Domingo, 25 Outubro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Israel vende armas para neonazistas e regimes totalitários do terceiro mundo

Israel é um dos maiores exportadores de armas. Suas armas são usadas em inúmeros conflitos, especialmente no terceiro mundo. Também vende para grupos neonazistas. Embora haja um silêncio oficial sobre tudo em torno deste assunto, de tempos em tempos, ativistas israelenses trazem alguns desses casos à tona.

Por EUGENIO GARCÍA GASCÓN

 

Grupos neo-nazistas e regimes militaristas do terceiro mundo estão entre os melhores clientes da indústria de armas israelense. Esta não é uma descoberta de última hora, mas uma descoberta de que a mídia hebraica tem publicado a maior parte das informações por anos, apesar da censura militar prevalecente no país.

Desta vez, segundo o jornal israelense Haaretz, as armas israelenses foram para um grupo de extrema direita da Ucrânia, país que sofre de grande instabilidade e está no centro de uma disputa acirrada entre a Rússia e o Ocidente. O grupo em questão, denominado Azov, também tem uma ideologia neonazista.

Mais de 40 ativistas israelenses de direitos humanos submeteram recentemente uma petição à Suprema Corte pedindo o fim das vendas de armas a este grupo que defende abertamente uma ideologia que não é apenas nacional-extremista , mas também claramente anti-semita.

Os membros do Azov fazem parte das forças armadas ucranianas e contam com o apoio do governo de Kiev para o uso dessas armas de Israel. O primeiro comandante do Azov foi Andriy Biletsky, um nacionalista de extrema direita. A maioria dos membros desta unidade conhecida como Regimento Azov vem do leste da Ucrânia.

A origem de Azov remonta aos anos oitenta, ou seja, ainda sob o domínio da União Soviética, e seus primeiros integrantes foram hooligans de times de futebol. A milícia Azov não começou a funcionar como tal até a crise da Ucrânia com a Rússia, cinco anos atrás.

Embora os detalhes da exportação de armas israelense não sejam tornados públicos devido à censura, recentemente foi observado que em fotografias e gravações de vídeo, membros de Azov possuem armas de fabricação israelense. Os peticionários ao Supremo Tribunal de Israel apresentaram essas imagens em sua petição para impedir a venda de armas a esse grupo neonazista.

O Haaretz observa que esta não é a primeira vez que fábricas de armas israelenses trabalham para grupos que abraçam a ideologia neo nacionalistas, e cita outras ocasiões mais preocupantes  em que as armas israelenses foram para grupos anti-semitas ou neonazistas.

A mídia israelense indicou que no governo de Benjamin Netanyahu houve grande satisfação com a vitória de Donald Trump, apesar de ser bem conhecido que elementos relacionados a grupos neonazistas e supremacistas da "extrema direita" passariam a fazer parte do governo. de Washington.

 

Não é a primeira vez que acordos são feitos com o diabo

A simpatia do governo israelense pelos grupos europeus de extrema direita, por exemplo na Polônia ou Hungria, não leva em conta que muitas vezes os líderes desses grupos, mesmo dentro do governo húngaro, defendem a negação do Holocausto e do anti-semitismo.

Na história de Israel, não é a primeira vez que esse tipo de acordo com o diabo é realizado. Durante a ditadura militar argentina, quando os militares deste país mataram milhares de judeus, surgiu o paradoxo de que alguns deles foram mortos por armas de fabricação israelense, como a submetralhadora Uzi.

Além disso, a mídia israelense e estrangeira vinculou as vendas de armas israelenses a regimes acusados ​​de cometer genocídio. Essas vendas são geralmente realizadas por soldados da reserva que ganham dinheiro fácil com a autorização obrigatória do Ministério da Defesa. Muitos desses soldados da reserva ocuparam cargos de confiança e até funções ministeriais ou de primeiro-ministro, como é o caso do Trabalhista Ehud Barak.

Em setembro do ano passado, o governo de Netanyahu se recusou a interromper as vendas de armas à Birmânia, apesar de acusar o regime birmanês de cometer genocídio, limpeza étnica, estupro e tortura contra os muçulmanos rohingya. Um apelo ao Supremo Tribunal não ajudou muito e os magistrados ouviram a posição do governo à porta fechada.

 

Ele aproveitou a tragédia no Sudão do Sul para vender armas

O advogado dos ativistas que denunciaram a venda de armas à Birmânia, Eitay Mack, lembrou à Suprema Corte que os Estados Unidos e a Europa impuseram um embargo à Birmânia. E acrescentou que embora Israel tenha ocultado a venda de armas ao país, os líderes birmaneses se gabaram publicamente de suas relações com o Estado Israelense.

Israel também aproveitou a tragédia no Sudão do Sul para vender armas àquele país atolado em um conflito em curso que está causando um grande número de mortes, incluindo civis. Estima-se que 300.000 pessoas morreram e mais de 2 milhões são refugiados e deslocados no Sudão do Sul.

As armas israelenses também acabaram nas mãos de grupos que realizaram o genocídio de 1994 em Ruanda, onde mais de um milhão de pessoas foram mortas em um massacre genocida.

Alguns militares e ex-militares israelenses argumentaram que Israel não faz nada que outros países não façam, o que às vezes é verdade. Sem ir mais longe, a bomba que neste mês de agosto causou a morte de mais de 40 crianças no Iêmen, utilizada pela aviação comandada pela Arábia Saudita, era de fabricação americana.

 

Fonte: publico.es

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.