Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Israel, um regime de infanticídio

Nas últimas semanas, testemunhamos um sionismo sanguinário, gozando de impunidade que lhe permite continuar com essa conduta crônica em matar palestinos e que esses dias significaram novos ataques contra a Faixa de Gaza.

Uma conduta de crimes onde, juntamente com a demolição de centenas de casas de famílias palestinas, acrescentam a construção de mais e mais assentamentos na Cisjordânia, em clara violação da quarta Convenção de Genebra e, portanto, cometer crimes de guerra. A que devemos adicionar ações de agressão a países vizinhos, como o bombardeio da Síria, sem sanções aplicadas a este processo criminal.

Israel, como aquele animal que testou o sangue humano, tornou-se uma entidade que, para manter o atual regime cívico-militar, precisa abater o povo palestino como alimento vital e assim sustentar um poder ancorado em uma ideologia definida pela Resolução nº 3379 do ano de 1975 pela Assembléia Geral das Nações Unidas "como uma forma de racismo e discriminação racial".

O sionismo é, portanto, uma criação abominável, uma violação dos direitos do povo palestino e de todas as convenções e acordos internacionais assinados para a proteção dos direitos humanos. O sionismo é a ideologia da perversão feita, é o delírio exterminador que acompanha a vida dos políticos, militares e parte importante da sociedade israelense, que visualiza o árabe em geral e o palestino em particular como um não-humano, um “Goyim” - um não-judeu - e, portanto, sujeitos a discrição e violação de seus direitos mais elementares. Um sionismo que foi mostrado, acima de tudo, contra os filhos da Palestina, percebendo os desejos de extermínio que encorajam a liderança israelense. Um regime de infanticídio.

Na sexta-feira, 26 de julho de 2019, através de um relatório apresentado pelo Secretário Geral das Nações Unidas, o português Antonio Guterres, perante o conselho de segurança desta organização internacional, Israel e a Casa de Saud foram denunciados como os regimes mais em evidência em matéria de cometer crimes contra menores de idade no mundo. "A ONU aponta o dedo acusador ao regime israelense e à coalizão liderada pela Arábia Saudita por considerá-los como os principais infanticidas do mundo".

A Monarquia Wahabita foi colocada, pelo terceiro ano consecutivo, como o regime de infanticídio por excelência, como responsável por morte e ferimentos - apenas em 2018 - de 789 crianças. Confrontado com o documento preparado por Virginia Gamba, Relatora Especial da ONU para Crianças e Conflitos Armados, Guterres disse que “eu condeno o crescente número de crianças vítimas, que são muitas vezes o resultado de ataques aéreos em regiões densamente povoadas e contra objetos civis, incluindo escolas e hospitais. ”

O escandaloso é que, apesar do fato de que a organização internacional colocou a Arábia Saudita e seus aliados de coalizão que atacaram o Iêmen desde março de 2015, na lista negra de regimes criminosos e de infanticídio, ele não aderiu ao regime. Israelense, em uma clara demonstração das pressões exercidas sobre o corpo, tanto Washington, com direito de veto no Conselho de Segurança, quanto os lobistas sionistas nos Estados Unidos, França e Grã-Bretanha.

Embora a entidade sionista não apareça na lista negra dos regimes de infanticídio, o próprio Guterres foi responsável por tornar público que Israel é culpado pelo assassinato de 59 crianças palestinas e ferimentos em 2.756 menores em 2018. As autoridades da ONU, liderada pelos portugueses, instou Israel a “ativar imediatamente medidas preventivas e de proteção, para acabar com o“ uso excessivo de forças ”contra menores palestinos. Por seu turno, um documento publicado em abril pela Sociedade de Presos Palestinos (SPP) revelou que Israel prendeu mais de 6000 crianças palestinas desde 2015, a maioria delas sofreu abuso físico e psicológico nas prisões israelenses.

O Hamas criticou a ONU por não incluir Israel nesta lista de países criminosos, nesta lista negra de regimes de infanticídio. Em um comunicado publicado poucas horas após o relatório da organização internacional, Hazem Qasem, porta-voz do Hamas, denunciou a passividade da ONU aos crimes de Israel contra crianças palestinas, apesar de tê-lo descrito como um dos "maiores infanticídios do país". Tal conduta, para o Hamas, responde à pressão dos Estados Unidos e seu aliado israelense que, na opinião de Qasem, encoraja ainda mais o regime de ocupação a violar os direitos dos palestinos, particularmente das crianças.

