Terça Feira, 29 Setembro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Jerusalemitas rejeitam a política de autodestruição criminosa de suas casas

As autoridades de ocupação estão praticando uma campanha feroz e sistemática contra o povo de Jerusalém ocupada, e suas propriedades. Na tentativa de esvaziar a Cidade Santa de seus habitantes originais e substituí-los por colonos, distorcer sua história original, judaizar Jerusalém e mudar suas características e patrimônio.

O governo de ocupação israelense, não está satisfeito com as campanhas de prisão, deportação e assédio do povo de Jerusalém e dos que nela trabalham, mas está tentando controlar todas as casas, ruas e becos, aumentando as operações de demolição para controlá-las e buscando ativamente judaizá-las.

Apesar de todas as políticas de demolição de casas e estabelecimentos, deslocamento da população, prisão, assédio e expulsões, o cidadão de Jerusalém insiste em sua estabilidade e está em sua terra e na adesão aos seus princípios, e aumenta o amor e a permanência à sua cidade sagrada, rejeitando toda a criminalidade, destruição e arrogância da ocupação israelense.

A demolição de casas de Jerusalém ocorre, por razões óbvias de ocupação, principalmente as restrições aos cidadãos de Jerusalém. Com o objetivo de forçá-los a abandonar a cidade, revogar o direito de residir em Jerusalém e, posteriormente, retirar sua identidade sob o pretexto de deslocar o centro de suas vidas para fora da cidade.

Isso também dá mais espaço à expansão dos assentamentos às custas das terras palestinas e recorre à política de demolir casas palestinas, seja pela autodestruição e humilhação de al-Maqdisi, seja pela ocupação municipal, que sobrecarrega al-Maqdisi com dezenas de milhares de shekels para suas escavadeiras, tudo sob o pretexto de que seus proprietários não obtiveram autorizações do município Israelense, como uma ferramenta para esvaziar a cidade de seu povo.

 

Rejeição da ocupação

Três famílias de Jerusalém se recusaram a cumprir as ordens do município de ocupação de autodestruição de suas casas. Em uma campanha lançada pelo povo da cidade de Silwan, ele Jerusalems conclamaram ao povo para permanecer firmemente e se recusar de sair de suas casas para serem demolidas, e a apoiar aqueles que cujos suas casa já  foram demolidas e compartilhem sua firmeza, e caridade com todas as pessoas do país sob o lema "Hoje é você, amanhã sou eu".

Por sua vez, a família de Abdu, que mora em Jabal Mukaber, na Jerusalém ocupada, rejeitou a decisão da ocupação israelense de demolir sua casa por conta própria, alegando que ela não havia sido licenciada, ressaltando que não a demoliria manualmente, depois de ter sido avisada de autodemolição ou demolição pelas escavadeiras de alto valor da ocupação.

A família confirmou que demolir casas é um crime que não pode cometer contra si mesma e, se a ocupação israelense sionista insistir nisso, que se comprometa sozinha, para ser exposta ao mundo inteiro, para os que habitam Jerusalém, não existe paz de espírito sendo obrigados a demolir suas próprias casas milenares.

Por sua vez, a família Alyan na cidade de Al-Issawiya, na Jerusalém ocupada, rejeitou a decisão da ocupação de demolir sua casa, alegando que não havia permissão, ressaltando que eles não a deixariam mesmo que a casa fosse demolida sobre sua cabeça, e ela não a demoliria com a mão, ressaltando que não havia razão legal para expulsá-los e demolir sua casa.

Ela disse: "A ocupação, por meio de falsas alegações, está tentando nos expulsar, para poder controlar nossas terras e anexá-las aos assentamentos. Hoje, Issawiya encolheu muito, e tem uma grande crise populacional, e a construção é proibida."

Ela perguntou: "Por que os colonos têm o direito de construir assentamentos enquanto evitamos e negamos a construção, eles demoliram nossas casas por falsas alegações? Esta pergunta não tem resposta, exceto que estamos enfrentando um governo racista e criminoso."

Quanto a al-Maqdisi Ata Jaafar - de Jabal al-Mukaber - que concedeu um prazo até 30 de agosto para demolir sua própria casa, ele diz: “Tentei demolir minha casa para evitar pagar os pesados ​​custos do município da ocupação israelense sionista, mas meu coração não me obedeceu e minha mão se recusou a demolir meu passado e minhas memórias, meu presente e meu futuro.”

Jaafar perguntou: "Como meu filho pode compreender a cena da demolição de minha casa com minhas próprias mãos?! O que vou justificar no futuro? Como vou explicar a meu filho que este assunto está além do meu controle?", Salientando que ele tomou a decisão de não demolir sua casa com as próprias mãos, mesmo que isso lhe custasse um alto preço.

Ele continuou: "Por 10 anos eu tenho vivido em um estado psicológico devastador devido à ameaça do município de ocupação de demolir a casa. Perdemos o sono nos últimos anos porque é esperado que a qualquer momento a decisão de demolição chegue. Eu tomei todos os meios para evitar isso e não fui capaz! Embora eu não tenha cometido nenhum erro no dia em que construí minha casa, pois o terreno pertencia ao meu pai. "

Al-Maqdisi sozinho continua a enfrentar a política de demolição de casas com o peito nu, paciência e firmeza no contexto da relutância do mundo árabe em apoiá-lo.

 

Fonte: The Palestinian Information Center

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.