Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Massacre das últimas horas. Ocupação transforma duas casas em Deir al-Balah em uma "vala comum"

"Deus castigará você, Israel. Quem responsabilizará esses crimes? Onde estão os direitos humanos?". Em palavras simples e voz intermitente, Taleb Mammah al-Sawarka expressou choque com o horror do massacre que matou familiares de dois de seus parentes em Deir al-Balah, na faixa central de Gaza.

Taleb carregando nas mãos um uniforme escolar de uma criança, gritou com raiva do lugar de duas casas adjacentes e modestas de placas de lata cobertas de plástico na área de al-Baraka, transformando-se em uma cratera de quatro metros de profundidade e se tornou "um rastro após um olho": "Esta é a arma nuclear que Israel bombardeou!" 

O choque pareceu dominar os moradores da região do horror do massacre dos aviões de guerra israelenses ao amanhecer, cerca de três horas antes do anúncio da trégua, 16 membros da família Abu Malhous (Al-Swarka) foram mortos e feridos, incluindo mulheres, crianças e bebês.

 

Quatro foguetes lançados por aviões de guerra israelenses transformaram as casas simples em uma "cova coletiva", na qual o sangue era misturado com pedaços, areia e até algumas das ovelhas em que um dos irmãos costumava ganhar a vida.

 

Desenterrar duas crianças

Segundo o Ministério da Saúde de Gaza, os mártires do massacre são: Rasmi Salem Odeh al-Sawarka (45 anos), Moath Mohammed Salem al-Sawarka (7 anos), Muhannad Salem Salem al-Sawarka (12 anos), Waseem Mohammed Salem al-Sawarka (13 anos) e Yousra Mohammed Awwad Al-Sawarka, 39, e Mariam Salem Nasser Al-Sawarka (45 anos), enquanto duas crianças não reconhecidas foram desenterradas pela manhã. 

"Estava escuro, a atmosfera era aterradora, a cena era assustadora, chocante e insana", disse Taleb à rede Al Jazeera. “ Quando fomos para o local imediatamente após o massacre, começamos a cavar as mãos entre a areia e os escombros em busca de corpos e partes do corpo, e aviões no céu semearam medo e morte ".

Taleb estava ajudando nas primeiras horas da manhã na recuperação dos corpos de duas crianças que permaneceram por horas sob os escombros e a areia, disse ele: "Não sei se ainda existem corpos presos debaixo da areia." 

O homem descreveu o que aconteceu às duas famílias como uma "execução em massa" e perguntou com grande amargura "que perigo representa crianças, bebês e mulheres dormindo em suas casas para a segurança de Israel?!".

 

Pessoas simples

Por sua parte, Abd al-Hayy Abu Falah zombou da alegação do exército israelense e da justificativa do massacre de que era responsável por disparar os foguetes.

 

Com a mão, apontou para uma pilha de estanho, embalagens plásticas e roupas usadas e espalhadas: "Essas são as armas e mísseis que Israel afirma destruir em Gaza?"

"Enquanto Israel está empurrando seus colonos para abrigos fortificados por medo de modestos foguetes de resistência, estão lançando foguetes de lava e fogo sobre as cabeças de pessoas inocentes que dormem em Gaza", disse Abu Falah à Al Jazeera Net.

Em uma mesquita adjacente ao massacre, milhares participaram das orações pelos mártires da família Swarka antes de sua riqueza no cemitério da cidade, enquanto a família ferida ainda é distribuída aos leitos de hospitais, suas vidas oscilando entre morte e vida.

Segundo as estatísticas palestinas, 34 palestinos, incluindo mulheres e crianças, foram mortos e 111 ficaram feridos, incluindo casos graves, durante dois dias da escalada israelense que começou com um assassinato surpresa contra o líder das Brigadas Al-Quds, o braço militar da Jihad Islâmica, Bahaa Abu Al-Ata. Al-Shojaeya, na cidade de Gaza.

 

Fonte: Aljazeera.Net

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.