Sábado, 05 Dezembro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Gaza enfrenta o coronavírus sozinha após um bloqueio de 14 anos

A atitude israelense em relação à faixa costeira sitiada permanecerá intacta - com ou sem o surto do vírus. Os habitantes de Gaza devem morrer silenciosamente.

Por Dr Ahmet Alioglu

 

Os habitantes de Gaza, que são exclusivamente protegidos pelo isolamento e quarentena compulsórios em andamento, entendem melhor o desafio existente no mundo após a epidemia de coronavírus.

Os humanos nunca pensam nas bênçãos que têm, a menos que estejam perdidos ou prestes a desaparecer. A liberdade de movimento é um direito humano inequívoco que é dado como certo em todos os lugares, exceto em zonas de conflito ou áreas sitiadas como a Faixa de Gaza. As pessoas que vivem lá têm incansavelmente chamado a comunidade internacional para ajudá-los a obter seus direitos universais ou pelo menos aliviar seu sofrimento, mas todos os pedidos foram em vão.

Após o surto da pandemia de coronavírus (COVID-19), pessoas de todas as esferas da vida começaram a procurar meios e mecanismos para lidar com um bloqueio. Por vários anos, a Faixa de Gaza, o pequeno enclave que foi sitiado por Israel e pelo vizinho Egito, está definhando em total isolamento e bloqueio. Ao contrário do atual bloqueio por coronavírus, os habitantes de Gaza sofrem cortes de energia insuportáveis, negação de assistência médica, falta de necessidades básicas, além de três guerras devastadoras que mataram milhares de vidas.

Hoje, protegidos exclusivamente pelo isolamento e quarentena compulsórios em andamento, os habitantes de Gaza entendem melhor o desafio existente no mundo após a epidemia de coronavírus. Até a semana passada, Gaza estava livre de vírus. Orações foram realizadas em toda a Faixa de Gaza e Dua e súplicas de perdão e recuperação incluíram todos os seres humanos, sem exceções. No domingo passado, foram confirmados os dois primeiros casos de COVID-19 em Gaza.

“Grande parte da população de Gaza vive em campos de refugiados congestionados em famílias extensas que vivem na mesma propriedade. Com a movimentação dentro e fora do território estritamente restrita, já que eles já estão isolados do mundo, um surto do vírus em Gaza pode demorar, mas não por muito tempo. Médicos e especialistas alertam que o cerco sufocante, juntamente com campos de refugiados densamente lotados e sistema de saúde extremamente frágil, criaram condições impecáveis para um surto. ”

O bloqueio paralisante puniu e empobreceu coletivamente todos os moradores de Gaza. Em 2018, o governo Donald Trump eliminou o financiamento da Agência de Assistência e Trabalho das Nações Unidas. A UNRWA fornece serviços vitais para salvar vidas, assistência médica e educação a refugiados no Oriente Médio, incluindo a Faixa de Gaza. Esses fundos costumavam ir para a educação de 500.000 meninos e meninas, vacinas e clínicas de saúde que prestam serviços a mais de três milhões de refugiados e um nível básico de dignidade para milhões que, de outra forma, levariam vidas de desespero.

Devido à rivalidade política, a Autoridade Palestina na Cisjordânia não apenas renunciou ao enclave sitiado, impôs sanções e negou aos funcionários seus salários. Esse dilema multidimensional é exacerbado pelo regime egípcio que fechou a única passagem de fronteira na última década. Foi parcialmente reaberto nos últimos dois anos. Gaza não tem aeroporto desde que foi bombardeada por Israel no início dos anos 2000, no início de uma segunda intifada palestina, ou levante.

Portanto, o bloqueio israelense, a eliminação de fundos de Trump, as sanções da Autoridade Palestina e o isolamento contínuo do Egito da pequena área costeira transformaram Gaza em uma entidade ultravulnerável ao surto de vírus. Os palestinos estão acompanhando de perto a pandemia por meio da cobertura incessante da mídia e se preparando para o pior.

O embargo israelense e as posições políticas imaturas da Autoridade Palestina infligiram tremendos danos às instalações de saúde de Gaza, que se deterioraram imensamente na última década. Pode-se imaginar o quão difícil será para a Faixa de Gaza enfrentar a ameaça pendente da doença, com apenas 60 leitos de UTI para seus dois milhões de pessoas e nem todos estão operacionais devido à falta de pessoal.

Foi a Turquia, uma firme defensora da causa palestina, que prometeu apoiar os palestinos em sua luta contra o coronavírus. O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, telefonou para a liderança palestina e enfatizou o apoio da Turquia à Palestina no combate ao vírus.

No domingo, o Catar anunciou US $ 150 milhões em ajuda à Faixa de Gaza por um período de seis meses, para apoiar os programas humanitários das Nações Unidas no território palestino e os esforços para conter o novo surto de coronavírus.

Com recursos muito limitados, as autoridades do Hamas na Faixa de Gaza começaram a construir 1.000 cabines de isolamento perto da fronteira sul com o Egito. Empresários e proprietários de hotéis ofereceram voluntariamente seus hotéis e instalações para serem usados como centros de quarentena.

A atitude de Israel tem sido ironicamente diferente na Cisjordânia. O surto de coronavírus fez o que políticos e ativistas locais e internacionais foram incapazes de fazer. Isso provocou um nível extraordinariamente alto de cooperação e coordenação entre a Autoridade Palestina e os Israelenses.

Até agora, Israel possui 1.442 casos documentados de COVID-19 em uma população de 8,6 milhões (1,9 milhão são árabes), com 59 casos nos territórios palestinos. Em 18 de março, o presidente israelense Reuven Rivlin ligou para o presidente palestino Mahmoud Abbas para dizer que a cooperação mútua é inevitável. No entanto, enquanto os governos mundiais estão tomando medidas urgentes para enfrentar a ameaça sem precedentes da doença, as autoridades israelenses destruíram centenas de hectares de terras agrícolas em duas comunidades beduínas no deserto de Negev, nos territórios ocupados.

Essa atitude indica que as autoridades israelenses estão dispostas a cooperar por uma razão, a própria segurança de seus cidadãos. As chances de o perigo iminente da doença mudar a perspectiva de Israel em relação aos palestinos são pequenas. A atitude israelense em relação à faixa costeira sitiada permanecerá intacta - com ou sem o surto do vírus, os habitantes de Gaza devem morrer silenciosamente.

 

Fonte: Palestine Post 24

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.