Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Justiça para George Floyd e Iyad Hallak

Os assassinatos do afro-americano George Floyd em Minneapolis e do palestino Iyad Hallak em Jerusalém causaram indignação, embora em proporções muito diferentes.

No sábado, 30 de maio de 2020, em Jerusalém, a polícia da fronteira israelense conhecida como Magav - uma unidade especializada que auxilia o exército israelense em operações policiais e antiterroristas, especialmente em Jerusalém e nos territórios ocupados da Cisjordânia, e famosa por sua brutalidade - matou Eyad Hallak, 32, um palestino desarmado e autista. Hallak estava indo para a cidade velha para ir ao Elwyn Center, um centro especializado no atendimento de deficientes. Segundo uma investigação inicial, dois policiais começaram a persegui-lo depois de receber um alerta de outro policial sobre "um terrorista armado". Os protestos foram organizados e a justiça foi exigida para Hallak em Jerusalém e Jaffa. Os manifestantes trouxeram fotos de George Floyd, o negro morto pela polícia branca em Minneapolis dias antes, cuja morte continua a alimentar protestos nacionais nos Estados Unidos contra o racismo e a brutalidade policial.

 

As reações nos dois países mantêm diferenças de magnitude e avaliação. Nos Estados Unidos, os quatro policiais foram demitidos e estão sob investigação. O prefeito de Minneapolis ofereceu um pedido de desculpas oficial. Os protestos se espalharam para muitas outras cidades nos Estados Unidos e até em Londres.

 

Em Israel, os dois policiais envolvidos no caso foram detidos após o incidente. Um foi libertado, enquanto o outro foi colocado em prisão domiciliar. As reações nas ruas de Israel pela morte do jovem palestino são escassas; em outras cidades do mundo elas não existem. A solidariedade internacional com o povo palestino declinou desde 1990 devido ao colapso da União Soviética e à decisão da Organização de Libertação da Palestina de colaborar com os Estados Unidos e Israel através dos acordos de Oslo; Por seu lado, a sociedade israelense entrou após 2001 em uma fase de anestesia e fervor patriótico, impulsionada por boa parte da classe política.

 

A morte de Iyad Hallak não é a primeira na lista de vítimas de deficientes mentais das forças israelenses. Mohammad Jabari morreu em março de 2018, Mohammad Habali em dezembro de 2018 ou Arif Jaradat em junho de 2016. Tendo humilhação policial e violência direcionada contra os palestinos nos territórios da Cisjordânia, como contra afro-americanos nos Estados Unidos, Eles são rotineiros.

 

Os sistemas criam condições para subjugar e oprimir. Embora estes sejam dois contextos históricos, políticos e demográficos suficientemente diferentes, em ambos os casos processos discursivos e de políticas públicas semelhantes são identificados pelos quais imagens e objetos de “ameaças” são construídos. Destacar suas fontes se tornará uma tarefa cada vez mais urgente, pois a identidade nacional e a coesão sócio-política dos Estados Unidos, Israel e muitos outros países estão em jogo aqui.

 

Fonte: Marta Tawil, Agenda Levantina / Heraldo do México

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.