Terça Feira, 04 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Nunca devemos esquecer o massacre de Israel em Jenin

Os bloqueios são de várias formas e tamanhos, e aquele que milhões de pessoas em todo o mundo está enfrentando hoje; existe para nossa própria proteção contra o coronavírus Covid-19. No entanto, existem outras formas de isolamento que também são impostas às comunidades pela força bruta, que servem para proteger os poderosos, enquanto ocultam evidências de suas atividades assassinas.

Estou traçando esse paralelo hoje, porque a cada ano, revivo uma memória tão terrível que pode estar entre as últimas coisas de que me lembro.

Em meados de abril de 2002, as "Forças de Defesa de Israel" (IDF) lutaram para esconder um dos maiores crimes de guerra deste século na Cisjordânia ocupada: "Soldados israelenses mataram pelo menos 52 palestinos no campo de refugiados de Jenin. Tendo completado sua matança de 01 à 11 de abril no auge da Segunda Intifada (Al-Aqsa), as tropas das FDI teriam partido".

Exceto por uma coisa: Como poderiam encobrir o assassinato de 52 pessoas, e esconder as evidências de um massacre ?

Os responsáveis ​​pela chamada "Operação Escudo Defensivo", decidiram impor um cerco tão forte, que ninguém apesar dos protestos globais conseguiu passar pelo anel de aço de Israel, foi um bloqueio total. Durou semanas, enquanto o governo israelense fazia o possível para manter jornalistas e observadores de direitos humanos longe da cidade Palestina na Cisjordânia ocupada.

A atmosfera era tensa, e a ONU anunciou que planejava iniciar uma investigação sobre alegações convincentes de crimes de guerra israelenses, que teriam sido cometidos no campo de refugiados. Os israelenses fizeram o que fazem bem e mobilizaram políticos maleáveis ​​e conselheiros do governo para enganar uma mídia e um público ingênuo.

O então secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, agiu rapidamente. Falando - ironicamente - do King David Hotel em Jerusalém, onde terroristas sionistas plantaram uma bomba e mataram 91 pessoas em 1946, ele disse que não via "nenhuma evidência" de um massacre. Em 23 de abril, Powell estava de volta a Washington informando os senadores: "No momento, não vejo evidências de valas comuns, e não sugerimos que existiu um massacre". Ele não estava mentindo, é claro, porque nunca foi a Jenin, então não poderia "ter visto" as evidências, mesmo que quisesse. Eu era um dos primeiros jornalistas em cena e estava no campo de refugiados em Jenin no dia em que o ex-general apresentou seu briefing.

Powell, o homem que mentiu na ONU sobre armas de destruição em massa no Iraque durante a invasão de 2003, criticou a “especulação grosseira que havia por aí sobre o que aconteceu, com termos sendo lançados como massacre e valas comuns, nenhuma das quais até agora parece ser o caso. ” Não sei quantas pessoas têm que morrer, antes que possa ser chamado de massacre, mas 52 deveria ser mais do que suficiente, se assassinatos em massa anteriores, assim descritos, fossem algo que poderia acontecer.

O primeiro ministro de Israel na época era Ariel Sharon, que, como ministro da Defesa, tinha "responsabilidade pessoal" pela cumplicidade das IDF no massacre de Sabra e Shatila dos refugiados palestinos no Líbano em 1982. Ele disse ao mundo que "apenas" terroristas morreu em Jenin, mas vi os corpos dos mortos serem retirados dos escombros, incluindo crianças, mulheres e um homem em cadeira de rodas; eles não eram uma idéia razoável de "terroristas". Na tentativa de encobrir o massacre, os israelenses enterraram quê muitos dos corpos sob os prédios demolidos por um trator; alguns ainda estavam vivos quando o trator entrou.

Em 19 de abril de 2002, a Human Rights Watch ganhou acesso a Jenin e passou uma semana reunindo evidências para um relatório de 48 páginas que não deixava dúvidas de que crimes de guerra haviam sido cometidos dentro do campo de refugiados. Cerca de 100 relatos de testemunhas oculares foram feitas por uma equipe experiente de investigadores. Sem surpresa, o exército israelense se recusou a cooperar.

Infelizmente, a HRW foi rápida em descartar as alegações de um massacre das forças israelenses de tal maneira que impediu a investigação planejada pela ONU sobre eventos no campo de refugiados de Jenin. De qualquer forma, o governo de Sharon bloqueou a ação da ONU.

A HRW afirma que não houve evidência de um massacre, e foi apreendido pela máquina de propaganda de Israel. No entanto, os israelenses optaram por ignorar a conclusão do relatório de que, com base nas evidências e nas pesquisas realizadas, "durante sua incursão no campo de refugiados de Jenin, as forças israelenses cometeram graves violações do direito internacional humanitário, algumas delas equivalentes a crimes de guerra".

