Quarta Feira, 12 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Hoje, 25 de fevereiro, marca o massacre do Nobre Santuário de Ibrahim na cidade ocupada de Hebron

O Massacre da Mesquita do profeta Ibrahim (Abraão) na cidade de Hebron. na Cisjordânia ocupada, ocorreu quando Baruch Goldstein, um médico judeu terrorista, colono israelense e membro do movimento de extrema-direita israelense Kach, abriu fogo contra palestinos muçulmanos desarmados que estavam rezando dentro da Mesquita Ibrahim. O atQue terrorista conteceu no dia 25 de fevereiro de 1994, durante os feriados religiosos de sobreposição de Purim e Ramadã. Entre 29 e 52 palestinos morreram e mais de 100 ficaram feridos.

O ataque terrorista terminou quando Goldstein foi subjugado e espancado até a morte pelos sobreviventes. O massacre tinha inspirações sionistas e deflagrou vários tumultos e protestos em toda a Cisjordânia e um adicional de 19 palestinos foram mortos pelas Forças de Defesa de Israel no prazo de 48 horas após o massacre.

Um assassinato em massa dentro da mesquita de Ibrahimi, na qual 29 fiéis foram mortos e 15 feridos, e as autoridades de ocupação aproveitaram o incidente para dividir o santuário entre muçulmanos e judeus e praticar as políticas de judaização e assentamento na cidade de Hebron e arredores.

A mesquita de Ibrahimi está localizada no coração da cidade de Hebron, e a mesquita - também chamada de mesquita de Ibrahimi - é atribuída ao profeta Ibrahim, que a paz esteja com ele.

Na madrugada de sexta-feira, 25 de fevereiro de 1994, correspondente ao dia 15 do Ramadã em 1415 AH, o colono Baruch Goldstein ficou atrás de um dos pilares da mesquita e esperou até que os fiéis adorassem e abrissem o fogo de sua metralhadora enquanto eles se prostravam, ao mesmo tempo em que outros o ajudavam a preencher munição que continha balas “Dumdum ", um projétil cujos fragmentos de chumbo penetraram e explodem nas cabeças, pescoços e costas dos adoradores.

O massacre na Mesquita Ibrahimi resultou na morte de 29 fiéis e no ferimento de 15 outros antes que os fiéis atacassem Goldstein e o matassem.

Após o término do massacre, os soldados de ocupação no campus fecharam as portas da mesquita para impedir que os fiéis escapassem, pois impediam que aqueles que vinham de fora do campus chegassem ao seu quintal para salvar os feridos.

Durante o funeral das vítimas do massacre, os soldados israelenses atiraram nos enlutados, matando vários deles, o que elevou o número de vítimas para cinquenta mortos e 150 feridos.

Após o massacre, no mesmo dia, a tensão aumentou na cidade de Hebron, em suas aldeias e em todas as cidades palestinas e nas áreas da Linha Verde. O número de mortos como resultado dos confrontos com os soldados das forças de ocupação na época atingiu sessenta mártires.

Em 18 de março de 1994, o Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução condenando o massacre da mesquita de Ibrahimi e pedindo medidas para proteger os palestinos, incluindo o desarmamento de colonos.

Em retaliação aos mártires do massacre, as Brigadas Izz al-Din al-Qassam, braço armado do Movimento de Resistência Islâmico (Hamas), realizaram cinco operações de martírio entre abril e dezembro de 1994, nas quais 36 israelenses foram mortos e mais de 100 feridos.

 

Testemunhas:

Uma testemunha do massacre - que estava orando na última fila da mesquita - relata que, quando o “Imam” (um título muçulmano que designa o sacerdote encarregado de dirigir as preces na mesquita) chegou ao fim de Surat al-Fatiha, ouviu atrás de si a voz dos colonos dizendo em hebraico o que isso significa: "Este é o último deles" e, quando rezavam em prostração, ouviam tiros de todas as direções e explosões.

