Segunda Feira, 28 Setembro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

O Escritório de Direitos Humanos publica um relatório sobre empresas que operam em assentamentos da Cisjordânia

O Alto Comissariado para os Direitos Humanos publica um documento que mostra os nomes de 112 empresas que operam em violação da lei nos territórios palestinos ocupados, e "Tel Aviv" descreve a lista como "negra".

Alto Comissariado para os Direitos Humanos: Os assentamentos são ilegais sob o direito internacional.

Após uma longa espera, o Alto Comissariado para os Direitos Humanos divulgou os nomes das empresas que operam nos territórios ocupados, em violação às leis internacionais.

O Escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas emitiu um relatório, quarta-feira, sobre empresas e entidades comerciais que realizam atividades específicas relacionadas a assentamentos "israelenses" nos territórios palestinos ocupados, a pedido do Conselho de Direitos Humanos em sua decisão de março de 2016 que designou o escritório para emitir um banco de dados de empresas comerciais que possuem atividades comerciais especificadas por esta decisão.

O site do ACNUR publicou um documento mostrando os nomes dessas 112 empresas, que o ACNUR acredita ter motivos razoáveis para concluir que essas entidades têm uma ou várias atividades relacionadas a assentamentos, conforme definido nas resoluções 36/31 do Conselho de Segurança.

O Escritório de Direitos Humanos citou 112 empresas que mantêm relações com assentamentos israelenses, 94 delas com sede em Israel e 18 em 6 outros países.

De acordo com o correspondente da Al-Mayadeen, a lista da ONU inclui empresas especializadas em construção, turismo, bancos, telecomunicações, petróleo e outros negócios relacionados à água e comércio, incluindo Booking, Airbnb inc, Tripadvisor inc, que são empresas ativas de turismo nos territórios ocupados.

Uma declaração emitida pela comissão disse que, levando em consideração que os assentamentos são considerados ilegais no âmbito do direito internacional, o relatório esclarece que "a referência da Comissão de Direitos Humanos a essas entidades comerciais não representa uma avaliação legal das atividades dessas entidades ou empresas" e que "Tomar outras medidas nesse sentido dependerá dos membros do Conselho de Direitos Humanos, que avaliarão este relatório na próxima sessão do Conselho, que abrirá seus negócios em 24 de fevereiro".

A atual Comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, declarou: "Estou ciente de que esta questão foi e continuará sendo controversa, mas após um cuidadoso processo de revisão, estou convencida de que o relatório reflete considerações sérias relacionadas a esse mandato complexo e sem precedentes.

Ela acrescentou: "Estou confiante de que o relatório responderá adequadamente à solicitação do Conselho de Direitos Humanos incluída na Resolução 31/36, por isso esperamos que este relatório com base em fatos seja entendido nesse contexto e que seu conteúdo não seja distorcido ou distorcido para servir a objetivos políticos ou ideológicos".

Vale ressaltar que relatórios anteriores da ONU falaram, de acordo com várias fontes, que o número dessas entidades chegou a 307, e o relatório do ACNUR disse hoje que, com base nessas informações, 206 empresas foram incluídas na avaliação.

 

"Tel Aviv" descreve a lista internacional como "preta"

A resposta israelense à lista da ONU não foi tarde. Em comunicado distribuído a jornalistas em Genebra, "Israel" descreveu essa lista como "preto e difamatório", pedindo a todas as empresas que "não se submetam a medidas de boicote".

A declaração dizia que o "Alto Comissário para os Direitos Humanos" sucumbiu ao que chamou de "pressão" e transformou seu escritório em uma ferramenta para aqueles que "seguem uma agenda discriminatória e politicamente motivada" e procuram "punir empresas que não se envolvem em nenhuma atividade ilegal".

A declaração acrescentou que esse banco de dados é "parcial, seletivo, não confiável e defeituoso" e não se baseia em "qualquer processo judicial ou quase judicial aceitável", observando que "as informações foram coletadas usando rotulagem seletiva e vergonhosa, contando com informações parciais e fontes politicamente tendenciosas".

 A declaração israelense indicou que "com a publicação desta lista, o Alto Comissário perde toda a credibilidade ou a capacidade de promover os direitos humanos em nossa região", considerando que a publicação da lista levará a "graves consequências para as relações entre Israel e a Comissão".

 

Fonte: Musa Asi - Al-Mayadeen - Genebra

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.