Sexta Feira, 22 Novembro 2019

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Israel matou 222 manifestantes em Gaza desde 2018. Apenas um soldado foi acusado

Quando Othman Hiles começou a subir a cerca de Gaza, um soldado israelense abriu fogo e matou o garoto de 14 anos desarmado. A sentença proferida ao soldado? Serviço comunitário.

Duas mulheres e um adolescente estavam perto da cerca que separa Gaza de Israel agitando bandeiras palestinas. Quatro outros adolescentes se aproximam. Um deles, Othman Hiles, 14 anos, veste camisa branca e calça escura. Ele se aproxima da cerca, toca, caminha alguns metros e toca de novo. Coloque o pé em cima do muro e comece a subir. Quando seu segundo pé atinge a cerca, ele recebe um tiro que atinge o peito de Hiles e cai.

Um mês após sua morte, o advogado militar israelense General Sharon Afek ordenou uma investigação do incidente. Mais de um ano depois, depois que Afek ordenou outras 10 investigações sobre a morte de manifestantes de Gaza por soldados israelenses, o exército anunciou que o soldado responsável pela morte de Hiles havia sido condenado em um acordo por “Abuso de autoridade de maneira a pôr em risco a vida e a saúde humana. ” O exército o condenou a um mês de trabalho militar, uma sentença suspensa por quatro meses e o degradou ao nível de reserva.

Nunca saberemos o que aconteceu durante as reuniões do Advogado Geral Militar no ano em que Afek e seu povo decidiram investigar a morte de apenas 11 manifestantes palestinos, acusar um único soldado, aceitar um acordo absurdo e, o mais importante, deixar os regulamentos de incêndio. O que aparenta é que o exército é aberto e não apresenta mudanças essenciais mesmo com essas notícias horríveis. 

Mas o que importa são os fatos: Hiles, apenas 14 anos, foi assassinado em 13 de julho de 2018, mais de um ano atrás. O que importa é que foi filmado enquanto subia a cerca do perímetro em frente à cidade de Gaza durante um dos protestos semanais dos habitantes de Gaza que ocorrem quase todo fim de semana desde o final de março de 2018. O que importa é que desde que os protestos começaram, o exército israelense matou 222 manifestantes e feriu cerca de 8.000 com fogo vivo. O que importa é que 45 dos mortos eram menores de idade, 28 deles com menos de 16 anos e que a maioria dos mortos ou feridos estava desarmada e não estava colocando em risco os soldados, armados e bem protegidos por cerca eletrônica a dezenas de metros de distância. Havia vigias, jipes, medidas de controle de multidões e, ocasionalmente, tanques.

 

Duzentas e vinte e duas pessoas foram mortas:

O exército se recusou a fazer mudanças essenciais em seus regulamentos de combate a incêndios, prometendo apenas investigar "incidentes excepcionais". Até o momento, o escritório do Conselho Geral Militar identificou 11 desses casos, de acordo com sua própria declaração. Por que onze? Ninguém sabe.

Alguns dos incidentes foram gravados em vídeo; outros, como o assassinato do assistente médico Razan al-Najjar ou do adolescente Muhammad Ayoub, atraíram atenção e críticas internacionais. Foi por isso que os militares decidiram investigar esses casos? Improvável. Por que não outros incidentes bem documentados e não menos chocantes, como o assassinato de Ahmad Abu Tyour, de 16 anos, baleado por soldados depois que ele atirou uma pedra neles enquanto os cumprimentava?

O principal objetivo de investigar esses "casos excepcionais" não é descobrir a verdade ou garantir que mais civis desarmados e não perigosos sejam mortos. Pelo contrário: é manter a falsa demonstração de um sistema de justiça em funcionamento e o raciocínio distorcido de que é legítimo matar centenas de palestinos e ferir milhares, com algumas exceções.

É por isso que essas investigações não têm sentido. Eles sempre se concentram nos soldados no terreno, nunca nos comandantes que os treinaram ou nos oficiais do Corpo de Advogados Militares que sancionaram os procedimentos e regulamentos de fogo aberto que os guiam. Aqueles com responsabilidade real nunca são levados a julgamento ou mesmo investigados.

Enquanto isso, o exército tenta não investigar demais. Basta examinar como a Unidade de Investigação da Polícia Militar, supervisionada de perto pelo Corpo de Advogados do Exército, lida com as investigações que os atrasam por meses sem coletar evidências no terreno, enquanto confia quase exclusivamente nas contas dos soldados envolvidos no incidente (e em alguns casos nas vítimas palestinas). O Corpo de Advogados do Exército rapidamente conclui o caso por falta de provas (sem fazer nenhum esforço para coletá-las) ou por "falta de culpa", depois de aceitar incondicionalmente as palavras dos soldados, mesmo quando eles se contradizem.

Mesmo assim, mesmo um sistema de abafamento complexo bem-sucedido precisaria de uma ajuda extra para acabar com as críticas. Portanto, de tempos em tempos, uma investigação resulta em acusação e condenação. Por que esse soldado em particular que matou Hiles, de 14 anos? É um mistério, justamente porque a convicção neste caso faz parte da farsa sistemática.

É por isso que o soldado não foi acusado de "homicídio involuntário" ou mesmo de "homicídio culposo", mas de "excesso de autoridade de maneira a pôr em risco a vida e a saúde humanas". É por isso que, apesar das imagens de um adolescente quase sozinho no perímetro próximo, em uma área tranquila, sem base para afirmar que os tiros de atirador não foram direcionados a ele, o exército declarou com toda a seriedade que "a investigação não descobriu evidências que atendem aos critérios criminais e apoiam um nexo de causalidade entre o disparo do soldado e o ferimento ao manifestante ".

Podemos apenas imaginar como as decisões são tomadas nos escritórios do corpo de advogados de Tel Aviv que autorizam regulamentos abertos contra incêndios, abrem e fecham investigações sobre pessoas mortas pelos mesmos regulamentos e decidem chegar a acordos de culpa absurdos demais. Para levá-los a sério.

Enquanto isso, na Gaza bloqueada, Asmahan Hiles, mãe de Othman, imagina uma realidade diferente: "Desde que eles mataram Othman, eu vi as imagens repetidas vezes, me perguntando:" O que tornou tudo tão terrível? "Eu assisto o vídeo e eu choro e me pergunto; como ele teria sentido quando a bala atravessou seu corpo? Causou muita dor ao meu filho? Como ele pôde suportar a dor da bala quando a atingiu?

Sobre o autor: Eyal Sagiv é coordenador de dados da B'Tselem. Este artigo foi publicado pela primeira vez em hebraico no Local Call. Leia aqui.

 

Fonte: Eyal Sagiv, 972mag / Rebellion (Traduzido do inglês para Rebellion por J. M.)

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2019 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.