Segunda Feira, 16 Setembro 2019

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Israel não silenciará Tlaib e Omar ao impedi-las de entrar

As congressistas americanas Rashida Tlaib e Ilhan Omar são uma pedra no sapato do establishment americano e do lobby sionista nos Estados Unidos. Recentemente, foram banidas de entrar em Israel e na Palestina. Não há precedentes para congressistas americanos proibidos de entrar nos territórios em questão ou, como nesse caso, de sequer voar até Tel Aviv. No caso de Tlaib, americana de origem palestina, a proibição é duplamente sofrida, pois não poderá visitar sua aldeia e seus familiares em um futuro próximo.

É irônico que o nome Rashida possa ser traduzido como “sábia”. A decisão de Israel é tudo menos sábia, caso analisada objetivamente. Cá estão duas congressistas de um país com 250 milhões de habitantes, além de ser o maior aliado de Israel, que fornece metade de todo os recursos de apoio recebidos pelo governo israelense. No entanto, a entrada de representantes legítimas do estado americano foi negada. Onde está a racionalidade desta decisão?

Sim, Tlaib e Omar são duramente críticas a Israel. Sim, Tlaib e Omar apoiam veementemente a pressão pacífica sobre Israel para que tome juízo, dê fim à ocupação e à construção de assentamentos ilegais e cumpra com suas obrigações diante da lei internacional e humanitária. As duas congressistas apoiam a política já estabelecida de solução de dois estados, patroneada pelos Estados Unidos, e desejam evidentemente uma solução pacífica para o conflito. Esta é a posição sábia a se tomar caso os Estados Unidos de fato desejem um fim pacífico para o problema, com base em consensos internacionais de longa data.

Israel inicialmente concordou em permitir a entrada das duas mulheres, Mais cedo neste ano, o Embaixador de Israel para os Estados Unidos, Ron Dermer, confirmou que o país não negaria a entrada de qualquer legislador “por respeito ao Congresso dos Estados Unidos e à grande aliança entre Israel e América.” O diplomata fez tal declaração a despeito das pressões concebidas pelo Comitê de Assuntos Públicos Americano-Israelenses (AIPAC) e por Steny Hoyer, líder da maioria do Partido Democrata na Câmara americana, para que Israel não autorizasse a entrada de Omar e Tlaib.

Entretanto, à medida que Israel debatia a entrada das congressistas americanas e como deveria lidar com a situação a fim de minimizar os danos à imagem negativa do país, o Presidente dos Estados Unidos Donald Trump decidiu abordar o tema de seu modo bastante particular, via Twitter, ao exigir do Primeiro-Ministro de Israel Benjamin Netanyahu que não as deixassem entrar. Netanyahu, às vésperas de possíveis acusações de corrupção, enxergou este ultimato como uma espécie de carta para saída livre da prisão.

A razão para o banimento de Tlaib e Omar é seu apoio ao Movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), que busca promover medidas punitivas não-violentas contra Israel por suas violações à lei internacional referentes aos palestinos. A campanha reivindica especificamente o fim da ocupação israelense, direitos iguais a todos os cidadãos israelenses e a garantia do reconhecido direito de retorno dos refugiados palestinos. Tais demandas são legais e morais. No entanto, os esforços recentes de Israel são de representar o movimento como antissemita. Os lobbies pró-israelenses nos Estados Unidos trabalham hoje noite e dia para criminalizá-lo, ao exigir que empresas e indivíduos comprometam-se a não participar da campanha caso queiram assegurar contratos ou mesmo garantir seus empregos.

Essa movimentação resultou na afirmação do ministro de Assuntos Estratégicos de Israel, Gilad Erdan: “27 Estados dos EUA, o Congresso e o governo do Reino Unido adotaram legislação e regulamentos contra o BDS.” Ele se orgulhava de estar por trás disso e de que “cada vez mais países e instituições estão adotando”. as definições de antissemitismo da IHRA e do Departamento de Estado … que incorporam o clássico e o novo anti-semitismo. No Reino Unido vimos recentemente o Tower Hamlets Council de Londres usar a definição da IHRA como razão para proibir a realização da corrida ciclista Big Ride for Palestine em um dos seus parques.

