Quinta Feira, 22 Outubro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Na guerra de 2014, o massacre das crianças da família Bakr

As fotos foram tiradas em 16 de julho; na guerra de 2014, para os mártires da família Bakr que foram assassinados por uma bala disparada de um navio de guerra israelense, como algumas fotos mostra seus pequenos corpos que foram atingidos e queimados pelo incendiário israelense.

Passados ​​6 anos desde o massacre cometido pela ocupação israelense criminosa contra os filhos da família Bakr, do bairro de Al-Shati, na Faixa de Gaza, o coração partido, a dor e a amargura permanecem no coração dessa família.

Mohamed Bakr, o pai do mártir Ismail, disse: "4 anjos foram assassinados sem culpa, meu filho estava ao meu lado, e em seguida eles  foi praticar o seu hobby, que é jogar futebol na praia, e quando a bola caiu longe, meu filho foi trazê-la para continuar jogando com seus amigos, não sabia que não iria praticar mais o seu hobby depois de hoje. Ele tornou-se  um corpo em partes, sua cabeça separada de seu corpo, eu desejava enterrar meu filho inteiro.”

Documentos israelenses disseram que era possível impedir a morte de quatro crianças palestinas entre 10 e 14 anos devido a um ataque aéreo israelense na Faixa de Gaza durante a guerra de 2014.

As crianças são : Zakaria Ahed Bakr (10 anos), Ahed Atef Bakr (10 anos), Ismail Muhammad Bakr (9 anos) e Muhammad Ramiz Bakr (11 anos) .

 

Dois centros de direitos humanos se opõem ao fechamento do Processo criminal da família Bakr.

Os centros de Adalah e Al-Mizan apresentaram uma petição formal contra a decisão do chamado "Deputado Militar Sênior" na entidade de ocupação israelense  de fechar o processo da investigação sobre o assassinato das quatro crianças palestinas na praia de Gaza, durante o ataque invasor israelense na Faixa de Gaza em 2014.

O relatório dos dois centros confirmou que a ocupação cometeu crimes de guerra e violou as leis da guerra no assassinato das quatro crianças da família Bakr.

Os dois centros pediram ao consultor jurídico do governo que cancelasse a decisão do deputado militar, Danny Afroni, e também pediram a reabertura da investigação criminal independente para julgar os líderes da ocupação israelense  por essas ações ilegais.

A família de quatro crianças que foram assassinadas na praia de Gaza durante os ataques de 2014 na Faixa de Gaza denunciou a decisão do exército israelense de querer encerrar as investigações, para não  ser condenado por crime de guerra.

Em um comunicado, a ocupação israelense  anunciou que o processo havia sido preservado após uma investigação criminal completa, acrescentando que outros casos relacionados à morte de palestinos durante os combates também foram encerrados.

Zakaria Bakr, tio das crianças assassinadas em Gaza, denunciou a decisão israelense, dizendo: "Não é estranho que a ocupação israelense que bombardeia as casas sobre seus moradores e dar a inocência aos soldados criminosos e assassinos que implementam a política de matar crianças, é uma decisão injusta".

Ele acrescentou: "Israel se comporta como um estado acima da lei, e seu judiciário é injusto. Eles processam vítimas de crianças que são mortas enquanto brincam na praia e exoneram os mortos por criminosos, por isso pedimos à comunidade internacional e aos envolvidos com a justiça que tomem uma decisão séria para impedir a farsa dos tribunais israelenses".

Ele continuou: "A família decidiu ir a organizações de direitos humanos para exigir que eles fossem ao Tribunal Penal Internacional para que se tenha uma investigação, tendo um processo, a ocupação israelense precisa ser julgado pelos seus crimes de guerras cometidos na Palestina".

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.