Domingo, 27 Setembro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Clube Brasil Palestina

Israel é um estado desonesto

Por Asa Winstanley

Na semana passada, o governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que estava impondo sanções econômicas ao promotor-chefe do Tribunal Penal Internacional (TPI).

O decreto foi anunciado pelo Secretário de Estado Mike Pompeo, que relatou que os EUA iriam: “Não tolerar tentativas ilegítimas [do TPI] de submeter os americanos à sua jurisdição”.

Esta é a resposta vingativa dos EUA às investigações anunciadas pelo tribunal sobre os crimes de guerra dos EUA no Afeganistão e os crimes de guerra israelenses na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

Essas investigações do TPI ainda estão em um estágio inicial, mas os Estados Unidos já agiram da maneira mais rígida para escapar da justiça.

Também atuou para proteger Israel - um dos piores países que violam os direitos humanos do mundo e um aliado fundamental.

O novo movimento do governo Trump foi descrito por minha colega Maureen Murphy da The Electronic Intifada como a opção nuclear de Trump contra o tribunal internacional.

O TPI foi estabelecido com a esperança de que os violadores dos direitos humanos em todo o mundo pudessem ser responsabilizados nos termos mais concretos - não apenas condenados, mas realmente julgados e presos por seus crimes.

Mas, até agora, o tribunal falhou em viver de acordo com esse ideal elevado. Até à data, processou apenas cidadãos africanos.

Assim que o tribunal foi estabelecido, os EUA optaram por sair. Como a maior superpotência do mundo desde pelo menos 1945, os Estados Unidos são o principal perpetrador de crimes de guerra em qualquer lugar.

A série quase interminável de guerras imperialistas dos EUA pelo controle e domínio do globo tem sido a causa direta de milhões de mortes.

Ao ajudar a sustentar, financiar, treinar, armar e encorajar um regime racista e violento como o de Israel, o império dos EUA também é uma ordem mundial de tortura e injustiça - muito parecido com o império britânico antes dele.

Não é surpresa, então, descobrir que muito do ímpeto para as sanções dos EUA contra o TPI é a decisão do tribunal (finalmente, após longos anos de prevaricação) de processar Israel por seus crimes de guerra.

Com o regime sionista desempenhando um papel ideológico fundamental na ordem mundial dos EUA, sucessivos governos dos EUA aumentaram os níveis de apoio do condado a Israel - especialmente nas décadas desde 1967.

Trump não é exceção a esse respeito. Ele é apenas o exemplo mais recente da mesma tendência: cada presidente sucessivo dos Estados Unidos - seja democrata ou republicano - consegue ser mais pró-Israel do que o anterior. Joe Biden, se ele conseguir vencer a próxima eleição - o que não é de forma alguma garantido - certamente não irá contrariar essa tendência. Ele será ainda mais pró-Israel do que Trump.

Afinal, quando Biden era vice-presidente, o presidente Barack Obama concluiu seu último ano no cargo supervisionando uma promessa de doar espantosos US $ 38 bilhões em ajuda militar a Israel ao longo da década seguinte.

O nível de fanatismo estadunidense-israelense contra o TPI e a perspectiva de enfrentar a responsabilização por sua violência é impressionante.

Nos Palestine Papers, a ex-ministra israelense da “Justiça”, Tzipi Livni, foi infamemente revelada por ter declarado: “Eu sou um advogado, mas sou contra a lei - a lei internacional em particular. ”

O diretor do grupo de frente jurídica do Mossad, Shurat HaDin, certa vez pediu que Israel literalmente invadisse Haia em retaliação, por tentativas de advogados de levar seus militares à justiça.

Israel deve: “Utilizar toda a força necessária para resistir a qualquer esforço para prender oficiais das IDF [militares israelenses] acusados de crimes de guerra em qualquer lugar do mundo. Os países estrangeiros devem ser levados a entender que falamos sério ”, escreveu Nitsana Darshan-Leitner em um jornal israelense.

A ameaça de enfrentar seus crimes em um tribunal é muito real para os oficiais israelenses. Eles estão perfeitamente cientes de seu perigo.

Até os países europeus começarem a reescrever suas leis de jurisdição universal para proteger Israel, não era um evento incomum para os criminosos de guerra israelenses evitarem lugares como Londres.

Quinze anos atrás, nesta semana, Doron Almog, um ex-major-general do exército israelense, teve que dar meia-volta e fugir de volta para Tel Aviv após pousar em Londres para participar de palestras.

A polícia britânica estava planejando prendê-lo por um caso de crime de guerra, mas de alguma forma, a embaixada israelense foi avisada e o alertou para não desocupar o avião. Ainda não está claro quem traiu essa confiança.

Um juiz decidiu que tinha um caso para responder por seu papel na liderança das forças de ocupação israelenses que estavam impondo um regime militar brutal aos palestinos da Faixa de Gaza, durante os primeiros anos da segunda Intifada.

Almog supervisionou a destruição vingativa e sistemática por escavadeira de muitas casas palestinas lá - até esmagando pessoas até a morte no processo, incluindo a ativista de solidariedade americana Rachel Corrie.

Alguns anos depois de ele ter fugido do aeroporto de Heathrow, foi revelado por repórteres que a polícia britânica só havia tomado a decisão de não embarcar no avião porque temia ser alvejada por soldados israelenses armados que protegiam Almog.

Já passou da hora de a impunidade israelense, estadunidense e britânica acabar.

 

Fonte: Palestine Responds

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.