Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Medo, esperança, solidariedade: três histórias de superação durante a quarentena no campo de Aida, em Belém

O vírus não conhece barreiras, fronteiras, cores, religiões e juntou muitas comunidades sem ferramentas para combatê-lo. Mas a solidariedade sempre vence. Na Cisjordânia, tudo deixou de ser um dos lugares do mundo com menos liberdade de movimento devido à ocupação. Na cidade de Belém, o fechamento não poderia ter sido pior.

Campo de refugiados de Aida na Cisjordânia. Uma área sob ocupação e território com a maior concentração de gases lacrimogêneos do mundo. Lá vive, em quarentena, a família de Abdulrahman Abu Srour, Mohammed e Sajida.

Há um mês, Belém, a cidade mais próxima do campo, foi fechada por ser atualmente um dos principais focos de surtos de coronavírus na Cisjordânia. Os moradores, incluindo milhares de refugiados da Palestina, foram isolados. No entanto, o fechamento não poderia ter sido pior para os cidadãos de Belém, uma cidade que depende do turismo para sobreviver.

Em questão de dias, milhares de pessoas estavam desempregadas, sem saber como obteriam a próxima renda ou quanto tempo levaria antes que tudo voltasse ao normal. O impacto foi imediatamente perceptível. Escolas fechadas, ruas silenciadas e toda a força de trabalho repentinamente em casa.

A Cisjordânia deixou de ser um dos lugares do mundo com menos liberdade de movimento. Há medo de não chegar a tempo ao hospital ou centro de saúde mais próximo devido às restrições de mobilidade impostas pela ocupação israelense. Os postos de controle militar israelenses fazem parte da rotina de milhares de cidadãos palestinos, sejam eles indo para o trabalho, escola ou hospital.

 

Saúde porta-a-porta, casa-a-casa

Abdulrahman Abu Srour vive em Aida, têm 56 anos, é diabético e tem pressão alta. Faz parte do grupo de risco contra o coronavírus.

Como tudo na Cisjordânia estava diminuindo, Abdulrahman, como muitos outros cidadãos, começou a se preocupar com o fato de não ter alternativa para ir às compras ou receber seus remédios: "estávamos vendo nas notícias que o vírus estava afetando seriamente as pessoas com doenças crônicas, como eu, então comecei a me preocupar ".

A rede de cooperação é mais forte que o vírus. A solidariedade sempre vence. As mensagens são reproduzidas nas redes sociais de encorajamento em diferentes idiomas e, para os mais analógicos, os vizinhos reproduzem nos portais as mensagens de ajuda àqueles que mais precisam.

Foi o caso de Abdulrahman. Ele não achava que uma publicação no Facebook pudesse lhe dar um pouco de paz de espírito. Ibrahim, o oficial de serviços comunitários no campo de Aida, estava oferecendo, por meio dessa rede social, coletar prescrições nos centros de saúde da UNRWA em Belém e entregar os medicamentos de porta em porta, de casa em casa.

"Foi um grande alívio que Ibrahim trabalhou tanto para fazer isso para pessoas como eu, para que não tenhamos que sair para a cidade e nos expor potencialmente ao vírus", diz Abu Srour, que agora toma seus remédios há dois meses, graças a Ibrahim e às novas medidas que a UNRWA decidiu tomar ações para evitar que os doentes saiam todos os meses para comprar seus remédios. "Eles têm sido uma grande ajuda", acrescenta.

"Embora todos estejam presos em casa e tentando manter distância social um do outro, essa comunidade continua cuidando de pessoas como eu, e sou muito grato", disse ele.

 

Cuidar, ensinar e trabalhar em casa: mais um desafio para as famílias palestinas

Com o furacão da incerteza, compartilhamos medo, frustração, medo e sem saber o que acontecerá a seguir. Adaptamos nossas rotinas a toda velocidade com as crianças em casa e mudamos nossa ordem de prioridades na vida sem questioná-la antes.