Tlaib e Omar não são as primeiros americanas a serem impedidas de entrar em Israel desde que aprovaram uma lei para proibir a entrada de defensores do BDS em março de 2017. Até mesmo os judeus americanos foram impedidos de entrar no país ou de embarcar em um vôo para Tel Aviv. Em solo americano. Ariel Gold, que é o diretor nacional adjunto do grupo ativista de esquerda Code Pink e defensor do BDS, foi impedido de entrar no aeroporto Ben Gurion apesar de ter recebido permissão para entrar no país para estudar no verão de 2018. Um ano antes, a rabina Alisa Wise, da Voz Judaica pela Paz, não teve permissão para embarcar em um vôo para Israel por causa do apoio da organização à BDS.

Americanos de origem palestina também foram impedidos de entrar em Israel por causa de seu apoio ao BDS. A romancista Susan Abulhawa foi impedida de entrar duas vezes desde 2015 por seu apoio ao movimento.

Eu mesmo fui impedido de entrar em Israel logo após a lei anti BDS ter sido aprovada em 2017. Como Susan, me disseram que, se eu quisesse visitar o país, precisaria obter um visto antes de voar para Tel Aviv. Isto apesar dos cidadãos britânicos não precisarem de visto para viajar para Israel.

A estreita cooperação de segurança entre Israel e os EUA provavelmente resultou no fato de os EUA terem me negado permissão para embarcar em um voo para os EUA no verão de 2018, quando eu deveria visitar parentes. Este ano, o membro do Comitê Executivo da OLP, Dr. Hanan Ashrawi, têve negado um visto para os EUA, apesar de já ter visitado e falado no país muitas vezes no passado. Ela suspeitava que a negação de vistos tinha “algo a ver com minha defesa declarada em nome da Palestina e avaliação crítica das violações israelenses e recentes dos EUA”. Essa decisão – e que nega a entrada a outros – demonstra o uso da negação de entrada por parte dos EUA e de Israel. marcar pontos políticos e difamar ativistas humanitários pacíficos como indesejáveis, possivelmente fazendo com que eles pareçam um risco de segurança para outros países. Um dos fundadores do movimento BDS, Omar Barghouti, também foi negado um visto dos EUA.

A questão para os EUA e Israel é: eles realmente acham que a entrada negada irá dissuadi-las por continuarem a fazer campanha pelos direitos palestinos? Existe alguma evidência de que esta política funcionaria? O movimento BDS veriam aqueles afetados por essa política de repente decidirem rejeitá-la, aceitando que seu apoio inicial a ela foi equivocado e que eles agora “viram a luz”

A resposta é um retumbante não em todos os casos. Eu continuo a defender e escrever artigos críticos sobre Israel, Hanan Ashrawi não mudou sua posição, nem Ariel Gold nem Alisa Wise. apesar do custo pessoal que todos pagamos. Os palestinos com família na Palestina têm seu direito humano de visitar suas famílias, assim como os judeus americanos com conexões familiares em Israel. Ashrawi têve negado o direito de visitar seus filhos e netos nos EUA. Dói-me saber que tenho parentes idosos na Palestina que talvez nunca mais eu veja.

Quando me foi negada a entrada na Palestina, amigos me disseram que eu deveria fazer disso um distintivo de honra. Foi-me dito a mesma coisa quando me foi negada a viagem para os EUA. Eu faço, mas questiono se Israel e os EUA não deveriam ouvir Rashida, a sábia que junto com Ilhan está fazendo uma cruzada moral para trazer paz a Israel e Palestina. Elas devem ser apoiadas, primeiro por seus colegas no Congresso, mas também pelo presidente dos EUA. Ele poderia facilmente twittar “Boa sorte para Rashida e Ilhan. Espero aprender muito com elas quando retornarem, sobre suas ideias para resolver o conflito.”

Isso seria perturbador, mas a paz poderia ficar um pouco mais próxima, certamente mais próxima do que sua atual “política” ultrajante e seu “acordo do século”. Israel tem muito a esconder, mas barrar defensores da Palestina não manterá seus crimes fora da vista.

 

Fonte: Middle East Monitor

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2019 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.