Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Israel mata o principal chefe militar da Jihad Islâmica em Gaza

O grupo palestino replica o assassinato seletivo com o lançamento de foguetes para a área de Tel Aviv

Em uma operação de assassinato seletivo com poucos precedentes nos últimos anos, o Exército de Israel matou na terça-feira o comandante palestino da Jihad Islâmica Baha Abu al Ata, a quem considerou o principal responsável pelos recentes ataques com foguetes lançados de Gaza. Al Ata, 42 anos, líder militar das Brigadas Al Quds, um braço armado da organização, no norte do enclave, estava de madrugada em sua casa no distrito de Shejaia, a leste da capital da Strip. Na operação, sua esposa também perdeu a vida e duas outras pessoas não identificadas ficaram feridas. O Exército atacou dois milicianos da Jihad Islâmica ao meio-dia, um dos quais morreu, em uma rampa de lançamento de foguetes, disse um porta-voz das Forças Armadas de Israel.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu autorizou a operação incomum contra um oficial da milícia em Gaza, identificado nas últimas semanas como o inimigo número um de Israel diante de uma suposta "ação iminente" de Al Ata. O assassinato seletivo - dirigido pelo Exército e pelo Shin Bet (segurança interna) - ameaça desencadear uma nova espiral de violência no enclave costeiro, que sofreu três guerras na última década. Apesar da escalada periódica dos confrontos, o movimento islâmico Hamas, que de fato governa na Faixa desde 2007, mantém uma trégua com Israel desde o final do concurso que devastou o território palestino cinco anos atrás.

“Al Ata foi responsável pela maior parte das ações armadas da Jihad Islâmica lançadas da Faixa de Gaza contra civis e soldados israelenses. Foi uma bomba-relógio ”, disse a declaração militar em que sua morte foi relatada. Os serviços de inteligência israelenses argumentam que esse grupo islâmico palestino age sob a influência do Irã, o principal inimigo regional do Estado Hebraico. O Gabinete de Segurança, o mais alto órgão governamental que decide sobre operações de guerra, foi chamado urgentemente. A casa de Abu al Ata já havia sido bombardeada durante a guerra de 2014 em Gaza e, em 2012, o comandante sobreviveu a uma operação de matança seletiva. Esse comandante da Jihad Islâmica tinha comando direto sobre várias centenas de milicianos e controlava um arsenal de dezenas de foguetes.

O lançamento de cinquenta projéteis de Gaza contra as populações israelenses disparou alarmes anti-bombardeio em cidades próximas a Gaza - como Sderot, Ashdod e Ashkelon - e também em Tel Aviv, e na área central do país, informou um porta-voz militar sem especificar se houveram vítimas. As redes de televisão mostravam imagens de casas e estradas onde os foguetes haviam caído. "Um número importante de lançamentos está sendo registrado em Israel", disse a mesma fonte militar, antes de anunciar que "o Exército está se preparando para responder uma onda de vários dias de combates".

"Nossas represálias vão atingir as fundações da entidade sionista", alertou a Jihad Islâmica em comunicado confirmando a morte de Al Ata. O Hamas atribuiu a Israel toda a responsabilidade "pelas consequências da escalada" e anunciou que também responderia ao "crime cometido" em Gaza.

O Centro de Defesa Civil do Exército ordenou a abertura de abrigos antibomba para que os cidadãos possam se proteger e declarou a suspensão das atividades escolares e agrícolas em grandes áreas do sul e centro de Israel. Concentrações de mais de 100 pessoas foram proibidas no sul e mais de 300 na área central de Israel, onde metade da população do país está concentrada. Imagens divulgadas nas redes sociais mostraram a intervenção dos interceptadores do sistema defensivo Iron Dome ao disparar foguetes lançados de Gaza. Pelo menos 20 projéteis foram interceptados pelo escudo antimísseis.

 

Lançamento de um foguete de Gaza contra Israel, nesta terça-feira. MOHAMMED SALEM REUTERS

Israel recorreu aos assassinatos seletivos de militantes palestinos no passado e em particular durante a Segunda Intifada. A morte em 2004 do co-fundador do Hamas, Sheikh Ahmed Yasin, morto por um míssil em sua cadeira de rodas em Gaza, é uma das ações mais conhecidas. Nos últimos anos, esses tipos de ataques têm sido quase incomuns. Em maio passado, Hamed Judari, proprietário de uma casa de câmbio na Strip, morreu devido ao impacto direto de um míssil israelense enquanto dirigia com seu carro. Judari foi acusado de canalizar transferências de fundos do Irã para a Jihad Islâmica.

Enquanto isso, na Síria, vários mísseis destruíram a casa do líder da Jihad Islâmica Akram al Ajuri, exilado em Damasco, ao amanhecer, segundo a agência de notícias estatal SANA. Pelo menos duas pessoas morreram - incluindo um dos filhos de Al Ajuri - e seis outras ficaram feridas no distrito de Mezah, onde várias embaixadas estão localizadas na capital síria.

 

Fonte: Juan Carlos Sanz, jornal El País - Espanha

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.