 

Esses crimes incluíam:

* Muhammad Hawashin, de catorze anos, foi baleado duas vezes no rosto e morto em 3 de abril, enquanto caminhava com um grupo de mulheres, e crianças em direção ao hospital local.

* Kamal Zghair, de 57 anos, com cadeira de rodas, foi baleado e atropelado por tanques da IDF no dia 10 de abril, enquanto se dirigia pela estrada até sua casa, carregando uma bandeira branca.

* Afaf Disuqi, uma civil desarmada, respondeu a uma batida na porta em 5 de abril e foi morta por uma bomba lançada por soldados das FDI. Testemunhas oculares relataram que os soldados estavam rindo quando Disuqi foi terrivelmente mutilada pela explosão.

* Evidência de execuções sumárias, incluindo a de Jamal Al-Sabbagh, que foi baleado e morto em 6 de abril, enquanto obedecia às ordens de remover suas roupas.

* O combatente da resistência Munthir al-Haj, 22 anos, foi brutalmente morto em 3 de abril, quando estava gravemente ferido. Por quase duas horas, Al-Haj tentou se arrastar para um hospital próximo, antes que um soldado israelense abrisse fogo de um tanque, matando-o instantaneamente.

Minhas poucas horas em Jenin marcam um dos dias mais sombrios da minha carreira como jornalista. Toda vez que me lembro, o cheiro inconfundível de carne podre de cadáveres do povo palestino, escondidos sob montes de entulho feito pelos israelenses enche minhas narinas. Além disso, nunca esquecerei que meu relato pessoal do pós-massacre de Jenin foi cravado pelo Sunday Express e substituído por um chocante tecido de mentiras escritas pelo falecido colega do Trabalho e ex-MP Greville Janner, um dos principais sionistas da Grã-Bretanha de seus dias.

Janner, como Powell, nunca visitou Jenin. Eu contei e recontei a história de Jenin com lágrimas nos olhos, como são agora, como um tributo à resistência heróica do povo palestino que vive sob ocupação israelense. Se ainda me lembro do massacre de Jenin com tanta vivacidade. Só Deus sabe o que os palestinos que passaram, e ainda estão passando e sentindo hoje.

Enquanto eu andava pela cidade em abril de 2002, nenhuma casa deixada estava sem cicatrizes de batalha após o ataque dos caças F16 e helicópteros de ataque Apache nas áreas residenciais de Jenin. Ainda ouço os gritos de um homem chamado Marwan que me contou como sua esposa sangrou até a morte em seus braços, depois que estilhaços atravessaram sua veia jugular enquanto ela estava em sua cozinha. Ela poderia ter sido salva, mas os soldados israelenses riram e o provocaram, e se recusaram a deixar ele  levá-la ao hospital.

Se você está achando esse bloqueio de coronavírus um pouco difícil no momento, portanto, apenas agradeça a suas estrelas da sorte que você não está fazendo isso sob um cerco israelense brutal, com atiradores estrategicamente posicionados para matá-lo, caso se atreva a sair de casa. Não há mísseis de fogo do inferno sendo disparados contra você por um dos exércitos mais bem equipados do mundo; sem helicópteros de ataque e aviões de combate; e nenhum tanque roncando na sua rua, com escavadeiras achatando as casas à medida que avançam em sua direção. Seja grato.

O aniversário do massacre de Jenin acontece poucos dias após o aniversário do massacre de Deir Yassin, em 9 de abril de 1948. Mais de 200 homens, mulheres e crianças foram mortos naquele dia, pelas milícias sionistas que formaram o núcleo do nascente Israel Forças de Defesa. Terrorismo, morte e destruição têm sido um dos módulos operante de Israel desde seus primeiros dias, e continua sendo até hoje. À medida que o número de crimes de guerra e crimes contra a humanidade continua a crescer, não podemos deixar o mundo esquecer o que aconteceu em Jenin e Deir Yassin. Para o futuro de todos na região, não podemos permitir que ninguém esqueça o passado, e retifique as vítimas da ocupação de Israel da história, principalmente aquelas que foram mortas em Jenin, de 01 à  11 de abril de 2002.


Por Yvonne Ridley

- A jornalista e autora britânica Yvonne Ridley fornece análises políticas sobre assuntos relacionados ao Oriente Médio, Ásia e à Guerra Global ao Terror. Seu trabalho já apareceu em inúmeras publicações em todo o mundo, de leste a oeste, de títulos tão diversos quanto o The Washington Post ao Tehran Times e o Tripoli Post, recebendo reconhecimento e prêmios nos EUA e no Reino Unido. Dez anos trabalhando para grandes títulos na Fleet Street, ela expandiu seu trabalho para a mídia eletrônica e de transmissão, produzindo vários documentários sobre assuntos palestinos e outros assuntos internacionais, de Guantánamo à Líbia e à Primavera Árabe. Seu artigo apareceu em MEMO ( Middle East Monitor).

 

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.