Quarta Feira, 27 Outubro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Governo israelense, comandantes do exército são 'criminosos de guerra': ex-piloto do exército israelense

'Uma vez que você percebeu que faz parte de uma organização terrorista, você entende que tem que dizer não', diz Yonatan Shapira

O governo israelense e os comandantes do exército são "criminosos de guerra", disse um ex-piloto da Força Aérea israelense, que foi dispensado do exército em 2003, à Agência Anadolu em uma entrevista exclusiva.

 

Em Israel e no exército, há algumas pessoas que são contra as políticas de ocupação e repressão do governo de Tel Aviv contra os palestinos, e Yonatan Shapira é uma delas.

 

Shapira também lançou uma campanha que encorajou outros militares a não obedecer às ordens de ataque aos palestinos, o que levou à sua dispensa ou demissão do exército, considerando a situação em que os palestinos se encontravam.

 

Como resultado da campanha que ele conduziu com seus amigos, mais 27 pilotos do exército foram dispensados de seus cargos na Força Aérea Israelense desde 2003.

 

Após sua demissão, Shapira foi demitido de todos os empregos que ocupou ao participar de manifestações em apoio aos direitos dos palestinos e chamou a atenção para os "crimes de guerra" cometidos pelo exército israelense ao realizar conferências internacionais. Então ele teve que se mudar para a Noruega e continuar sua vida lá.

 

Durante sua entrevista com a Agência Anadolu, Shapira explicou por que se juntou ao exército israelense e como percebeu que era "parte de uma organização terrorista" em suas próprias palavras.

 

“Percebi durante a segunda Intifada o que a Força Aérea Israelense e os militares israelenses estão fazendo é um crime de guerra, aterrorizando a população de milhões de palestinos e quando percebi isso, decidi não apenas sair, mas organizar outros pilotos que se recusarão publicamente a participar este crime ", afirmou.

 

Educação militarista sionista em Israel

 

"Como uma criança em Israel, você foi criado em uma educação militarista sionista muito forte. Você não sabe quase nada sobre a Palestina, não sabe sobre a Nakba de 1948, não sabe sobre a opressão em curso", Shapira afirmou.

 

"Eles foram enviados para lançar mísseis e bombas em centros de cidades palestinas. Em algum momento, percebi que isso é um ato de terrorismo", disse ele, referindo-se a pilotos de outros esquadrões que estavam envolvidos na matança em massa de civis.

 

Reiterando os “crimes de guerra” das políticas israelenses contra os palestinos, Shapira mencionou que esta é a mensagem que ele, junto com seus amigos que renunciaram ao serviço militar, deseja transmitir ao povo israelense, ao governo, ao primeiro-ministro e ao restante do mundo.

 

“… Esta ocupação é um ato criminoso contínuo e um crime de guerra, e não estamos dispostos a continuar a participar sobre esse crime de guerra”, acrescentou.

 

Enfatizando que seu objetivo era proteger as pessoas ao ingressar no exército, o ex-soldado israelense disse que se quisesse proteger as pessoas, deveria estar do outro lado, ao lado dos palestinos, ao invés de fazer parte do exército israelense.

 

“Foi um processo psicológico e muito difícil, mas quando você percebe que faz parte de uma organização terrorista, entende que tem que dizer não, tem que assumir as consequências”, enfatizou Shapira.

 

“Fui demitido de todas as empresas para as quais trabalho em Israel, porque apoio a luta palestina e porque dou palestras em todo o mundo porque faço parte do Movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) porque digo que Israel é um estado de apartheid porque digo que o meu governo e os meus comandantes são criminosos de guerra ", sublinhou.

 

Ataques israelenses recentes na Palestina

 

Um total de 192 palestinos, incluindo 58 crianças e 34 mulheres, foram mortos e 1.235 feridos desde que Israel iniciou ataques aéreos em Gaza em 10 de maio.

 

Na noite de sábado, outro crime foi cometido pelos aviões de guerra israelenses quando eles atacaram uma casa no campo de refugiados de al-Shati, no noroeste de Gaza. O ataque aéreo deixou duas mães e oito crianças mortas enquanto dormiam em casa.

 

As tensões recentes que começaram em Jerusalém Oriental no mês sagrado muçulmano do Ramadã se espalharam por Gaza depois que grupos de resistência palestinos prometeram retaliar os ataques israelenses à mesquita Al-Aqsa e ao xeque Jarrah se não fossem detidos.

 

Israel ocupou Jerusalém Oriental, onde Al-Aqsa está localizada, durante a guerra árabe-israelense de 1967. Ela anexou toda a cidade em 1980, em um movimento nunca reconhecido pela comunidade internacional.

 

 

Fonte:  Agência Anadolu

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.