Domingo, 26 Setembro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Israel demoliu 72 prédios e desloca dezenas de palestinos em três meses

Outras 218 famílias palestinas, compreendendo 970 indivíduos, incluindo 424 crianças, têm processos de despejo pendentes nos tribunais israelenses.

O embaixador palestino na ONU alertou as autoridades sobre os ataques cada vez mais violentos e racistas realizados pelas forças de ocupação israelenses e grupos extremistas de colonos contra os palestinos nos territórios ocupados, incluindo Jerusalém Oriental.

 

Riyad Mansour fez seu alerta em cartas enviadas ao secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, ao atual presidente do Conselho de Segurança da ONU na Estônia, e ao presidente da Assembleia Geral da ONU, o diplomata turco Volkan Bozkir.

 

Mansour destacou que as forças de ocupação demoliram 72 prédios em apenas três meses, o que levou ao deslocamento de 78 palestinos, incluindo 47 crianças e 15 mulheres. Mais de 350 outras pessoas foram afetadas pelas demolições. Outras 218 famílias palestinas, compreendendo 970 indivíduos, incluindo 424 crianças, têm processos de despejo pendentes nos tribunais israelenses.

 

Ele se referiu ao anúncio de Israel nesta semana de outra campanha de demolição. Centenas de ordens de demolição foram emitidas em toda a Cisjordânia ocupada, incluindo Jerusalém Oriental, para casas supostamente construídas “sem permissão”. Mansour observou que a ONG israelense Breaking the Silence revelou que as autoridades de ocupação rejeitam rotineiramente quase 99 por cento dos pedidos de licença de construção palestinos. Como resultado, é quase impossível para os palestinos construir e desenvolver suas comunidades.

 

O oficial palestino também se referiu à violência de colonos armados que podem espalhar o terror e atacar palestinos, enquanto desfrutam da proteção incondicional das forças de ocupação israelenses. Esses grupos são encontrados principalmente dentro e ao redor de Beita, perto de Nablus, onde grupos extremistas de colonos como Lehava, La Familia, Price Tag e Hilltop Youth são encontrados. Um menino palestino de 16 anos, Ahmed Zaher Bani Shamsa, foi baleado e morto por forças israelenses em Beita recentemente.

 

Abordando a situação na Faixa de Gaza, o Embaixador Mansour disse que as autoridades de ocupação continuaram seus ataques aéreos no território sitiado, violando o “cessar-fogo” que entrou em vigor no mês passado. Os bairros de Beit Lahia e Khan Yunis foram bombardeados, causando graves danos à infraestrutura e aos campos agrícolas.

 

Mansour destacou o apelo da UNRWA por ajuda humanitária de recuperação, que pede ajuda financeira imediata para atender às necessidades de crianças, mulheres e homens palestinos após a agressão militar israelense.

 

Ele também enfatizou a necessidade de o Conselho de Segurança cumprir suas responsabilidades e tomar medidas concretas para implementar todas as suas resoluções. Isso, ele enfatizou, exigiria o fim da prática de conceder a Israel isenção de fato de obedecer às leis e convenções internacionais. Além disso, ele criticou a relutância da comunidade internacional em colocar Israel na lista negra dos violadores dos direitos das crianças em tempos de conflito armado, e descreveu isso como uma falha moral e legal da ONU.

 

“As crianças palestinas enfrentam uma miríade de perigos e graves violações nas mãos de Israel, conforme refletido nos sucessivos relatórios produzidos pelo Secretário-Geral, incluindo assassinato, mutilação, detenção, prisão, ataques a escolas e hospitais e bloqueio de ajuda”, disse Mansour. “Não há justificativa para o fracasso crônico da ONU em colocar Israel na lista negra, que é o primeiro passo para a criação de um plano de ação corretiva e de responsabilização e justiça para as crianças palestinas que ainda são vítimas de violência e violações sistemáticas de Israel”.

 

Privar as crianças palestinas da proteção a que têm direito de acordo com o direito internacional em face dos repetidos crimes israelenses, concluiu, é "equiparado à total impunidade" para Israel. “Isso o incentiva a continuar cometendo seus crimes. As crianças palestinas são o principal alvo de Israel e seus ataques e invasões militares. ”

 

Fonte: Palestine Responds

Tradução:  IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.