Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Guerra internacional de Israel contra os direitos humanos

Israel tem um longo histórico de camuflar a verdade no que diz respeito à Palestina.

Integrante disso, nos últimos anos, tem sido crescente a guerra contra grupos de direitos humanos que documentam os abusos de Israel contra palestinos e outros árabes.

A hostilidade de Israel em relação a esses grupos é direcionada, acima de tudo, contra os próprios palestinos.

O escritório do Grupo de Direitos dos Prisioneiros Palestinos Addameer foi invadido por soldados israelenses em setembro. A entidade realiza um trabalho de solidariedade vital para os prisioneiros palestinos nas prisões israelenses. Então, naturalmente, tem sido alvo repetidamente por meios de assédio e perseguição.

Mas a guerra de Israel contra os direitos humanos não se limita aos grupos palestinos – ela também visa grupos internacionais de direitos humanos. As últimas ações autoritárias do estado, mais uma vez, demonstram isso em abundância.

Qualquer grupo ou organização que se esforce para esclarecer ou expor os crimes de Israel contra os palestinos é considerado uma ameaça pelo estado do apartheid que ocupa a Palestina. Portanto, eles são ilegalmente hostis a esses grupos – por mais tímidos e precários que sejam em suas críticas.

A Anistia Internacional observou recentemente que a tendência dos ataques israelenses à organização tem aumentado nos últimos anos.

A última ação desse tipo foi a proibição arbitrária de viagens de um de seus funcionários palestinos, Laith Abu Zeyad.

Em outubro, ele foi proibido de viajar da Cisjordânia ocupada para a Jordânia, em um claro ato de punição, por sua ajuda na exposição de violações de direitos humanos em Israel. Abu Zeyad estava a caminho de um funeral em família na Jordânia. Esse ato humano comum foi cruelmente bloqueado pelo ódio vingativo de Israel aos palestinos.

O pretexto israelense era o nebuloso de sempre: “razões de segurança”.

O secretário-geral da Anistia Internacional, Kumi Naidoo, denunciou a ação israelense, explicando que: “A afirmação das autoridades israelenses sobre ter motivos de segurança para proibir a viagem de Laith Abu Zeyad é totalmente absurdo. O fracasso em fornecer detalhes para justificar a proibição revela sua verdadeira intenção. Este é um movimento sinistro imposto como punição por seu trabalho de defesa dos direitos humanos dos palestinos. ”

Naidoo, da Anistia Internacional, exigiu que: “As autoridades israelenses devem suspender imediatamente proibições arbitrárias de viagens a Laith Abu Zeyad e a todos os outros defensores palestinos de direitos humanos que estão sendo punidos por ousarem falar sobre a discriminação sistemática de Israel e violações de direitos humanos contra palestinos”.

A guerra de Israel contra grupos internacionais de direitos humanos aumentou ainda mais no mês passado, de maneira particularmente destacada.

Após uma longa luta legal, Israel expulsou o diretor do escritório da Human Rights Watch (HRW) em Jerusalém, Omar Shakir do país.

O visto de trabalho de Shakir havia sido revogado por Israel no ano passado, e ele foi condenado a deixar o país por seu suposto apoio ao movimento BDS – por boicote, desinvestimento e sanções contra Israel.

De fato, a HRW é um tipo de grupo tecnocrático de direitos humanos bastante tímido e liberal, que nunca desafia fundamentalmente a ordem mundial corporativa estabelecida. O suposto apoio de Shakir ao BDS representou pouco mais de um tweet de um artigo sobre o movimento BDS.

A própria HRW, durante o processo judicial, distanciou-se de maneira vergonhosa da BDS, afirmando: “Nem a HRW – nem Shakir como seu representante – advogam boicote, desinvestimento ou sanções contra empresas que operam nos assentamentos ou Israel”.

Essa covardia não os ajudou nem um pouco, já que Shakir ainda foi expulso.

No mês passado, a alta corte israelense abriu caminho para isso, com um juiz divulgando: “A Human Rights Watch não é classificada como uma organização de boicote – e pode solicitar a contratação de outro representante que não esteja envolvido até o pescoço nas atividades de BDS. ”

A guerra de Israel contra grupos internacionais de direitos humanos é parte integrante da guerra de Israel contra a verdade.

Embora seja incrivelmente opressivo e possa parecer um sinal de sua fortaleza, na verdade é um sinal de sua fragilidade.

É pelas mesmas razões que o conluio israelense com Donald Trump nos EUA e Boris Johnson no Reino Unido, na tentativa de proibir o movimento BDS – apesar de extrema preocupação – é de fato um sinal de fraqueza a longo prazo.

Israel não pode vencer os argumentos. Em vez disso, recorreu à força bruta e à censura grosseira – em conluio com seus aliados de direita em todo o mundo.

O lobby israelense está em declínio eventual e terminal e definitivo.

Para resistir, é importante insistir no direito à honestidade.

 

Fonte: Middle East Monitor

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.