Quinta Feira, 22 Outubro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Gaza 2020: o agravamento das condições leva mais palestinos a tirar suas próprias vidas

Um aumento de suicídios na primeira metade de 2020 ilustra o terrível impacto psicológico do cerco israelense sobre os moradores de Gaza

Por Maha Hussaini

 

Vinte e três anos depois que ele foi libertado de uma prisão israelense, Jamal Wadi ainda lutava com as consequências de sua experiência. Depois de três décadas sofrendo graves traumas psicológicos e problemas de saúde mental, o palestino de 54 anos tirou a própria vida em 21 de junho.

A Faixa de Gaza tem testemunhado um aumento nas taxas de suicídio ao entrar em seu 14º ano sob um esmagador bloqueio liderado por Israel.

O Centro de Direitos Humanos Al-Mezan, com sede em Gaza, informou que pelo menos 16 pessoas se suicidaram e centenas de outras tentaram suicídio em Gaza na primeira metade de 2020.

Sejam influenciados por dificuldades econômicas, pelo impacto traumático das políticas de ocupação israelense ou por outros fatores, grupos de direitos humanos dizem que o aumento nas tentativas de suicídio é muito preocupante.

Em 2012, as Nações Unidas alertaram que Gaza seria "inabitável" até 2020, dadas as dificuldades do cerco e a devastação causada por três guerras desde 2007, numerosas incursões militares menores e um movimento de protesto brutalmente reprimido.

No meio do ano, o triste aumento dos suicídios mostra que, para muitos, esse alerta assumiu outro significado trágico.

 

'Se eu não morrer, eles vão me matar'

"Desde que nos casamos há mais de 20 anos, não me lembro de ter visto Jamal emocionalmente e mentalmente estável, exceto nos três meses que se seguiram ao nosso casamento", disse a esposa de Wadi, Mervat, ao Middle East Eye. "Ele era uma pessoa totalmente diferente naquela época."

Logo após o casamento, no início dos anos 90, Wadi foi detido pelas forças israelenses.

"Achei que a prisão duraria alguns dias ou semanas, mas ele ficou preso por sete anos", disse Mervat.

Mervat começou a notar mudanças na saúde mental de Wadi durante as visitas às prisões a cada duas semanas, mas não esperava que isso levasse a um trauma psicológico grave que mudaria sua vida inteira.

"Quase toda vez que eu o visitava, eu notava que ele havia sido espancado. Eles costumavam mantê-lo em confinamento solitário por longos períodos de tempo", lembrou ela. "Eu pude ver que ele não era mais o mesmo. Seus olhos e a maneira como ele olhou ao seu redor, ele não era a mesma pessoa com quem me casei alguns meses antes."

Depois que ele foi libertado em 1997, a família de Wadi iniciou uma longa jornada de exames médicos e visitas ao hospital para tratar o que eles pensavam ser "apenas um trauma", antes de serem informados de que ele sofria de distúrbios mentais e psicológicos a longo prazo, incluindo esquizofrenia, convulsões e transtorno de estresse pós-traumático.

Apesar de ter encontrado emprego trabalhando para a Autoridade Palestina, alcançando um grau muitas vezes esquivo de estabilidade financeira para Gaza, Wadi lutou para se ajustar à vida após a prisão.

"Ele sempre repetia que tinha medo de voltar para a prisão e tinha alucinações de que as forças israelenses iriam invadir a casa e detê-lo a qualquer momento", disse o irmão de Wadi, Sami, ao MEE. "Por mais que tentássemos tranquilizá-lo, ele nunca acreditava em nós. Ele sempre gritava 'se eu não morrer, eles vão me matar'."

"Mas não esperávamos que esse trauma levasse ao suicídio".

Seus parentes acreditam que Wadi tirou a própria vida, pois a via como a única maneira de "ter certeza de que não voltaria à prisão" novamente.

"Ficamos em choque total. Nunca esperamos que isso realmente acontecesse", disse Sami.

Mas Sami apontou: "Jamal não é o único caso. Conheço muitos prisioneiros libertados que também tentaram cometer suicídio".

Segundo a organização de direitos dos prisioneiros Addameer, atualmente cerca de 4.700 palestinos estão presos por Israel - incluindo 267 da Faixa de Gaza.

 

Desespero crescente

Os palestinos atribuíram o aumento das tentativas de suicídio ao agravamento da situação humanitária e econômica na Faixa de Gaza.

De acordo com a União Europeia, o bloqueio e as hostilidades recorrentes na faixa costeira enfraqueceram a economia local a ponto de 1,5 milhão de pessoas - cerca de 80% da população total de Gaza - permanecerem dependentes da ajuda.

