Sexta Feira, 07 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Mais de 5.500 palestinos detidos nas prisões israelenses, sofrem tortura e negligência médica deliberada

Nas prisões israelenses, tem 51 prisioneiros políticos palestinos detidos há mais de duas décadas. Os presos políticos palestinos em Israel estão sujeitos a tortura e pressão física, psicológica e negligência médica deliberada.

A recente morte do prisioneiro político palestino Sadi al-Gharabli em Israel colocou prisioneiros palestinos que estão presos por um longo tempo no centro do debate.

Al-Gharabli, 75 anos, morreu no Centro Médico Assaf Harofeh na semana passada, depois que sua saúde se deteriorou, de acordo com o Handala Center for Detainees and Ex Detainees. Ele foi preso pelas forças israelenses em 1994 e condenado à prisão perpétua.

"O sofrimento dos detidos palestinos é exacerbado pela negligência médica deliberada das autoridades penitenciárias de Israel", disse à Agência Anadolu Abdel-Nasser Ferwana, da Comissão Palestina para Assuntos dos Prisioneiros.

Ferwana disse que os prisioneiros  palestinos em Israel estão sujeitos a tortura, pressão física e psicológica das autoridades penitenciárias. "Eles são privados de visitas familiares, o que aumenta sua situação difícil".

As autoridades palestinas estimam que mais de 5.500 palestinos permaneçam em prisões localizadas em todo Israel.

Segundo a comissão,  os 51 prisioneiros palestinos estão detidos em Israel há mais de 20 anos.

Estima-se que cerca de 224 detidos palestinos tenham morrido nas prisões israelenses desde 1967, cinco deles faleceram este ano. Desses números, a comissão estima que 73 prisioneiros morreram por tortura e 69 por negligência médica.

 

Alguns lançados

Há cerca de 26 prisioneiros sob custódia israelense, que foram presos por Israel antes da assinatura dos Acordos de Oslo com a Organização de Libertação da Palestina (OLP) em 1993.

Em 2013, Israel libertou 78 prisioneiros de longa duração como parte de um acordo patrocinado pelos EUA para retomar as negociações de paz entre a Autoridade Palestina e Israel. Israel, no entanto, se recusou a libertar um quarto grupo de 26 prisioneiros sob o acordo.

Em outubro de 2011, Israel libertou 1.027 prisioneiros, incluindo 477 cumprindo prisão perpétua.

No topo da lista dos prisioneiros mais antigos de Israel está Kareem Younis de 62 anos, que foi preso em 1983 e condenado à prisão perpétua sob a acusação de matar um soldado israelense.

Seu primo de 61 anos, Maher Younis, que passou 37 anos na prisão, também está cumprindo pena de prisão perpétua por acusações semelhantes.

Nael al-Barghouti, 63 anos, também foi preso em 1978 e condenado à prisão perpétua pelo assassinato de um soldado israelense. Al-Barghouti foi libertado em 2011 sob o acordo de troca de prisioneiros com as autoridades  palestinas, para ser detido novamente em 2014, juntamente com outros 70 prisioneiros libertados.

Ferwana, que também era ex-detento, pediu a pressão política e legal sobre Israel "para proteger os detidos palestinos contra violações de leis de Israel e garantir sua libertação".

Ele então pediu "tomar medidas sérias internacionalmente para levar Israel à justiça por suas práticas contra os prisioneiros políticos ".

 

Fonte: Agência Anadolu

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.