Sexta Feira, 07 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Israel controla os corpos dos palestinos, vivos e mortos

Desde 1967, Israel reteve centenas de corpos palestinos, alguns em freezers e outros que se acredita estarem nos famosos "cemitérios numéricos". As famílias dos mártires tentam trazê-los de volta para casa.

Meu tio faleceu recentemente e depois que sua esposa e filhos lavaram seu corpo, o abraçaram pela última vez e o colocaram em seu local de descanso final, e puderam compartilhar suas dores com amigos, familiares e conhecidos.

Só então poderiam começar a lamentar sua perda. Esse processo sagrado de luto permite que as comunidades e entes queridos comecem a avançar, avançando e fornecendo um ato final de rendição ao falecido. Só então podem começar a aceitar condolências.

No funeral, observei os rostos pálidos e angustiados e pensei: “Pelo menos morreu de causas naturais. Pelo menos temos que enterrá-lo e preenchê-lo com amor.

 

Cemitérios de números

Digo isso com o conhecimento de que a maioria das famílias palestinas conhece um mártir dentro de seus extensos círculos. Pior ainda são as famílias dos mártires palestinos cujos corpos ainda são mantidos por Israel.

No entanto, a primeira exigência dos palestinos não é que Israel devolva nossos corpos, é parar de nos matar em primeiro lugar. Pare de roubar terras, que parem de destruir famílias, aprisionar gerações inteiras e permita que uma população estrangeira cuide do pouco que resta das cidades palestinas, apenas para punir quem disser "basta" e proteste contra essa infâmia contra nosso povo.

Os palestinos não apenas têm a capacidade de morrer em paz, mas também não têm o direito de reconhecer que sua morte foi um ato de poder ocupante.

No quadro da luta palestina, a perda é uma realidade implacável na experiência desse povo. Está envolvido em realidades políticas e domínio psicossocial. A perda se torna o simples ato de enterro em uma luta contra um regime poderoso: ore pela paz e pela misericórdia de um corpo que antes era tão cheio de vida, apenas para retornar aos fantasmas deixados em casa, o que não é uma tarefa simples.

Durante uma conferência de imprensa em 2016, uma mãe falou comigo e pronunciou com dificuldade: “Por favor, escreva alguma coisa. Queremos enterrar nossos filhos. Queremos enterrar nossos filhos”.

Eu escutei seus pedidos e pensei quantas famílias deveriam suportar a perda primeiro, pelo fato de Israel matar seu ente querido; segundo, pelo fato de que ninguém provavelmente assumiria a responsabilidade; depois, relatórios e representações mal interpretados pela grande mídia. E, finalmente, ter que negociar com o poder que matou seu ente querido pela libertação do corpo.

 

Glorificar o martírio

Embora o martírio seja frequentemente mostrado de maneira única como parte da experiência palestina, é uma narrativa complexa e importante da maioria das nações que tenta glorificar a morte de seu povo em nome da ideologia. Até Israel participa da glorificação do martírio, mas mais frequentemente isso é coberto pela beligerância e memória predominantes de seus soldados.

Nossos mártires são valiosos para nós, não apenas por causa da luta que representam, mas também porque são pessoas com quem brincamos, brigamos e amamos. O martírio palestino adquire outra dimensão através da forma como é ilustrado na mídia, o que dificulta nossa capacidade em trazer um pouco de dignidade aos mortos e aos que tentam avançar.

Os palestinos não apenas têm a capacidade de morrer em paz, mas também são privados do direito em reconhecer que sua morte foi causada por um incansável poder de ocupação.

 

entre lamentações, pessoas carregam o corpo de um adolescente palestino morto em Gaza em 30 de novembro (AFP)

Quando os palestinos são mortos pelas forças israelenses, são referidos passivamente. O palestino "morre" em vez de ser "morto". O palestino raramente tem um nome para mostrar essa perda de vidas ao poder de um exército e de um regime que está violentamente forçando o espaço palestino.

Isso ajuda Israel não apenas a colonizar, deslocar e aprisionar em massa os palestinos impunemente, mas também a colonizar o espaço entre os próprios palestinos. Mesmo no luto, há um cheiro de opressão e degradação.

As forças israelenses às vezes atacam procissões fúnebres de mártires. Ao fazer isso, Israel transforma corpos humanos em fichas de barganha e de luto em um ato político que criminaliza facilmente.

 

Punição coletiva

Não é de surpreender que em 2018 o Knesset tenha aprovado uma lei que judicialmente afirmava a capacidade de Israel de reter corpos palestinos até que as condições prévias para os arranjos funerários fossem aceitas.

Os órgãos se recusam a famílias enlutadas e são usados para fins políticos por várias partes, embora isso constitua uma violação do direito internacional humanitário. É uma prova do esforço de Israel para controlar os corpos palestinos e objetivá-los ainda mais, de acordo com a prática comum de punição coletiva de Israel.

Mas Gaza e retenção de corpos não são exceção. Desde o aumento da vigilância dos palestinos através de câmeras de CFTV instaladas nas cidades, passando pelos postos de controle, até as incessantes demolições de moradias, Israel também está socializando nossas emoções.

Não podemos chorar, mover ou respirar sem considerar o que o poderoso exército de Israel pode fazer conosco. O exército de Israel está entre os 20 mais poderosos do mundo, com um orçamento de defesa superior a US $ 19 bilhões.

O fato de Israel manter seu direito de reter organismos palestinos "independentemente de suas filiações políticas" mostra que os esforços por trás disso não estão simplesmente ligados às constantes explicações de "segurança" e "defesa" de Israel.

Esta é uma declaração de que Israel tem controle não apenas da terra, mas também do povo, e isso inclui negar o direito de lamentar aqueles que nos levaram embora.

As opiniões expressas neste artigo pertencem ao autor e não refletem necessariamente a política editorial da Middle East Eye.

Sobre o autor: Mariam Barghouti é escritora e comentarista palestina. Seus escritos foram publicados no New York Times, na Al-Jazeera English, no Huffington Post, no Oriente Médio Monitor, na Mondoweiss, no International Business Times e outros.

 

Fonte: Mariam Barghouti, Middle East Eye

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.