Sexta Feira, 22 Janeiro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Liga Árabe: O ano de 2020 é o mais violador dos direitos dos presos palestinos nas prisões de ocupação

Ontem, quinta-feira, a Liga Árabe confirmou que o ano de 2020 é o mais violador do direito dos prisioneiros nas prisões de ocupação israelense.

Um relatório emitido pelo setor palestino e pelos territórios árabes ocupados da Liga, que incluiu as violações israelenses mais proeminentes contra os prisioneiros durante o ano corrente, disse que a ocupação israelense persistiu em negligência médica deliberada dos direitos dos prisioneiros e ignorou as recomendações de organizações internacionais para libertá-los por medo da propagação do vírus Corona, em vista da superlotação nas prisões. E a continuação da detenção administrativa sem uma acusação, e mais violações da Terceira e Quarta Convenções de Genebra e do Direito Internacional Humanitário com relação aos direitos dos prisioneiros.

Acrescentou que a ocupação procurou durante o ano em curso restabelecer as condições dos presos ao primeiro trimestre da experiência de detenção no início do movimento nacional palestiniano cativo, e trabalhou para evitar visitas a pretexto de “Corona”, e isolar presos em circunstâncias difíceis, constatando que o número de presos atingiu durante o ano cerca de 4.400 presos, entre eles 38 presos, 170 crianças, 500 detidos administrativos e 1.300 casos de doença, dos quais 80 precisam urgentemente de exames médicos urgentes, além de 17 presos que estão permanentemente alojados em clínicas prisionais e que estão praticando contra eles todos os métodos criminais que violam os princípios dos direitos humanos e privam-nos de seus direitos básicos garantidos pelos tratados internacionais.

O relatório indicou que o ano corrente testemunhou um aumento no número de mártires do movimento cativo, já que 4 prisioneiros foram martirizados como resultado de negligência médica deliberada contra eles, e todos que entraram nas prisões de ocupação foram submetidos a todas as formas de tortura psicológica e física, o que contraria os princípios básicos para o tratamento de prisioneiros adotados pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 1979 e 1990, respectivamente, que confirmaram a proteção da saúde dos presos e os cuidados médicos para as pessoas detidas em aparente desrespeito pela vida dos presos, o que levou à disseminação do vírus "Corona" entre eles e à infecção de 137 presos, sem tomar as medidas de proteção e prevenção necessárias para enfrentar o vírus.

Salientou que os presos têm sofrido durante o ano em curso com a falta de padrões mínimos de direitos humanos e de vida, bem como a disseminação de dispositivos de fiscalização, travamentos e câmaras em todos os cantos dos troços, bem como sobrelotação nos quartos, falta de ventilação, má qualidade e quantidade alimentar, revistas diárias, multas financeiras exorbitantes, frio e humidade no Inverno e calor extremo no verão, negação de visitas a advogados, entrada de cartas e violação de rituais religiosos, falha em fornecer locais de culto, falha em lidar com as demandas de prisioneiros em rituais de Ramadã, feriados e eventos religiosos, impedindo educação universitária, ensino médio e entrada em livros, em contraste com o Artigo 94 da Quarta Convenção de Genebra, e enfatizou o incentivo a atividades mentais, educacionais, de entretenimento e esportivas para os detidos.

O relatório observou que a ocupação prendeu quase 800 crianças este ano, especialmente crianças de Jerusalém, incluindo menores de 16 anos, e seu número é de cerca de 170 crianças nas prisões e cadeias de ocupação, que estão expostas a violações flagrantes que violam todas as normas internacionais e convênios que garantem sua proteção, uma vez que a ocupação não levou em consideração. A idade das crianças e tratá-las como adultos, bem como impedi-las de ver suas famílias e de proteção legal.

Ele ressaltou que as forças de ocupação sistematicamente prendem crianças palestinas, e como parte de campanhas punitivas de prisão em massa, e as crianças detidas são submetidas a várias formas de tortura psicológica e física, sem respeitar a devida proteção da criança.

As prisões de crianças têm efeitos devastadores em sua saúde mental e muitas vezes as levam a abandonar a escola, pois a ocupação violou o Artigo 37 e o Artigo 38 dos direitos da criança garantidos a ela pela Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança, que é o direito de viver em liberdade e dignidade e que nenhuma criança seja submetida a tortura ou punição severa, de forma desumana.

Acrescentou que a ocupação continuou a violar os direitos das mulheres palestinas durante o ano atual, já que 38 mulheres palestinas foram detidas em suas prisões e vários tipos de tortura física e psicológica foram praticados contra elas, como negligência médica, imposição de multas, isolamento e força, e detenção em locais não condizentes com elas, a presença de câmeras e violação de privacidade, e buscas provocativas por parte da administração penitenciária, xingando e agredindo-os à força em caso de tensão e com gás lacrimogêneo e negando visitas.

O relatório disse que as autoridades de ocupação visaram recentemente estudantes universitários, prendendo e assediando-os, visto que foram presos tarde da noite e transferidos para vários centros de investigação e prisão, e alguns deles foram submetidos a tortura severa nas mãos de investigadores de inteligência de ocupação, e esta segmentação é uma violação de seu direito básico.

Indicou que a ocupação tem utilizado a política de prisões como arma e como um dos instrumentos de opressão com que combate a presença palestina com o objetivo de subjugá-la e intimidá-la, e é um dos meios de punição coletiva e de esgotamento de suas energias, pois as prisões são um fenômeno diário, inerente à vida dos palestinos e a ocupação dos palestinos desde 1948.

O relatório afirmou que a política de opressão israelense continua em relação aos prisioneiros, em violação e violação das obrigações e acordos assinados entre os lados palestino e israelense, e deduziu e deduziu as prestações para as famílias dos mártires e prisioneiros das receitas fiscais.

O relatório acrescentou que as recomendações internacionais representadas pela União Europeia durante a última reunião europeia palestina realizada em 7 de dezembro, enfatizaram a necessidade de parar as violações israelenses contra palestinos, especialmente violações contra crianças, bem como as recomendações emitidas pela 105ª sessão da Conferência de Supervisores dos Assuntos Palestinos. Enfatizou a necessidade de apoiar a questão dos prisioneiros por meio do Fundo Árabe para Prisioneiros e Detidos Palestinos e Árabes nas prisões da ocupação israelense.

 

Source: Agência de notícias Wafa 

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.