A quarentena também está sendo difícil para Mohammed Lutfi, 39, pai de quatro filhos. Diz que ficar preso em casa foi um ajuste difícil para sua família: "Quando você tem quatro filhos e sua rotina muda repentinamente, pode ser muito difícil se adaptar, especialmente quando se trata de estudo e ensino à distância", afirmou.

As duas crianças mais velhas de Lutfi, Dalia, 7, e Ahmad, 6, estão matriculadas nas escolas de meninos e meninas da UNRWA no campo de Aida. Os professores também estão adaptando seus métodos e aprendendo novas ferramentas para que nenhuma criança seja prejudicada com a ausência de ensino, devido os momentos difíceis, da necessidade de distanciamento social.

Mohammed se sente calmo e orgulhoso: "Se não fosse pelos seus educadores da UNRWA, eu não saberia como administrá-lo. Os professores deles foram incríveis durante esse período, e posso dizer honestamente que são os melhores professores do mundo".

O poder das mídias sociais e da Internet transformou novos métodos de ensino. Os professores enviam tarefas e dão aulas via YouTube e Facebook e aguardam as perguntas de cada aluno: “Agradecemos os esforços dos professores e de pessoas como Ibrahim que realmente fazem o seu melhor, apesar da falta de financiamento internacional da UNRWA ”.

Um desejo de Mohammed: "Esperamos que pessoas de todo o mundo possam nos ver como um exemplo e fazer doações à UNRWA, para que possam continuar a nos fornecer serviços essenciais que precisamos para viver, especialmente neste momento".

 

"Nossa comunidade e nossos vizinhos nunca nos abandonarão”

As pessoas no campo de Aida criaram um comitê de emergência criado pelo conselho local e têm usado seus recursos para comprar enlatados, legumes frescos, arroz, farinha e outros itens essenciais e para criar pacotes de comida para os jovens voluntários da comunidade, em acampamentos, distribuídos entre famílias carentes.

A música nas varandas espalha esperança no mundo inteiro. Jovens do campo de Aida também tocam música pelos alto-falantes do acampamento para animar as pessoas, enquanto um grupo de jovens, bem protegidas e com segurança adequada, distribui flores para as mulheres em todo o acampamento para não esquecerem o dia das mães (que é comemorado na Palestina atualmente).

Sajida Allan vive no campo de Aida e, para ela, esse apoio comunitário é agora mais importante do que nunca. "Podemos estar sem trabalho e sofrendo durante esta pandemia, mas sabemos que nossa comunidade e nossos vizinhos nunca nos abandonarão", diz Sajida.

Sajida e seu marido nasceram e foram criados em Aida. Agora estão criando sua filhinha, Lea, de 6 meses, no acampamento. Suas vidas foram viradas de cabeça para baixo quando o COVID-19 chegou a Belém e a cidade foi fechada.

"Meu marido, Mustafa, é um guia turístico; portanto, se não houver turistas, ele não tem emprego e não temos dinheiro", disse ela. "Foi muito difícil e estressante, porque eu deixei meu emprego depois de ter Lea, e Mustafá está encarregado de seus pais, seus irmãos e suas famílias", acrescenta.

Como muitos dos residentes do campo que trabalham no setor de turismo e serviços, Sajida e seu marido aguardavam ansiosamente a chegada da primavera, a alta temporada de turismo em Belém. "Recentemente compramos um carro com todas as nossas economias, pensando que poderíamos pagar com o dinheiro que Mustafa fez nesta temporada, mas agora não conseguiremos", disse ele.

Não importa o quão estressada esteja, Sajida encontra consolo ao ver a solidariedade comunitária que hoje banha o campo de Aida: "Como refugiados da Palestina, experimentamos muitas dificuldades ao longo dos anos, de uma maneira que estamos acostumados a viver com menos e ajudar as pessoas ao nosso redor. Acho que esse vírus trouxe à luz a humanidade das pessoas ao redor do mundo, e especialmente em Aida ". 

 

Fonte: eldiario.es

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.