Desde a imposição do cerco em 2007, o número de empresas em Gaza diminuiu de 3.500 para 250, segundo o Monitor Euro-Mediterrânico de Direitos Humanos. Hoje, quase 54% das famílias na Faixa de Gaza vivem abaixo da linha da pobreza.

As medidas tomadas para conter a propagação da pandemia de coronavírus aumentaram ainda mais a crise econômica em Gaza, com quase 26.500 pessoas perdendo seus empregos nos primeiros três meses de 2020.

No primeiro trimestre de 2020, a taxa de desemprego atingiu 46%, contra 42,7% no último trimestre de 2019, de acordo com o Bureau Central de Estatísticas da Palestina (PCBS), revelando o quão terrível a situação era antes de 2020 - um ano em que viu economias em todo o mundo marcarem grandes perdas.

Os números preocupantes são "uma prova dos desesperos e graves impactos na saúde mental do povo", disse Nuriya Oswald, diretora internacional de advocacia e advocacia de Al Mezan, acrescentando que aqueles que trabalham nos outrora prósperos setores de pesca e agricultura em Gaza são particularmente vulneráveis devido às ameaças da violência militar israelense e restrições que afetam seus meios de subsistência.

Haitham Arafat, 37 anos, pai de quatro filhos, encontra-se em apuros financeiros depois de ser incapaz de pagar suas dívidas.

No início de julho, ele tentou incendiar-se, mas foi salvo pelos transeuntes.

"Recebo um salário mensal da Autoridade Palestina, mas nada resta para mim e meus filhos devido a minhas pesadas dívidas", disse Arafat. "Tentei trabalhar em muitos campos para conseguir outro salário, mas não consegui. Tenho um problema de saúde na mão que hospitais e médicos em Gaza não conseguiram diagnosticar. Não posso segurar nada pesado".

"Eu cansei de me sentir impotente. Meus filhos estão sempre com fome e eu não posso fazer nada além de vê-los chorar", disse Arafat ao MEE.

Israel e seus aliados - incluindo, mais recentemente, oficiais dos EUA nas Nações Unidas - têm culpado repetidamente os problemas econômicos, de segurança e psicológicos de Gaza pela liderança de fato da região ser liderada pelo movimento Hamas.

Mas muitos palestinos, incluindo a família de Wadi, rejeitam fortemente essas acusações.

"A ocupação é a culpada; nenhum outro partido é responsável pelo assassinato silencioso da ocupação dos palestinos", disse Sami. "Meu irmão e centenas de pessoas que cometeram ou tentaram cometer suicídio uma vez amaram a vida. Mas a vida sob ocupação tem sido sufocante na medida em que as pessoas começam a preferir a morte".

 

Condições imperdíveis

Arafat, que foi o único membro de sua família a sobreviver ao massacre de Sabra e Shatila em 1982 quando bebê, diz que se sente sozinho para enfrentar uma "situação insuportável".

Embora de fato haja um aumento no número de tentativas de suicídio, o Dr. Youssef Awadallah, psicólogo da Faixa de Gaza, disse ao MEE que estava se abstendo de classificá-lo como uma tendência ampla em Gaza.

"Em 2019, 22 suicídios foram registrados em toda a Faixa, onde vivem cerca de dois milhões de habitantes", explicou. "Não podemos chamar isso de fenômeno, mas é verdade que as terríveis condições econômicas e sociais da Faixa são os principais fatores que contribuem para agravar o problema".

Awadallah observou que, ao contrário de algumas percepções, as tentativas de suicídio geralmente resultam de longos períodos de dificuldades.

"A ideia de suicídio não surge repentinamente na cabeça de alguém e, em seguida, ele se suicida; é o resultado de dias e meses de pensamentos profundos, quando o suicida fica convencido de que terminar sua vida é realmente uma forma de alívio", ele explicou.

Existem recursos em Gaza para ajudar as pessoas com problemas de saúde mental e pensamentos suicidas - incluindo a linha de apoio do Programa de Saúde Mental Comunitária de Gaza.

Embora as causas do pensamento suicida sejam complexas e variadas, os moradores de Gaza apontam repetidamente para o contexto em que vivem como contribuindo para a luta das pessoas com a saúde mental.

"Se ao menos não houvesse ocupação. Quem pensaria em suicídio em Gaza então?" Arafat perguntou. "Somos capazes de ser independentes e levar vidas bem-sucedidas, mas dormir e acordar com a mesma situação sufocante é desgastante".

 

Fonte: Middle East Eye

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.