Sábado, 16 Outubro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Israel bombardeia Gaza pelo décimo dia consecutivo após o lançamento de foguetes

Fontes palestinas relataram danos leves, mas nenhuma vítima após o ataque em Khan Yunis, no sul de Gaza

Fontes palestinas relataram danos leves, mas nenhuma vítima após o ataque em Khan Yunis, no sul de Gaza

Aviões israelenses lançaram ataques contra Gaza na noite de quinta-feira em resposta aos disparos de foguetes da Faixa de Gaza, enquanto mediadores tentavam intermediar o fim da última explosão.

Foguetes foram disparados contra Israel, mas caíram dentro do enclave palestino, de acordo com testemunhas e fontes de segurança de Gaza, citadas pelas fontes palestinas que relataram danos leves, mas nenhuma vítima após o ataque israelense em Khan Yunis no sul de Gaza.

As últimas trocas seguiram-se a disparos anti-tanques do exército israelense contra o Hamas, o partido governante de fato no território palestino bloqueado. Israel recentemente ameaçou o Hamas que estava arriscando uma "guerra" por não conseguir parar os balões incendiários que disse estar sendo lançados através da fronteira.

O exército israelense confirmou os ataques aéreos no Twitter.

Israel bombardeou Gaza todas as noites desde 6 de agosto, em retaliação aos balões ou, com menos frequência, ao lançamento de foguetes. Também aumentou o bloqueio de 13 anos aos dois milhões de habitantes de Gaza.

Além disso, Israel proibiu os pescadores de Gaza de ir ao mar e fechou a passagem de mercadorias com o território, levando ao fechamento da única usina de Gaza por falta de combustível.

Autoridades de segurança de Gaza disseram que os ataques atingiram postos de observação do Hamas próximos aos campos de refugiados de al-Maghazi e al-Bureij e à cidade de Khan Yunis, sem causar vítimas.

Desde que as trocas começaram, duas semanas atrás, as represálias israelenses envolveram principalmente aviões de guerra, e fontes de segurança de Gaza disseram que a mudança para os tanques pode ser uma tentativa de diminuir a escalada.

 

Mediação egípcia

As represálias aconteceram depois que uma delegação egípcia tentou intermediar o retorno de uma trégua informal. O Egito agiu para acalmar surtos repetidos nos últimos anos para evitar qualquer repetição das três guerras que os dois lados travaram desde 2008.

O último cessar-fogo, que já foi renovado várias vezes, é reforçado por milhões de dólares em ajuda financeira do Catar a Gaza. Mas as reclamações do Hamas de que Israel não cumpriu sua parte da barganha foram acompanhadas por conflitos esporádicos na fronteira.

A trégua foi buscada para fornecer licenças para os habitantes de Gaza trabalharem em Israel e financiamento para projetos de desenvolvimento em Gaza, ambas medidas que proporcionam algum alívio econômico em um território empobrecido onde o desemprego ultrapassa 50%.

Fontes disseram à AFP que os problemas gêmeos estavam na raiz do último surto.

Uma fonte próxima ao Hamas anunciou que o governo israelense disse à delegação egípcia que esperava um "retorno à calma" antes de considerar a implementação de cláusulas de trégua, como "a extensão da zona industrial oriental de Gaza" e a construção de uma nova linha de energia para o território.

O Hamas pediu que o número de autorizações de trabalho emitidas para os habitantes de Gaza dobrasse para 10.000 assim que as restrições ao coronavírus fossem suspensas, disse a fonte.

A trégua também estipulou um pagamento mensal de ajuda do Catar de US $ 30 milhões até o final do próximo mês, mas a fonte disse que o benfeitor do Golfo de Gaza "concordou em aumentar o subsídio financeiro em US $ 10 milhões por mês" e estender seu prazo.

O presidente do Comitê do Catar para a Reconstrução de Gaza, Embaixador Mohammed Al-Emadi, falou na quarta-feira sobre  "Os esforços intensos para conter a escalada" entre Israel e o Hamas.

Israel mantém um bloqueio paralisante da Faixa de Gaza desde 2007, o que os críticos dizem ser uma punição coletiva dos residentes empobrecidos do enclave. O Egito também mantém o cerco, restringindo o movimento de entrada e saída de Gaza em sua fronteira.

As Nações Unidas há muito alertam que Gaza se tornará inviável em 2020 se não acabarem com o cerco à Gaza.




Fonte: Middle East Eye

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.