Quarta Feira, 27 Outubro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Grupos pró-coloniais pressionam para legalizar assentamentos 'selvagens' em Israel

Na Cisjordânia ocupada existem dois tipos principais de colônias: as consideradas "legais" por Israel, e as não reconhecidas pelas autoridades israelenses, os chamados "selvagens", que são como "postos avançados" com casas portáteis instaladas nas colinas. A lei internacional torna ilegais todos os assentamentos nos territórios palestinos ocupados.

O movimento pró-colonial na Cisjordânia está pressionando a classe política israelense a se comprometer com a legalização dos assentamentos "selvagens", em meio a uma luta feroz entre partidos de direita antes das próximas eleições em março.

 

A lei internacional considera ilegais todos os assentamentos nos territórios palestinos ocupados.

Organizações pró-coloniais estão trabalhando para pressionar o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu a "legalização", do ponto de vista israelense, cerca de 70 colônias "selvagens" na Cisjordânia, onde vivem cerca de 25.000 dos 475.000 colonos locais.

No início de janeiro, militantes armaram uma tenda em frente aos escritórios de Netanyahu em Jerusalém e iniciaram uma greve de fome para chamar a atenção para suas demandas.

"Não há nenhuma razão lógica para que 25.000 cidadãos israelenses não tenham os mesmos direitos que os outros, não é uma questão política, é sobre direitos sociais", disse à AFP Yossi Dagan, poderoso presidente do conselho regional Shomron, uma organização de assentamentos israelenses ao norte da Cisjordânia.

 

Greve de fome 

Dagan fez uma greve de fome de sete dias este mês em frente ao gabinete do primeiro-ministro, antes de ser enviado para um hospital local após se sentir mal, descobriu a AFP.

Coincidência ou não, esses ativistas interromperam abruptamente sua greve de fome na véspera da partida de Donald Trump, um ardoroso defensor das colônias israelenses, da Casa Branca.

Mas o fim da greve de fome não significa o fim da mobilização. Esses colonos apoiam a "luta para continuar" e esperam se beneficiar da campanha legislativa de 23 de março, a quarta em menos de dois anos, para promover sua causa.

As últimas três eleições foram duelos entre Netanyahu e o ex-chefe do exército, o centrista Benny Gantz. Mas desta vez o primeiro-ministro enfrenta forte competição da direita com o avanço do conservador Gideon Saar e do chefe da direita radical, Naftali Bennett, todos considerados próximos ao movimento das colônias.

No outono, uma lei sobre a legalização desses assentamentos foi aprovada em primeira leitura pelos deputados, mas Benny Gantz, ministro da defesa no governo, recusou-se a ir até o fim desse procedimento.

“Os colonos precisam lançar uma campanha (...) Eles exigem um período eleitoral para obter promessas dos partidos que podem entrar no próximo governo”, diz Denis Charbit, professor de Ciência Política da Universidade Aberta de Israel.

 

"Sem aquecimento e sem água"

“Os colonos sabem que depois das eleições, a margem de manobra do governo não será tão grande quanto durante o mandato de Trump e, portanto, eles precisam de promessas e não apenas de declarações de apoio”, disse à AFP.

Para Hagit Ofran, do movimento anti colonizador La Paz Ahora - A paz agora -, a chegada a Washington do democrata Joe Biden complica a legalização dos assentamentos para Israel.

“Com as novas eleições, pode-se esperar uma mudança de poder” em Israel, após as eleições de março, o que pode impactar não só no projeto de legalização dos “assentamentos selvagens”, mas em todo o processo de “grilagem de terras”.

Em Givat Hashish, um assentamento "selvagem" perto de Belém, na Cisjordânia ocupada, Matan Fingerhut, pai de quatro filhos, não diz em quem vai votar, mas tem certeza de que quer sua colônia legalizada.

“Gosto deste lugar e quero viver legalmente”, diz ele. “Às vezes ficamos no escuro, sem aquecimento, sem água quente, essa é a principal dificuldade”, reclama este homem que construiu sua casa sem autorização.

Essas casas não estão, em teoria, conectadas à rede elétrica e ao aqueduto israelense que alimenta as colônias na Cisjordânia, território ocupado por Israel desde 1967.

Uriya Loberbaum, 38, pai de cinco filhos que mora em Sdé Boaz, outra colônia selvagem, fez uma greve de fome de 18 dias.

"Devemos dizer claramente que isso pertence a nós, esta região pertence ao povo judeu", disse ele.

 

Fonte: Swiss Info

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.