreza absoluta, com menos de U$1,74 disponíveis por dia.

A pobreza tem múltiplas faces e seus efeitos permanecem ao longo dos anos, cortando as oportunidades de promover uma sociedade. Assim, dietas pobres em nutrientes e ausência de vitaminas colocam em risco a vida de mulheres grávidas e seus filhos e filhas, que terão mais problemas de concentração e desempenho escolar se não melhorarem suas dietas. Sem um bom conhecimento, será mais difícil para eles encontrar um emprego e, portanto, viver com dignidade. E assim gira a roda do desespero em que esta cidade vive há décadas. Há muito o que fazer e não temos muito tempo para fazê-lo. A população palestina na Faixa de Gaza sofre com o peso da fome e da pobreza à medida que os dias passam sem solução.

 

Fonte: Lorena Gamito e Irene Martínez (UNRWA Espanha), El Periódico de Aragón

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.