Quinta Feira, 06 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Israel acusa adolescente de terrorismo. As acusações, Posse de 2 bombas de incêndio, planejando acampamento de verão

Por causa de uma tortura severa, seu pai diz que a prisão de sua filha foi ainda mais difícil para ele do que a morte de seu filho.

Mais Abu Ghosh, uma palestina, está agora na prisão israelense. Ela foi torturada durante seus interrogatórios e está sendo detida por alegações ridículas, escreveu o escritor israelense Gideon Levy no Haaretz.

A Palestina, uma aluna do quarto ano do departamento de mídia da Universidade Bir Zeit, é acusada de pertencer à organização de estudantes de esquerda Qutub.

A ocupação israelense afirma que o Qutub é afiliado à Frente Popular "ilegal" para a Libertação da Palestina, mas o grupo de estudantes nega essa conexão.

"Carregar, possuir e fabricar armas" é uma de suas acusações. Isso está relacionado a possuir uma bomba de incêndio.

“Contato com um inimigo” é outra acusação e refere-se à sua participação em uma conferência sobre o retorno dos palestinos ao Líbano, falando em um programa de rádio sobre seu irmão morto e pretendendo preparar um relatório sobre Hadeel al-Hashlamoun, mulher morta pela ocupação israelense em 2015.

"Conspirar para obter financiamento de inimigos" é a terceira acusação e refere-se ao planejamento de abrir uma conta bancária para apoiar uma das organizações estudantis em que ela atuava.

Levy continua escrevendo sobre a acusação de Mais, apontando que incluía sua comunicação com algumas pessoas para discutir a realização de um acampamento de verão para o Qutub e se perguntava como proceder à luz da detenção de várias pessoas.

"Felizmente para Israel, o plano malicioso e perigoso de organizar um acampamento de verão foi frustrado com o tempo, graças ao serviço de segurança Shin Bet", escreveu Levy.

Segundo o Comitê Palestino para Assuntos de Prisioneiros, Abu Ghosh foi torturado.

Em sua casa no campo de refugiados de Qalandia, seu pai descreve as dolorosas posições - apelidadas de “banana” e “sapo” - nas quais ela foi interrogada, e diz que também sofreu privação do sono e teve acesso negado a instalações sanitárias.

Situada fora de Ramallah, Qalandia é um dos maiores campos de refugiados da Cisjordânia, com uma população de cerca de 15.000 habitantes.

A casa de Abu Ghosh fica na parte superior de um beco, não muito longe da entrada do campo, em um prédio de vários andares que também abriga outros membros da família.

O apartamento, no quinto andar, está em ruínas - as forças de ocupação de Israel o demoliram depois de matar o irmão de Mais, Hussein, em 2016. Desde então, a família vive no terceiro andar.

Mohammed Abu Ghosh, 49 anos, Hussein, filho de seu pai, foi morto aos 17 anos em 2016. Seu sobrinho, também chamado Hussein, foi morto aos 19 anos no primeiro aniversário da morte de seu filho. Seu filho Suleiman, agora com 17 anos, foi preso duas vezes no ano passado e mantido em detenção administrativa - encarceramento sem julgamento - por quatro meses cada vez, e o sofrimento de Mohammed continua.

 

Fonte: Haaretz

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.