Para a Organização de Libertação da Palestina (OLP), a posição da ONU para excluir Israel da sua lista de países e grupos infanticidas, pelo quarto ano consecutivo é inaceitável. "Esse fracasso é indesculpável, dado o péssimo histórico de direitos humanos de Israel e seus abusos documentados contra crianças palestinas, incluindo a detenção arbitrária de centenas de menores a cada ano, o uso de tortura contra eles e outras violações sérias", denunciou. Em uma declaração o membro do Comitê Executivo da OLP Hanan Ashrawi Para o líder palestino, o silêncio da comunidade internacional em face das atrocidades cometidas contra a Palestina encoraja o regime israelense a "continuar cometendo com impunidade consideráveis crimes de guerra e violações da lei, direitos humanos e internacionais ”.

Apesar do fato de que os relatórios, a verificação no terreno, as acusações que se acumulam aos milhares, as declarações da liderança do regime civil-militar israelense comprovam a política de crimes contra a população palestina e especialmente contra crianças. Nada é feito para forçar o sionismo a cessar seus crimes. Não há sanções, bloqueios, não há criação de zonas de exclusão aérea que forcem o bombardeio contra a população palestina a cessar. Não há aplicação da carta das Nações Unidas em seu capítulo VI, que permite, dada a política genocida de Israel, ocupar o capítulo VII da carta acima mencionada. Convertido hoje, em um documento a ser aplicado aos inimigos dos Estados Unidos e seus aliados incondicionais e um freio para punir regimes como o israelense.

Já em fevereiro deste ano de 2019, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) reiterou o que tem sido chamado de contínuo para que Israel cesse todos os tipos de ataques e violência contra crianças palestinas. Nessa ocasião, o diretor regional da UNICEF no Oriente Médio e Norte da África, Geert Cappelaere, denunciou o assassinato, nas mãos das forças de ocupação sionistas de dois jovens palestinos no marco da Marcha de Retorno na sitiada Faixa de Gaza.

Para Cappelare “Este é outro lembrete da violência significativa que as crianças continuam a sofrer no Estado da Palestina. Crianças são crianças e devem ser protegidas em todos os momentos. Não devem ser expostas a qualquer forma de violência, em nenhum lugar ”, disse ele à autoridade internacional em um comunicado divulgado nas páginas oficiais da agência. Cappelare também denunciou que, durante anos, as crianças nos territórios ocupados foram alvos não apenas de sofrimento físico, mas também emocionais.

Paradigmático tem sido o caso do pequeno Muhammad Rabi Elayyan, um menino palestino de apenas 4 anos, levado a um interrogatório para uma interrogação pelas forças de ocupação sionistas. Em um artigo claro e emotivo referente a essa questão, Hossam Shaker, colunista do Middle East Monitor, disse que “o que aconteceu com essa criança palestina expôs a realidade da violência física e psicológica que as autoridades de ocupação israelenses infligem às crianças palestinas, a maioria dos quais ocorre fora da vista. A prisão e tortura de crianças palestinas por Israel não é novidade, apesar da propaganda israelense em contrário. Psicologicamente, o terror mais severo infligido a crianças palestinas está testemunhando algumas dessas experiências horríveis na Cisjordânia e em Jerusalém, quando israelenses prendem pessoas de seus bairros ”.

Para Hossam Shaker “As experiências mais traumáticas são aquelas que acontecem dentro de lares palestinos quando as forças de ocupação atacam aldeias e cidades quase diariamente durante a madrugada para sequestrar as pessoas enquanto elas dormem. Essas campanhas violentas intimidam toda a comunidade palestina e sistematicamente tentam impedir qualquer um de desafiar a ocupação. Os corações de dúzias de crianças palestinas tremem toda semana quando testemunham a prisão de seus pais, o símbolo de sua proteção, seus irmãos mais velhos ou até mesmo suas mães e irmãs ”.

