Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

'O Grande Roubo dos Livros da Palestina' em 1948, contado em um documentário israelense

O filme israelense sobre o roubo de bibliotecas palestinas, como parte das políticas israelenses de fazer desaparecer todos os aspectos da identidade nacional palestina

O grande roubo de livros da Palestina é o mais recente filme do diretor israelense Benny Brunner, que trará à luz o roubo de bibliotecas privadas árabes durante a "Nakba" ("catástrofe" em árabe, uma palavra com a qual os árabes descrevem o exílio e a expropriação palestinos após a fundação de Israel em 1948).

"Em uma operação conjunta do Exército e da Biblioteca Nacional - que então pertencia à Universidade Hebraica - cerca de 30.000 livros foram coletados em casas palestinas no oeste de Jerusalém e 40.000 em cidades árabes como Haifa ou Nazaré", disse ele à EFE Brunner em conversa telefônica de Amsterdã.

Segundo o diretor, que baseia seu filme em uma tese de doutorado do israelense Gish Amit, os bibliotecários descartaram cerca de 24.000 volumes e ficaram com outros 46.000.

Hoje, mais de 7.000 estão na Biblioteca Nacional classificados como "Propriedade Ausente (AP)", enquanto o restante "não sabe para onde foi, mas há evidências de que parte teria sido incluída na coleção geral" diz Brunner.

Entre as bibliotecas confiscadas, estariam algumas das famílias mais antigas de Jerusalém, como Sakakini, Nashasiwi ou Al Huseini, que incluíam joias da literatura islâmica e árabe.

O documentário sustenta que, embora os livros tenham sido inicialmente registrados de acordo com sua origem, na década de 50 foram removidos os cartões de identificação que permitiriam relacionar-se com seus proprietários, caso fossem reivindicados um dia.

"Foi ordenado que se cortassem laços, impossibilitasse a devolução dos livros, aproprie-os", diz Brunner, acrescentando que outros documentos também foram confiscados" como o grande arquivo de Yafa, que mantinha edições dos grandes jornais árabes impressos.

Muitos dos proprietários dos livros e seus herdeiros agora são refugiados palestinos que não podem entrar no país, enquanto outros estão nos territórios ocupados ou vivem em Israel e têm cidadania israelense.

É o caso de Anwar Ben Badis, residente em Jerusalém e originalmente de Tantura (norte de Israel), uma das aldeias palestinas destruídas na guerra.

Segundo ele, seu pai gravou duas imagens que ele nunca esquecerá: "Como os soldados judeus da divisão Alexandrón de Haganá tiraram os livros da casa da família e imediatamente depois dinamizaram a casa".

“No total, perdemos cerca de 1.600 livros, a maioria textos sagrados. Em 1991, um amigo antropólogo que estudou na Biblioteca Nacional encontrou três livros com um cartão com os nomes de meu avô e seu irmão. Alguém os tirou de lá e os entregou para nós. Ilegalmente. Assim como eles nos roubaram ”, diz ele.

Sua família reivindicou repetidamente o retorno desses e de outros livros à Biblioteca Nacional sem obter resposta, ele acrescenta.

Uma porta-voz da instituição disse que "a coleção de bens ausentes possui apenas 8.000 volumes, não faz parte das coleções de propriedade da Biblioteca Nacional e está sob a autoridade legal do custodiante de bens ausentes do Ministério das Finanças", a quem ele se referiu para qualquer dúvida, mas quem não respondeu aos pedidos de informações.

  

Fonte: www.cubadebate.cu Com informações da EFE e Clarín

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.