Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Instituições de presos exigem a libertação de Abu Wair e de todos os presos doentes

Representantes da Associação de Prisioneiros da Autoridade Nacional Suprema de Prisioneiros e do Centro Hurriyat, confirmaram em uma entrevista coletiva realizada hoje em Ramallah, quinta-feira, que os prisioneiros estão sob um ataque sem precedentes desde o início da pandemia atual, e isso contradiz todas as normas internacionais que protegem os prisioneiros da pandemia. O pedido feito: Liberte-os!

O apelo foi feito ao chefe da Autoridade para Assuntos de Prisioneiros, Major-General Qadri Abu Bakr, as organizações científicas e humanitárias para libertar prisioneiros doentes, idosos, crianças, alertando que o mundo inteiro libertou centenas de milhares de prisioneiros, exceto essa ocupação ilegal, que se recusou a libertar prisioneiros palestinos até que alguns deles fossem martirizados nas prisões. Aconteceu com o prisioneiro Sami Abu Diyak.

Abu Bakr disse; Kamal Abu Wair tinha câncer de garganta desde o final de 2019 e começou a fazer tratamento, mas há um mês descobriram que havia outro tumor, e sua condição piorou. Alguns dias atrás, ele estava no campo de detenção de Gilboa e foi levado ao Hospital Afula, e foi submetido a várias cirurgias para cirurgia e outros testes. Disseram que não encontram nada com ele e o levaram de volta à prisão de Al-Ramla, e lá ficou até ser transferido para o Hospital Assaf Harofeh, misturando-se com pacientes na prisão de Ramla. Descobriram que ele estava então com o vírus dessa pandemia, e imediatamente foi exigido a necessidade de isolamento e um exame abrangente de todos os presos em contato com pacientes e um exame na prisão Gilboa, e nos informaram que todos os testes são negativos e não há outras infecções".

Ele acrescentou que fizeram muitos contatos com o Ministério das Relações Exteriores, e todas as missões diplomáticas na Palestina foram dirigidas para informá-los da situação dos prisioneiros, referindo-se ao prisioneiro Muhammad Salah al-Din, que está preso há um ano e meio, que sofre de câncer, e está cumprindo uma sentença de dois anos de prisão, bem como o prisioneiro Nidal Abu Ahour, Ele tem 46 anos, sofre de câncer, sofre de insuficiência renal, e é pedido sua libertação, assim como Muwaffaq Al-Urouq, que é idoso e sofre de câncer no intestino e foi submetido a uma operação. Eles removeram o estômago e o intestino e ele está ligado a aparelhos.

Para isso, o diretor do Clube de Prisioneiros, Qaddura Fares, disse que a condição de Kamal Abu Waer, é perigosa e que organizações internacionais de direitos humanos imediatas devem intervir para libertá-lo, principalmente porque ele também estava infectado pelo vírus Corona.

Ele acrescentou que a ocupação busca espalhar o vírus invadindo casas palestinas de soldados que podem ter sido feridos e se misturando com cidadãos e prisioneiros.

Explicou que a ocupação dá aos prisioneiros, em vez de máscaras médicas, pedaços de pano que não protegem contra o vírus, e eles estão sob um ataque abrangente da ocupação. Clamam assim, pela libertação dos prisioneiros Fadi Ghneimat e Uday Shehadeh, que estão em greve de fome há 24 dias, e o prisioneiro Muhammad Abu Al-Rab, que é espancado e isolado nas celas de Beersheba.

O chefe da Alta Autoridade para o Acompanhamento dos Assuntos de Prisioneiros e Editores, Amin Shoman, disse que o que é necessário é a libertação imediata do prisioneiro Kamal Abu Waer, apelando ao movimento cativo dentro das prisões de ocupação para unir o trabalho e a palavra contra o que eles estão sujeitos, bem como a necessidade de apoiar o movimento cativo nos níveis oficial e popular em sua luta, Instituições de direitos humanos que trabalham na Palestina para fornecer todos os suprimentos necessários para combater o vírus Corona para prisioneiros.

Além disso, a advogada Tala Nasser, da Al-Dameer Association, disse que os advogados são impedidos de visitar as prisões de ocupação e isso viola o direito dos detidos de consultar advogados, observando que conversar ao telefone com os detidos é uma violação da confidencialidade da reunião entre o advogado e o preso, e também impede que os presos obtenham um julgamento justo.

"As autoridades de ocupação estão aproveitando a pandemia para impor restrições adicionais aos presos e impor penalidades coletivas como  impedir que as famílias visitem seus filhos e privar os presos de seus direitos".

Para isso, o diretor do Centro de Defesa das Liberdades, "Hurriyat", Hilmi Al-Araj, disse que “hoje transmitimos ao mundo o grito do prisioneiro doente, Kamal Abu Waar, que sofre de câncer e vírus corona juntos, e transmitimos o apelo de seu povo, seu povo e o movimento cativo ao mundo da necessidade de intervenção urgente e responsável por esses crimes sistemáticos”.

 

Fonte: The Palestinian Information Center

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.