Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Israel novamente viola leis humanitárias ao destruir as casas de famílias palestinas na Cisjordânia

Uma operação israelense em larga escala forçou as famílias palestinas a abandonarem suas casas, e depois as demoliram

Depois de receber "tristemente" as informações sobre a destruição de casas de famílias palestinas na comunidade do Sul do Bahir, no território ocupado da Cisjordânia, por ordem das autoridades israelenses, três altos funcionários da ONU divulgaram um comunicado na segunda-feira. em que eles enfatizam que a medida "não é compatível" com as "obrigações de Israel sob o Direito Internacional Humanitário".

De acordo com a imprensa da região; uma dúzia de casas foram destruídas e seus habitantes foram forçados a abandoná-las. Várias pessoas afetadas relatam ter investido suas economias ao longo da vida nas propriedades, depois de obter as licenças de construção necessárias da Autoridade Palestina.

A Suprema Corte de Israel havia decidido que as casas foram construídas muito perto do muro erguido por este país para separar a Cisjordânia que ocupa. Segundo esse tribunal, as casas violariam uma proibição de construção imposta por Israel, apesar do fato de que a Corte Internacional de Justiça ter decidido ser contra a existência desse muro.

Em 2004, a Corte Internacional de Justiça decidiu ser contra a construção do muro israelense, e enfatizou que as partes da barreira erguida dentro da Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental,  que também incluem as casas do Sul do Bahir, "não podem ser justificadas por demandas militares; e portanto violam as obrigações impostas pelo direito internacional ”.

Além disso, em uma resolução de 20 de julho de 2004, a Assembléia Geral das Nações Unidas exigiu que Israel cumprisse suas obrigações legais, conforme estabelecido no parecer consultivo da Corte Internacional de Justiça.

"Se medidas concretas tivessem sido tomadas para garantir o respeito a esses princípios e ao direito internacional humanitário e de direitos humanos, em geral, o povo do Sul do Bahir não estaria sofrendo, o trauma que sofrem hoje, e as violações de seus direitos" , concluiu a declaração.

"Entre outras coisas, a destruição da propriedade privada no território ocupado só é permissível quando se torna absolutamente necessária para operações militares, o que não é aplicável", disse Jamie McGoldrick, coordenador humanitário da ONU, Gwyn Lewis, diretor de Operações na Cisjordânia da Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina (UNRWA) e James Heenan, responsável pelo Escritório de Direitos Humanos na área.

Em um comunicado, os três disseram que as forças israelenses entraram na comunidade palestina na manhã de segunda-feira, enquanto ainda estava escuro. A operação em grande escala obrigou as famílias a deixar suas casas e demoliu uma série de edifícios residenciais no lado leste de Jerusalém.

 

Fonte: Contrainformacion.es

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.