Quarta Feira, 05 Outubro 2022

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Gigantes da mídia social removeram ou limitaram centenas de conteúdos e contas palestinas, diz relatório

Ativistas e vigilantes digitais relataram um aumento notável das restrições ao conteúdo palestino online, com pelo menos 300 jornalistas e ativistas palestinos sendo restritos ou totalmente apagados em várias plataformas de mídia social, incluindo Facebook, Instagram, TikTok, e Twitter.

Palestina ocupada (por Palestine Today)

 

Ativistas e vigilantes digitais relataram um aumento notável das restrições ao conteúdo palestino online, com pelo menos 300 jornalistas e ativistas palestinos sendo restritos ou totalmente apagados em várias plataformas de mídia social, incluindo Facebook, Instagram, TikTok, e Twitter.

 

Normalmente, muitos têm argumentado, tais restrições surgem durante momentos de tensão entre palestinos e israelenses na região, já que os residentes usaram suas contas para documentar as violações israelenses.

 

Em agosto, os territórios palestinos testemunharam uma série de sangrentos ataques israelenses, incluindo uma campanha militar de 3 dias contra Gaza, matando pelo menos 49 palestinos e ferindo cerca de 350 outros.

 

Enquanto isso, o exército israelense matou palestinos na Cisjordânia e prendeu dezenas deles em ataques contínuos às cidades e vilas palestinas da região.

 

Sem qualquer alarme prévio, Abdel Hakim Abu Riash, um fotógrafo sediado em Gaza, ficou chocado por sua conta ter sido apagada no início do mês enquanto compartilhava alguns vídeos e fotos retratando as agressões de Israel.

 

Falando ao The New Arab, Abu Riash disse que "a última exclusão não foi a primeira vez. Eu fui submetido a perder minhas contas muitas vezes em tempos anteriores".

 

"Quando publicamos qualquer conteúdo palestino falando sobre a violação israelense, o Facebook restringe diretamente nossas contas ou as apaga", acrescentou o pai de quatro filhos de 32 anos.

 

Numa tentativa de evitar perder sua nova conta, Abu Riash recorreu ao uso de pontos de pontuação para cortar suas palavras de forma a contornar o algoritmo.

 

No entanto, seu novo método não durou muito, pois alguns dos últimos vídeos que ele compartilhou também foram restritos e excluídos. Ele diz que não pode publicar nenhum conteúdo contra Israel por medo de perder sua conta mais uma vez.

 

Ramiz Awwad, um jornalista baseado em Ramallah, passa por uma situação semelhante. Sua conta no Facebook foi excluída por Meta devido aos seus posts relacionados às violações israelenses contra os palestinos na região.

 

Falando ao jornal The New Arab, o fotógrafo de 28 anos, disse que sua missão jornalística se baseia em revelar todas as violações israelenses por todos os meios disponíveis, incluindo o investimento em plataformas de mídia social.

 

"Como palestinos, estamos enfrentando um dos inimigos mais perigosos que desfrutam de apoio internacional, por isso temos que quebrar todas as suas regras e devemos penetrar em todos os campos para fazer ouvir nossa causa e mostrar ao mundo que somos um povo oprimido", disse ele.

 

"Infelizmente, algumas agências internacionais adotam regras restritas em relação à questão palestina, por isso não podemos nos expressar livremente", acrescentou ele.

 

Abu Riash e Awwada estão entre dezenas de jornalistas e ativistas palestinos cujos relatos foram apagados por Meta, de acordo com a Sada Social, um centro não-governamental baseado em Ramallah que monitora a suspensão dos conteúdos e relatos palestinos em plataformas de mídia social.

 

Somente em agosto, pelo menos 300 jornalistas e ativistas palestinos tiveram suas contas restritas ou apagadas em várias plataformas de mídia social, incluindo Facebook, Instagram, TikTok e Twitter, Nidaa Basumi, coordenadora da Sada, falou com The New Arab.

 

"Desde o início de 2022, a unidade cibernética do exército de ocupação israelense aumentou em 800% seus pedidos para remover o conteúdo palestino", disse ela. "87% deles já foram eliminados no Facebook".

 

Em 2021, o Comitê de Legislação do Knesset israelense aprovou por unanimidade a "Lei Facebook", que obrigará o Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok a remover qualquer conteúdo que Israel considere prejudicial, de acordo com os contratos celebrados com essas empresas.

 

A partir de 2022, a lei tornou-se obrigatória para as empresas de comunicação digital para garantir a renovação de seus contratos com Israel, de acordo com Mohammed Abu al-Rub, professor de mídia digital da Universidade de Birzeit.

 

"Israel tem conseguido impor suas restrições sobre as plataformas de mídia social. Agora, há casos consistentes em que as contas são restritas às plataformas de mídia social, como cenas de sangue, fotos de figuras históricas, mártires da revolução palestina e líderes, como fotos de Abu Jihad, Abu Iyad e do último presidente palestino Yasir Arafat", disse ele ao jornal The New Arab.

 

Enfatizando que o conteúdo palestino tem estado envolvido em um conflito de longo prazo com a narrativa israelense, ele exortou os palestinos a adotarem planos fortes e estratégicos para desafiar as regras ilegais emitidas pelo Facebook e Instagram.

 

"Nós (palestinos) temos pessoas criativas que podem estabelecer suas próprias plataformas de mídia social e espalhá-las globalmente longe da que pertence aos Estados Unidos, que apóia a ocupação israelense e protege suas violações o tempo todo", acrescentou ele.

 

Fonte: https://inpalestine.site/archives/20032

 

  • Gravatar - Post by
    postado por: Palestine Today
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2022 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.