A testemunha acrescentou que ele não conseguia erguer a cabeça, e ele viu a cabeça de uma pessoa que estava ao seu lado, e seu cérebro explodiu, e quando sua cabeça foi levantada, ele viu adoradores espancando alguém usando uniforme militar.

Outra testemunha relatou que ele viu balas voando em três direções, e todos caíram no chão, e quatro jovens fugiram, mas os soldados israelenses os abriram fogo. Ele acrescentou que tinha visto os soldados impedirem as ambulâncias de entrar no campus por cerca de três horas.

A testemunha disse que, quando deixou o campus, viu os soldados israelenses atirando em todas as direções contra os paramédicos e feridos.

Um terceiro afirmou que ele chegou atrasado à mesquita e, quando eles tiraram os sapatos, ele notou a presença de soldados correndo e carregando uma metralhadora presas a uma bandoleira, então ele o empurrou na mão e rapidamente entrou no lado direito atrás do Imam, e os israelenses começaram a disparar pesadamente.


Comitê de investigação:

As forças de ocupação fecharam a Mesquita Ibrahimi e a Cidade Velha por seis meses inteiros, sob o pretexto de investigar o massacre, e formaram unilateralmente um comitê conhecido como "Shamgar" para investigar o massacre e suas causas.

O comitê saiu na época com várias recomendações, incluindo a divisão da mesquita de Ibrahimi em uma sinagoga e uma mesquita, para que todo o campus fosse aberto dez dias para os muçulmanos apenas por ano e o mesmo período para os judeus.

E Israel impôs uma realidade de ocupação à vida dos cidadãos da Cidade Velha e colocou guardas no campus e colocou suas entradas nos portões eletrônicos, e deu aos judeus o direito à soberania sobre a maior parte (cerca de 60%), a fim de judaizá-la e apreendê-la.

A ocupação também colocou câmeras e portões eletrônicos em todas as entradas, e fechou a maioria das estradas que levavam a ele diante dos muçulmanos, com exceção de um portão com rigorosas medidas de segurança, além do fechamento do mercado Hisbah, do Khanate de Hebron e Shaheen e das ruas dos mártires e Sahla. Com essas medidas, a cidade e a cidade antiga foram separadas de seus arredores.

Os israelenses reforçaram as medidas de segurança na entrada do santuário, o chamado portão da gaiola e os pontos de observação na porta de supervisão, todos em uma área de não mais de duzentos metros quadrados, além de colocar 26 câmeras dentro do santuário, holofotes, sensores de som e imagem e o fechamento de todas as estradas, exceto uma estrada Um sob controle israelense.


Repercussões:

Desde que o massacre ocorreu, os ataques à mesquita de Ibrahimi continuaram, o antigo município foi fechado nas proximidades e a Rua Shuhada, que é a principal artéria e tábua de salvação dos palestinos, foi fechada, resultando no fechamento de 1.800 lojas na Cidade Velha, e o chamado à oração no Monte do Templo foi impedido de ser realizado várias vezes por mês, separando a antiga cidade de Hebron de seus arredores.

O massacre foi o começo do plano da ocupação de implementar uma limpeza étnica da separação, isolamento e deslocamento dos palestinos da cidade velha para construir a "cidade judaica de Hebron", pois a vida dos palestinos nos becos foi interrompida depois que o governo da ocupação decidiu fechar a cidade velha com suas ruas e mercados e dividir o santuário entre muçulmanos e judeus.

A ocupação empregou o "Acordo de Hebron" concluído com a Autoridade Palestina em 1997 para aprofundar os assentamentos na cidade velha habitada por cerca de quarenta mil palestinos, que é classificada como "H2" e está sob controle de segurança israelense, e também é ocupada por 35.000 judeus distribuídos em 27 assentamentos e dezenas de assentamentos e postos militares. Na cidade velha e nos arredores de Hebron, que é habitada por quase quinhentos mil palestinos.

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.