Dada a brutalidade liderada pelas forças de ocupação, colonos militares e extremistas, inúmeras queixas foram apresentadas tanto por defensores dos direitos humanos, advogados e organizações representando as vítimas da sociedade civil palestina vítimas desta política de extermínio nas mãos do sionismo. Mesmo com apresentações perante os tribunais internacionais que geralmente não são nada por causa da cumplicidade com que regimes aliados de Israel, como os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, operam dentro de organizações internacionais e em políticas bilaterais, usando chantagem, ameaças ou simplesmente se retirar de organizações como a UNICEF, o Conselho de Direitos Humanos da ONU, a UNESCO e até mesmo não reconhecendo o papel do Tribunal Penal Internacional, em clara comunhão de interesses e proteção da entidade sionista.

Chegou a hora de reconhecer, por parte das organizações internacionais, que se sabe que Israel é “o maior regime de infanticídio do mundo” e seu nome deve estar na lista negra de países que violam os direitos das crianças. Não há desculpa para isso, nem o fracasso em levar à guerra criminosos internacionais, civis e militares que pedem para exterminar o povo palestino, como é o caso de Ayelet Shaked, por exemplo. Ex-parlamentar e ex-ministra da Justiça do quarto governo de Benjamin Netanyahu que combina seu infanticídio de conduta criminosa - mesmo aqueles que ainda estão no útero - com o desejo de também matar as mães palestinas acusando-as de engendrar aqueles que atacam o exército colonos ocupantes e sionistas em terras palestinas.

Referindo-se a mulheres palestinas, Shaked disse: "Eles devem desaparecer ao lado de suas casas, onde eles criaram essas cobras. Caso contrário, eles vão levantar cobras menores." Discurso que mostra o delírio e a perversão dos políticos sionistas, que seguem os passos do chefe dos graduados militares da Yeshiva, o rabino Eliezer Kashtiel, que fala da superioridade do judeu sobre os Goyim - os não-judeus - e os a necessidade de converter em escravos os árabes em geral e palestinos em particular.

Palavras que o jornal israelense Haaretz denunciou como parte da doutrinação das forças de ocupação sionistas da Palestina “Se a ocupação significa humilhar você, atacá-lo, mordê-lo e destruí-lo, isso é ruim. Mas se a ocupação significa: eu sou bem sucedido, venha para mim. Eu convido você a ser um parceiro para o sucesso. É verdade que quero sua ocupação e anexação, para que você seja um parceiro com grande sucesso. Então é melhor você ser meu servo. Sim, nós somos racistas, certamente. Sim, existem raças no mundo, existem traços genéticos do povo, e isso requer que nós (o povo judeu) pensemos em como ajudá-los. O fato de alguém estar sob você não é uma razão para destruí-lo, mas para ajudá-lo ”.

Palavras do terrorista Kashtiel, não muito diferente de outro rabino que em qualquer parte do mundo deveria ser condenado por incitamento ao crime, como é o rabino extremista Yitzhak Shapira que pede a morte de crianças palestinas. Este religioso mantém delirante "Há uma justificativa para matar bebês se ficar claro que eles crescerão para nos prejudicar, e em tal situação eles podem ser deliberadamente danificados, e não apenas durante o combate com adultos".

Portanto, não é de surpreender que uma sociedade como a israelense não seja movida pelos crimes cometidos contra milhares de seres humanos que lá vivem, a poucos passos do local que ocupam ilegalmente. Não sinta nenhuma dor pelas milhares de crianças mortas, feridas, torturadas, feitas prisioneiras. Não é incomum que, considerando que eles são a maior democracia no Oriente Médio, como eles gostam de se chamar, poucos quilômetros se comportam como o regime nacionalista, estabelecendo guetos, estabelecendo centenas de postos de controle, massacrando civis, criando estradas. Segregados, estabelecendo o regime do apartheid, que os sionistas sonhavam.

E isso acontece com pleno conhecimento de organizações internacionais, da mídia dos governos do mundo, simplesmente pois a impunidade foi imposta. Porque a própria sociedade israelense foi doutrinada que os palestinos não são humanos, eles não são parte de uma entidade racista como a israelense. Não é surpreendente ver que Israel, sua casta política, militar e religiosa, infecta em cada um de seus habitantes, no coração de sua juventude, o ódio do árabe, do palestino, que é diferente. Em Israel, o estabelecimento dos anti-valores de um regime que se define como o estado da nação judaica é encorajado, tornando possível qualificá-los, sem dúvida, como a maior entidade racista. Como a expressão do apartheid e acima de tudo uma sociedade infanticida necessária para destruir pelo bem da humanidade.

 

Fonte: Pablo Jofré Leal, Rebelião

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.