Domingo, 21 Abril 2024

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Clube Brasil Palestina

GAZA: Um caso exemplar de genocídio

Israel tem sido explícito sobre o que está a fazer em Gaza. Por que o mundo não está ouvindo?

Dr. Raz Segal

13 de outubro de 2023

Na sexta-feira, Israel ordenou que a população sitiada na metade norte da Faixa de Gaza evacuasse para o sul, alertando que em breve intensificaria o seu ataque à metade de cima da Faixa. A ordem deixou mais de um milhão de pessoas, metade das quais são crianças, tentando fugir freneticamente no meio de contínuos ataques aéreos, num enclave murado onde nenhum destino é seguro. Como escreveu hoje a jornalista palestina Ruwaida Kamal Amer a partir de Gaza, “refugiados do norte já estão a chegar a Khan Younis, onde os mísseis nunca param e estamos a ficar sem comida, água e energia”. A ONU alertou que a fuga de pessoas da parte norte de Gaza para o sul criará “consequências humanitárias devastadoras” e “transformará o que já é uma tragédia numa situação calamitosa”. Durante a última semana, a violência de Israel contra Gaza matou mais de 1.800 palestinos, feriu milhares e deslocou mais de 400.000 dentro da Faixa. E, no entanto, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, prometeu hoje que o que vimos é “apenas o começo”.

A campanha de Israel para deslocar os habitantes de Gaza – e potencialmente expulsá-los completamente para o Egito – é mais um capítulo da Nakba, em que cerca de 750.000 palestinianos foram expulsos das suas casas durante a guerra de 1948 que levou à criação do Estado de Israel. Mas o ataque a Gaza também pode ser entendido noutros termos: como um caso clássico de genocídio que se desenrola diante dos nossos olhos. Digo isto como um estudioso do genocídio, que passou muitos anos escrevendo sobre a massiva violência israelense contra os palestinos. Escrevi sobre o colonialismo de povoamento [settler-colonialism] e a supremacia judaica em Israel, a distorção do Holocausto para impulsionar a indústria armamentista israelense, a utilização de acusações de antissemitismo como arma para justificar a violência israelense contra os palestinos e o regime racista do apartheid israelense. Agora, após o ataque do Hamas no sábado e o assassinato em massa de mais de 1.000 civis israelenses, o pior dos piores está a acontecer.

De acordo com o direito internacional, o crime de genocídio é definido pela “intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso, como tal”, conforme observado na Convenção das Nações Unidas sobre Prevenção e Punição do Crime de Genocídio, de dezembro de 1948. No seu ataque assassino a Gaza, Israel proclamou em voz alta esta intenção. O Ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, declarou-o em termos inequívocos no dia 9 de Outubro: “Estamos a impor um cerco completo a Gaza. Sem eletricidade, sem comida, sem água, sem combustível. Tudo está fechado. Estamos lutando contra animais humanos e agiremos de acordo.” Os líderes ocidentais reforçaram esta retórica racista ao descreverem o assassínio em massa de civis israelenses perpetrado pelo Hamas – um crime de guerra ao abrigo do direito internacional que, com razão, provocou horror e choque em Israel e em todo o mundo – como “um ato de pura maldade”, nas palavras do Presidente dos EUA Joe Biden, ou como um movimento que refletia um “mal antigo”, na terminologia da Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. Esta linguagem desumanizadora é claramente calculada para justificar a destruição em larga escala de vidas palestinas; a afirmação do “mal”, no seu absolutismo, omite as distinções entre os militantes do Hamas e os civis de Gaza, e obstrui o contexto mais amplo da colonização e da ocupação.

A Convenção das Nações Unidas sobre Genocídio lista cinco atos que se enquadram na sua definição. Israel está atualmente a perpetrar três destes crimes em Gaza: “1. Matando membros do grupo. 2. Causar graves danos corporais ou mentais aos membros do grupo. 3. Infligir deliberadamente ao grupo condições de vida calculadas para provocar a sua destruição física, total ou parcial.” A Força Aérea Israelense, segundo suas próprias contas, lançou até agora mais de 6.000 bombas sobre Gaza, que é uma das áreas mais densamente povoadas do mundo – mais bombas do que as que os EUA lançaram sobre todo o Afeganistão em qualquer ano da sua guerra lá. A Human Rights Watch confirmou que as armas utilizadas incluíam bombas de fósforo, que incendiaram corpos e edifícios, criando chamas que não se extinguem em contato com a água. Isto demonstra claramente o que Gallant quer dizer com “agir em conformidade”: não visar militantes individuais do Hamas, como afirma Israel, mas desencadear violência mortal contra os palestinos em Gaza “como tais”, na linguagem da Convenção sobre o Genocídio da ONU. Israel também intensificou o seu cerco de 16 anos a Gaza – o mais longo da história moderna, em clara violação do direito humanitário internacional – para um “cerco completo”, nas palavras de Gallant. Esta expressão que indica explicitamente um plano para levar o cerco ao seu destino final de destruição sistemática dos palestinianos e da sociedade palestina em Gaza, matando-os, matando-os à fome, cortando-lhes o abastecimento de água e bombardeando os seus hospitais.

Não são apenas os líderes de Israel que usam tal linguagem. Um entrevistado do Canal 14 pró-Netanyahu apelou a Israel para “transformar Gaza em Dresden”. O Canal 12, a estação de notícias mais assistida de Israel, publicou uma reportagem sobre israelenses de tendência esquerdista pedindo para “dançar no que costumava ser Gaza”. Entretanto, verbos genocidas – apelos para “apagar” e “terraplanar” Gaza – tornaram-se onipresentes nas redes sociais israelenses. Em Tel Aviv, uma faixa com os dizeres “Zero Gazanos” foi vista pendurada numa ponte.

Na verdade, o ataque genocida de Israel a Gaza é bastante explícito, aberto e desavergonhado. Os perpetradores do genocídio geralmente não expressam as suas intenções de forma tão clara, embora haja exceções. No início do século XX, por exemplo, os ocupantes coloniais alemães perpetraram um genocídio em resposta a uma revolta das populações indígenas Herero e Nama no sudoeste de África. Em 1904, o general Lothar von Trotha, comandante militar alemão, emitiu uma “ordem de extermínio”, justificada pela lógica de uma “guerra racial”. Em 1908, as autoridades alemãs tinham assassinado 10.000 Nama e alcançado o seu objectivo declarado de “destruir os Herero”, matando 65.000 Herero, 80% da população. As ordens de Gallant em 9 de outubro não foram menos explícitas. O objetivo de Israel é destruir os palestinos de Gaza. E aqueles de nós que estão assistindo ao redor do mundo negligenciam a responsabilidade de impedi-los de fazê-lo.

 

Texto original, publicado originalmente na Jewish Currents:
https://jewishcurrents.org/a-textbook-case-of-genocide

Texto traduzido livremente para fins educacionais.

  • Gravatar - Post by
    postado por: Raz Segal
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2024 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.