Sexta Feira, 07 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Israel aprofunda assentamentos no interior da Cisjordânia com mais 2.400 casas

As autoridades israelenses devem avançar mais de 2.400 unidades habitacionais para assentamentos nesta semana, paralelamente à concessão de aprovação retroativa a quatro postos avançados de assentamento não autorizados

De acordo com a agência Paz Agora, o Comitê de Planejamento Superior da Administração Civil – uma divisão do Ministério da Defesa que lida com vários assuntos relativos à ocupação – se reunirá hoje e amanhã para discutir os planos.

A agenda divulgada do encontro inclui a aprovação de pelo menos 2.430 unidades habitacionais em assentamentos em toda a Cisjordânia ocupada. Os relatórios indicam que a grande maioria entre as definidas como avançadas estão localizadas em assentamentos além do Muro da Separação ilegal de Israel.

Os planos também incluem a “legalização” de quatro postos avançados ilegais. Embora todos os assentamentos israelenses sejam considerados ilegais pela lei internacional, Israel os distingue entre assentamentos autorizados e não autorizados. Na prática, estes últimos são construídos com a aprovação tácita das autoridades de ocupação.

Os quatro postos avançados a serem “legalizados” – estabelecendo efetivamente os novos assentamentos – estão localizados ao norte do Vale do Jordão, a sudeste de Belém e a leste de Jerusalém.

Sob o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o Paz Agora observou que “mais de 30 novos assentamentos avançados foram estabelecidos”, juntamente com “legalização retroativa de postos existentes”.

Dois dos planos para a expansão dos assentamentos são para a construção de centenas de unidades residenciais, bem como edifícios de vários andares em Beit El, perto de Ramallah. Centenas de novas unidades habitacionais em Bracha exigirão, por sua vez, “uma extensão da jurisdição do assentamento”.

Outro plano prevê 194 unidades habitacionais no assentamento de Ganei Modiin, a ser construído ao lado da parte concluída do Muro de Separação.

No mês passado, as forças de ocupação israelenses demoliram dezenas de unidades habitacionais palestinas em Sur Baher, citando como justificativa a proximidade dos prédios ao Muro.

Nesse caso, a oferta de residentes palestinos para financiar um alto muro para as “necessidades de segurança” de Israel foi rejeitada, mas no caso de Ganei Modiin, tal oferta foi aceita.

“A aprovação de planos de assentamento é parte de uma política governamental desastrosa, projetada para impedir a possibilidade de paz e uma solução de dois estados, e para anexar parte ou toda a Cisjordânia”, afirma o programa Paz Agora. “A ligação de milhares de permissões de moradia para colonos e um número insignificante de unidades habitacionais para os palestinos não pode esconder a política de discriminação do governo”.

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.