Segunda Feira, 19 Abril 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Povo Palestino

No 33º aniversário, a "Intifada de pedras" reviveu a causa palestina e sua arma estratégica, "a pedra".

O famoso incidente com o trailer no final de 1987 não foi o único motivo para a eclosão da "Intifada de pedras", que surgiu na sequência das demandas do povo palestino por liberdade e libertação da ocupação, mas está registrado como um marco depois de tudo o que aconteceu.

Hoje terça-feira, dia 8 de dezembro os palestinos comemoram o 33º aniversário da eclosão do primeiro levante palestino, a "intifada de pedras", que estourou no final de 1987 e durou sete anos antes da chegada da Autoridade Palestina à Faixa de Gaza e à Cisjordânia em 1994.

 

A "intifada de pedra" é o maior presente de massa feito pelo povo palestino depois que as gangues sionistas ocuparam a Palestina em 1948, que restaurou a consideração da causa palestina após ser esquecida ao longo dos anos, e de sua arma estratégica, a "pedra".

 

No levante, quase 1.300 cidadãos foram mortos e 90.000 feridos, enquanto mais de 200.000 prisões foram registradas durante os sete anos do levante.

 

A faísca da "intifada de pedra" estourou após o funeral palestino naquele dia, 4 trabalhadores da cidade de "Jabalia" no norte da Faixa de Gaza, que morreram devido a um acidente de trânsito "deliberado" que ocorreu entre seu carro e um trailer israelense durante seu retorno do trabalho nos territórios palestinos ocupados em 1948.

 

As manifestações se espalharam pela cidade de "Jabalia" e seu acampamento, durante as quais milhares de jovens palestinos atiraram pedras, vazios e coquetéis molotov contra os soldados israelenses.

 

E se espalhou por todas as ruas e becos do campo, onde os soldados da ocupação os confrontaram com balas reais, e como resultado, Hatem Al-Sisi (21 anos) foi martirizado. Foi o primeiro mártir desta revolta.

 

A ocupação na época acreditava que esses confrontos eram uma resposta fugaz ao crime do acidente de trailer e que as coisas iriam se acalmar no dia seguinte, mas explodiram novamente e escalaram até se espalhar para o resto dos campos de Gaza e bairros da Cidade de Gaza e, em seguida, para a Cisjordânia.

 

A palavra "intifada" entrou no dicionário árabe e em dicionários de outras línguas em termos de tradução, de modo que os acontecimentos causaram grande sensação na mídia, especialmente na mídia ocidental, apesar da tentativa da ocupação de obscurecê-la.

 

Com a aceleração dos acontecimentos, o levante adquiriu caráter popular, unidade de posição, solidariedade social, solidariedade familiar, abrangência de enfrentamento e ampliação da arena de confronto direto com a ocupação em todas as cidades e vilas da Palestina.

 

Nele participavam todos os segmentos da sociedade e faixas etárias, bem como sua arma era acessível a todos (pedra e estilingue), e às vezes uma faca e coquetéis molotov, antes de mais tarde se transformar em uma arma.

 

Com a continuação das manifestações diárias e confrontos com as forças de ocupação sem parar, a juventude da intifada começou a ganhar mais confiança para sua continuação e a torná-la um modo de vida convocando confrontos e greves que estavam se espalhando por toda a Cisjordânia e Faixa de Gaza, para formar comitês populares para liderá-la.

 

Por outro lado, as autoridades de ocupação sentiram desespero e frustração em apagar a chama do levante, especialmente à luz da mídia ocidental relatando essas manifestações.

 

A ocupação israelense recrutou mais de 80.000 soldados para deter o ímpeto do levante e suprimir os palestinos indefesos, e usou muitos meios para suprimi-la, mas falhou em refrear os palestinos que não toleram mais uma ocupação que consome suas terras e joga seus filhos nas prisões, demolir suas casas e destruir seu sonho de independência, liberdade e retorno.

 

Vários governos, de esquerda e direita, bem como os dois lados juntos no "governo de unidade" liderado por Yitzhak Shamir, e Yitzhak Rabin, que era ministro do exército na época, decidiram usar a política de "quebrar ossos" contra os palestinos.

 

As forças de ocupação usaram vários meios para suprimir e reprimir o levante, sem sucesso, e cometeram uma série de massacres contra os palestinos, o mais proeminente dos quais foi: o massacre do Monte do Templo; 8 de outubro de 1990 e resultou na morte de 21 palestinos.

 

Bem como o massacre da Mesquita Al-Ibrahimi em Hebron; em 20 de fevereiro de 1994, 34 mártires foram mortos durante a oração da madrugada.

 

As forças de ocupação também realizaram vários massacres em “Nahalin”, campo “Nuseirat”, bairro “Sheikh Radwan”, “Al Sabra” e “Al Daraj” na cidade de Gaza e Khan Yunis.

 

Imediatamente após a eclosão da intifada, as forças de ocupação começaram a realizar uma campanha massiva de prisões que afetou milhares de palestinos, e abriu muitas prisões e centros de detenção para acomodar os novos detidos.

 

Entre essas prisões estão: “Ansar 1”, a oeste da Cidade de Gaza, e “o deserto Negev” (Ansar 2), bem como as prisões “Ofer” e "Megido" na Cisjordânia ocupada.

 

A maioria dos detidos foi transferida para detenção administrativa (sem julgamento), pois o número de detidos durante o levante foi estimado em cerca de 200.000, 42 dos quais morreram como mártires devido a tortura, negligência médica e tiroteio direto.

 

Essas prisões não afetaram o curso da intifada, sua continuidade ou extensão da participação nela, e não desencorajaram os palestinos de continuar sua resistência legítima à ocupação para recuperar seus direitos e ganhar sua liberdade.

 

A ocupação também utilizou a política de "quebrar ossos", que incitou a comunidade internacional contra ela, após publicar fotos de seus soldados atacando ferozmente jovens palestinos e quebrando deliberadamente mãos e pés, especialmente em Nablus.

 

Os partidos palestinos tentaram desenvolver a intifada para enfrentar a violência israelense, por meio do uso de armas brancas, balas e explosivos.

 

A primeira grande operação foi a morte de três soldados israelenses por esfaqueamento nas mãos da família al-Kurdi no bairro de Sabra na Cidade de Gaza, dos quais três irmãos foram mortos.

 

Durante este levante, as armas militares dos partidos palestinos com seus novos nomes apareceram e realizaram uma série de operações de comando por meio de tiros e emboscadas, bem como operações de bombardeio, que resultaram na morte de dezenas de soldados da ocupação.

 

Quando as autoridades de ocupação perceberam que o uso da força não funcionaria para deter a intifada, eles recorreram a uma "solução pacífica" e abriram uma linha de negociações diretas com a OLP, o que causou uma divisão na sociedade palestina.

 

As negociações resultaram na assinatura do acordo "Oslo" entre a OLP e o governo israelense em 13 de setembro de 1993. Que estipula o estabelecimento da Autoridade Palestina, que se formou após 6 meses, a extensão de sua influência na Faixa de Gaza e na cidade de Jericó, a introdução das Forças de Segurança Nacional Palestina, a formação dos serviços de segurança, a saída das forças de ocupação de dentro das cidades e seu desdobramento nas fronteiras, e sua permanência nos assentamentos, apagando assim o enorme dom público de virar a página "A intifada das pedras."

 

Fonte: Quds Press

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.