Terça Feira, 04 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Hoje marca a memória do assassinato de Razan Al-Najjar, uma enfermeira palestina que estava socorrendo os feridos em Gaza

Razan foi assassinada na sexta-feira 1 de junho de 2018, porque ela é uma ativista que defende a causa palestina contra as forças israelenses.

Razan foi morta por uma bala explosiva de um franco-atirador israelense que penetrou em seu peito e saiu de suas costas, depois que ela foi acompanhada por seus colegas enfermeiors e paramédicos, a cerca de 100 metros da faixa de fronteira, depois que eles tentaram resgatar dois dos feridos, que foram presos pela ocupação, a noroeste do campo de retorno com os protestos na fronteira de Gaza a leste de Khuza'a em 2018, na província de Khan Yunis, ao sul da Faixa de Gaza, onde ela se candidatou para ajudar os feridos e removê-los, juntamente com seus colegas paramédicos, às cinco e meia da noite de sexta-feira, eles foram e anunciaram sua paz, vestindo roupas com o logotipo da organização de socorro protegida por protocolos internacionais e avançaram para a estaca zero, neste momento havia cinco enclaves militares Dois deles se concentraram neles, de repente, dois soldados saíram do jipe ​​militar e seus atiradores apontaram para quatro, atiraram neles, e depois de minutos, conseguiram evacuar os feridos sitiados, recuar cerca de 20 metros da cerca de separação, depois foram disparados com bombas de gás lacrimogêneo, e então balas chegaram. Traição, Razan foi atingida por uma bala explosiva em sua artéria aórtica, e ela foi rapidamente transportada e entregue à equipe médica para sua assistência, depois de chegar ao Hospital Europeu de Gaza em Khan Yunis, os médicos anunciaram que Razan morreu por volta das 19:00 horas, e seu colega enfermeiro Rami Abu Jazar foi ferido por uma bala na perna esquerda e estilhaços na perna direita e na mão esquerda, o paramédico e Mahmoud Fathi Abdel-Ati, com estilhaços dispersos nas pernas, o paramédico Mahmoud Qudaih e o paramédico Rasha Qudeh, sufocado por ele.

Razan é a primeira enfermeira voluntária palestina em campo na Faixa de Gaza, e a filha mais velha de uma família modesta e pobre, composta por pai, mãe, duas irmãs e três irmãos. Após a conclusão do ensino médio, ela estudou na Universidade de Al-Azhar o curso de enfermagem geral, mas não concluiu seus estudos; então, começou a fazer cursos de campo e treinamento em primeiros socorros, obteve vários certificados em ambulância por dois anos e tentou obter experiências voluntariando no Complexo Médico de Nasser sem remuneração, e por causa de sua atividade e ótima interação Ela e vários colegas se ofereceram como parte da assistência médica para as marchas de retorno com a Sociedade Palestina de Socorro Médico.

O assassinato da enfermeira Razan causou uma onda de indignação em Gaza e na Cisjordânia, e na mídia árabe e estrangeira, organizações de direitos humanos e mídias sociais.

Depois do assassinato da Razan, o enviado das Nações Unidas para o Oriente Médio, Nikolai Mladenov, disse: “Minha mensagem aos palestinos em Gaza: Ouvimos sua situação e sentimos seu sofrimento, e faremos o possível para garantir um futuro em que você viva livremente, prosperidade e paz, um futuro em que você será o mestre do seu destino.”

As Nações Unidas expressaram raiva pelo assassinato da enfermeira palestina Razan al-Najjar pelas forças de segurança israelenses, e um porta-voz do Secretário-Geral das Nações Unidas, Stephen Dujrik, na sede da Organização Internacional em Nova York, disse que Razan al-Najjar é uma garota de 21 anos que se ofereceu para trabalhar como paramédica e foi morta enquanto cumpria suas tarefas humanitárias, três outras pessoas ficaram feridas em seu time ".

Apesar de toda essa solidariedade internacional, mas o povo palestino ainda está sitiado, e a ocupação israelense ainda impõe seu controle pela força sobre o que não é seu direito, e leva o que não é merecido aos olhos de todas as instituições internacionais.

O povo palestino estava e ainda está exigindo seu direito à independência e o direito de viver com segurança em suas terras.

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.