Segunda Feira, 15 Agosto 2022

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

"Lutaremos por justiça": família de Abu Akleh critica investigação sobre assassinato

O Departamento de Estado dos EUA diz que a investigação não pode determinar de forma conclusiva a origem da bala que matou a jornalista.

A sobrinha de Abu Akleh disse à Al Jazeera que sua tia foi morta "intencionalmente" pelas forças israelenses, contestando o relatório anunciado pelos EUA.

 

"Com relação ao anúncio de hoje do Departamento de Estado - nada menos que no 4 de julho - de que as evidências da bala que matou Shireen Abu Akleh, uma cidadã norte-americana, eram inconclusivas quanto à origem da arma que ela disparou, estamos incrédulos. Houve inúmeras testemunhas oculares do assassinato, e agora tivemos o benefício de relatos de vários meios de comunicação locais e internacionais, organizações de direitos humanos e as Nações Unidas de que um soldado israelense disparou o tiro fatal, pois não havia outros elementos armados na área de Jenin onde Shireen foi morto. O foco na bala sempre foi mal colocado e foi uma tentativa do lado israelense de girar a narrativa a seu favor, como se isso fosse algum tipo de mistério policial que pudesse ser resolvido por um teste forense no estilo CSI. A noção de que os investigadores dos EUA, cuja identidade não é divulgada no comunicado, acreditam que a bala "provavelmente veio de posições israelenses" é de pouco conforto. Dizemos isso à luz da adição de um pronunciamento conclusivo de que o assassinato não foi intencional, mas o resultado de um suposto ataque antiterrorista israelense que deu errado, o que é francamente um insulto à memória de Shireen e ignora a história e o contexto de natureza violenta daquela que é hoje a ocupação mais longa da história moderna.

 

A verdade é que o exército israelense assassinou Shireen em acordância com políticas que veem todos os palestinos - civis, mídia e outros - como alvos legítimos, e esperávamos que uma investigação americana se concentrasse em encontrar os responsáveis ​​e responsabilizá-los pelo assassinato, não em analisar detalhes pouco relevantes e depois assumir a boa fé em nome de uma potência ocupante recalcitrante e hostil. Em outras palavras, todas as evidências disponíveis sugerem que uma cidadã dos EUA foi executada extrajudicialmente por um governo estrangeiro que recebe bilhões de dólares em ajuda militar dos EUA a cada ano para perpetuar uma ocupação militar de longa data e entrincheirada de milhões de palestinos. Esperávamos que, por exemplo, o FBI ou outras autoridades relevantes abrissem uma investigação de assassinato, como fazem em casos comuns quando cidadãos americanos são mortos no exterior. Além disso, os Estados Unidos devem tomar medidas para esclarecer até que ponto os fundos americanos estiveram envolvidos no assassinato de Shireen. Dizer que esta investigação, com sua completa falta de transparência, objetivos indefinidos e apoio à posição geral de Israel é uma decepção seria um eufemismo. Permaneceremos a defender a justiça para Shireen e responsabilização do exército e do governo israelenses, independentemente das tentativas de esconder a realidade do que aconteceu em 11 de Maio. Continuamos a pedir ao governo dos EUA que conduza uma investigação aberta, transparente e completa de todos os eventos por agências independentes, livres de qualquer consideração ou influência política."

 

Fonte: Al Jazeera

  • Gravatar - Post by
    postado por: Família Abu Akleh
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2022 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.