Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Meu avô, Nelson Mandela, ajudou a acabar com o apartheid. Vamos fazer o mesmo pela Palestina

O 11 de fevereiro marcou o 30º aniversário da libertação de meu avô, Nelson Mandela, da prisão pelo regime do apartheid da África do Sul.

Seis anos após sua morte, meu avô continua sendo um símbolo de nossa vitória sobre o apartheid e uma inspiração mundial para a batalha a fim de superar o racismo institucionalizado.

Com o racismo e a xenofobia crescendo globalmente, defendidos por líderes como o presidente dos EUA, Donald Trump, o legado de meu avô e a luta contra o racismo continuam sendo preocupações globais - particularmente este mês, quando marcamos o Dia Internacional da ONU para a Eliminação do Racismo, em 21 de março.

 

Legitimação do roubo de terras

A ONU escolheu 21 de março por ser o dia em que a polícia sul-africana matou 69 manifestantes sul-africanos desarmados em Sharpeville. Este ano, lembramos tristemente o 60º aniversário desse terrível massacre.

Hoje, um lugar onde os ecos da África do Sul do apartheid são os mais altos é na Palestina ocupada. Nós, sul-africanos, somos lembrados de Sharpeville pelas contínuas atrocidades do exército israelense e ataques de atiradores contra palestinos desarmados que protestam na prisão por seus direitos à liberdade de Gaza. Em um único dia em 2018, as brutais forças de ocupação de Israel massacraram pelo menos 58 manifestantes.

Até o embaixador de Israel na África do Sul durante a queda do apartheid, Alon Liel, chamou o plano de Trump de "uma imitação do modelo de Bantustan"

Cimentar permanentemente o regime de apartheid de Israel é uma meta do Trump e do primeiro-ministro de extrema-direita, Benjamin Netanyahu, de Israel. O "plano de paz" de Trump em janeiro foi uma tentativa tão descarada de legitimar o roubo de terras, assentamentos ilegais e discriminação de Israel, que sul-africanos e outros em todo o mundo viram imediatamente nossa experiência de apartheid refletida nos enclaves palestinos desconectados no mapa do plano.

Nosso presidente, Cyril Ramaphosa, líder anti-apartheid, disse que o plano de Trump "lembrou a horrível história pela qual passamos na África do Sul, onde o regime do apartheid já impôs um sistema horrível ao povo da África do Sul".

Até o embaixador de Israel na África do Sul durante a queda do apartheid, Alon Liel, chamou o plano de Trump de "uma imitação do modelo de Bantustan" legitimando "um novo modelo de apartheid do século XXI".

Embora essas comparações ressoem fortemente, rotular as políticas de Israel como apartheid não depende de uma estreita semelhança com as condições que os sul-africanos negros enfrentaram. O apartheid é definido sob o direito internacional como um "regime institucionalizado de opressão e dominação sistemáticas por um grupo racial sobre qualquer outro".

 

Movimento BDS

O domínio de Israel sobre os palestinos se enquadra no projeto, com o muro do apartheid de Israel, sistema de carteiras de identidade, leis diferentes para colonos e palestinos israelenses na Cisjordânia, prisão em massa de palestinos, apreensão implacável de terras palestinas, negação do direito de retorno dos refugiados palestinos e institucionalização de discriminação contra os cidadãos palestinos de Israel através da lei do Estado-nação judaico.

Os colegas palestinos dizem que foram inspirados por nossa experiência em derrotar o apartheid. Modelada conscientemente no boicote ao apartheid da África do Sul, em 2005, a sociedade civil palestina estabeleceu o que é agora um movimento global crescente e não violento de boicote, desinvestimento e sanções (BDS), apoiando a luta pela libertação da Palestina.

O ex-presidente Nelson Mandela testemunhou como os poderes opressivos trabalham juntos e viu que as lutas globais contra a opressão estão inter-relacionadas, tornando-o feroz em sua solidariedade com os palestinos e outros povos oprimidos.

Anos atrás, disse que a liberdade da África do Sul ainda era "incompleta sem a liberdade dos palestinos" e que a liberdade do povo palestino era "a maior questão moral de nosso tempo". Suas declarações ainda são verdadeiras hoje.

Impulsionado pelo exemplo de Madiba e pelas duras injustiças que os palestinos continuam a suportar, eu defendo ativamente a sociedade civil sul-africana e nosso governo por ações para apoiar os direitos dos palestinos e o movimento BDS liderado por palestinos.

 

Solidariedade global

Também eu ajudo a compartilhar nossas experiências globalmente. Na semana passada, próximo do Dia Internacional para a Eliminação do Racismo, conversei com o público europeu - por vídeo e não pessoalmente, devido a restrições de coronavírus em viagens e reuniões públicas - como parte da semana mundial anual do Apartheid de Israel. Pedi aos europeus que incorporassem os direitos palestinos em outros movimentos contra o racismo e apoiassem o BDS.

De fato, o apartheid israelense não pode ser efetivamente desafiado isoladamente, porque o regime de extrema direita de Israel é apoiado por outros regimes autoritários e governos de direita - como os dos EUA, Reino Unido, Índia e Brasil - que compartilham ideologias racistas semelhantes e trocam estratégias e ferramentas militares, policiais e de vigilância, a fim de perpetuar a repressão.

Israel e seus aliados americanos e europeus também se uniram para reprimir o movimento BDS pelos direitos palestinos por meio de leis e resoluções que o restringem e demonizam.

No Reino Unido, como exemplo, o governo do primeiro-ministro Boris Johnson anunciou planos para impedir as autoridades públicas de boicotes e desinvestimentos, refletindo a proibição de boicotes do governo Thatcher pelos conselhos locais do Reino Unido, que visavam proteger o apartheid da África do Sul.

Mas os defensores dos direitos humanos hoje devem se sentir motivados pelo conhecimento de que a pressão popular acabou forçando o governo do Reino Unido a romper com o governo do apartheid da África do Sul, ajudando a acelerar sua queda.

 

Injustiça oposição

Da mesma maneira que você respondeu ao nosso apelo por um movimento antiapartheid global e boicotes, apelo a pessoas, organizações e movimentos sociais no Reino Unido e em toda a Europa que se oponham ao racismo e apóiam a liberdade de se unirem para ajudar a acabar com o apartheid de Israel, como o apartheid na África do Sul foi abolido.

Não agir é o mesmo que cumplicidade na manutenção do regime de opressão de Israel sobre o povo palestino.

Da África do Sul, à Palestina, à Europa e a todos os lugares onde as pessoas estão combatendo o racismo, devemos seguir o exemplo do nosso ícone global, Nelson Rolihlahla Mandela, e nos unirmos em oposição à injustiça. Porque nenhum de nós será verdadeiramente livre, até que todos sejam livres.

 

Por Nkosi Zwelivelile

 

Nkosi Zwelivelile “Mandla” é chefe do Conselho Tradicional Mvezo, neto do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela e membro do Parlamento (MP) na Assembléia Nacional da África do Sul. Seu artigo apareceu no Middle East Eye.

 

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.