Sábado, 07 Dezembro 2019

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > História e Geografia

O monoteísmo judeu-cristão-muçulmano é uma herança árabe

Pego aqueles pedaços da narrativa triste de meu pai, um camponês palestino sobrevivente de AL-Nakba (1948). Há 32 anos, ele me disse: demos o cristianismo ao Ocidente e eles nos devolveram cruzadas, demos o judaísmo ao ocidente e nos devolveram o sionismo, demos o islamismo ao ocidente e de volta a Arábia Saudita.

Eu, sob influência freudiana, acredito que essa trilogia monoteísta de meu ancestral semita acabou sendo uma fratura na sexualidade humana. Esse é outro assunto.

Ninguém, milenar, mantém em sua cronologia histórica, a mesma religião, a mesma fronteira, o mesmo nome e nem mesmo preserva a mesma língua. Mas ainda é a história dos predecessores do povo daquela terra e, se não, é porque é um memoricida, culturicida, epistemicida, negialista, acompanhada de invasões imperiais, coloniais, da mídia e guerras que levaram a genocídios étnicos.

Pedaços soltos da poesia do galileu, Mahmud Darwish, sou filho do hebraico, sou filho da Bíblia ... escrevo que sou árabe, a terra, a mãe do começo, a mãe dos finais, era chamada Palestina e continue a ser chamada de Palestina.

A trilogia monoteísta judaico-cristã-muçulmana é uma contribuição religiosa da diversidade ancestral do que é hoje o gentio árabe agredido, da universalidade etno-árabe. Seria saudável, justo, necessário e até urgente apelar para a História, a historiografia, a memória histórica, o direito histórico e a visão de mundo histórica árabe, que contribuiriam, por um lado, para descolonizar o mundo árabe (especialmente os complexos sectários árabes) , racistas, classistas, eunucos do conhecimento histórico) e ilustram o mundo em geral para não continuar na armadilha do sectarismo, que é um método de destruição e dominação, e por outro lado, apenas inverta essa diversidade (que serviu de sectarismo) em um mosaico fértil e frutífero, partindo de seu próprio arquivo histórico plural e indo em seu socorro como protetor. A história é um tabu.

A incrível propaganda euro-sionista reduziu com sucesso a universalidade árabe apenas ao Islã, como se o nascimento do árabe viesse do Islã, ou seja, no século VII da era cristã, quando na realidade o árabe é muito mais antigo que todo o monoteísmo Judeu – Cristão - Muçulmano e mesmo uma língua semítica é uma das mais antigas da humanidade.

Sem abstração atraente para ilustrar a história, sem abstração para não censurá-la e, especialmente, para não falsificá-la, principalmente como resultado da imposição de um regime colonial europeu no Oriente Médio (Israel 1948) na Palestina Histórica, não é em vão que seja claro e não pareça que o judaísmo seja uma contribuição religiosa do povo árabe iraquiano (Mesopotâmia), o cristianismo seja um legado religioso do povo árabe sírio (ainda mantém seu nome antigo) e é claro que o Islã nasceu na Península Arábica (tirania saudita de hoje).

A trilogia monoteísta judaico-cristã-muçulmana não é apenas uma contribuição que vem da mesma área geográfica, El Levante (que não é todo árabe, mas nativa da área), mas também vem da mesma etnia, o semita (o ancestral). Árabe), e o mais importante a se notar é que essa trilogia, em sua essência, como doutrinas religiosas, todas as três descendem da mesma raiz e tronco.

O judaísmo é a religião mãe do cristianismo e a religião mãe do Islã. Um é a continuidade do outro, o outro é um complemento para essa continuidade. É uma simbiose doutrinária. As raízes cristãs-muçulmanas são judias. As raízes do Islã são judaico-cristãs. É por isso que eles também são conhecidos como religiões abraâmicas e / ou pessoas do livro. A religião judaica também tem raízes no politeísmo babilônico (Iraque) e no politeísmo cananeu (Síria, Líbano, Palestina, Jordânia). Assinalo que, quando falo de raízes, quero dizer raízes religiosas, não étnicas.

O politeísmo, em termos gerais, era a expressão e identidade religiosa da Europa e, é claro, seu orgulho, ordem e bem-estar. A religião cristã foi odiada na Europa, mais de três séculos de perseguições macabras aos europeus que se converteram nessa religião, uma religião que veio da etnia árabe. Da mesma forma, outro grupo de europeus aderiu à religião judaica, uma religião que também vem da ascendência árabe e esses europeus sofreram perseguições sangrentas de seus próprios irmãos europeus. O politeísta europeu perseguiu seu próprio irmão europeu por aderir à fé cristã, depois se converte ao cristianismo e a outra sequência é a perseguição do europeu cristão, contra seu próprio irmão europeu que abraçou a fé judaica.

Hoje, na Europa, a fé judaico-cristã, além do secularismo, é sua identidade religiosa, é sua referência precedente e monoteísta. A Europa não tem seu próprio monoteísmo, seu monoteísmo é árabe. A moral é ver como a Europa deixou de ser anticristã, antijudaica e apresenta o mundo árabe como inimigo do judaico-cristianismo, quando, na realidade, essas doutrinas são uma herança religiosa do mundo árabe. Infelizmente, muitos árabes caíram nessa armadilha colonial.

Ignore ou não perceba que a trilogia monoteísta é um legado do que é hoje o gentio árabe (e digo árabe para não usar eufemismos), uma vez que é invisível, oculto e até negado. Dizem que as três religiões são do Oriente Médio e é mostrado que vem de um espaço geográfico não mais cultural, civilizacional e étnico, onde o árabe é mutilado, apagado. Agora, isso não é gratuito e é precisamente devido à imposição da Europa do regime colonial de Israel no mundo árabe, exatamente na Palestina Histórica, onde o movimento euro-sionista leva o arquivo religioso avassalador e através de suas fascinantes narrativas, disseram. História na qual ele vê o judeu europeu como um descendente das terras semíticas pelo fato de ter se convertido à religião, judeu. Aqui os valores do secularismo brilham por sua ausência.

Agora, arrebatar os semitas, ou seja, os árabes, o legado judaico-cristão, deve-se às peculiaridades do colonialismo, euro-sionista, Israel 1948, que acima de tudo é um anacronismo colonial, e sua diferença com o colonialismo clássico é que não vem de um povo, mas de um movimento (sionismo) que busca se tornar um povo. E é por isso que ele não apenas toma a terra, mas também toma a história do povo original. No colonialismo clássico, o colonizador toma a terra, seus recursos e a história do povo original a destrói. E é pertinente lembrar ao secularismo que os judeus não são um povo, assim como muçulmanos, cristãos, ateus e gays também não são povos.

Os cristãos europeus não solicitam direitos históricos na Palestina ou direito de retorno à Palestina. Os chineses muçulmanos não solicitam direitos históricos na Península Arábica (berço do Islã).

Imagine a comunidade lésbica solicitando direitos históricos na ilha grega de Lesbo, porque é daí que vem a palavra lésbica. Minha intenção não é o sarcasmo, mas representar o quão atroz é a ideia de acreditar que o fato de pertencer à religião judaica lhe concede um direito étnico na Palestina. Quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, um ariano, afirma ser o "rei de Israel" ou quando afirma que "os Estados Unidos e a Itália estão ligados por uma herança cultural e política há milhares de anos, desde a Roma Antiga", ficamos chocados com essa ignorância grotesca e absurdo doloroso de uma supremacia. Mas o pior é quando o absurdo é visto como realidade e condição, é o caso do eurocentrismo sionista que conseguiu fazer de conta e se sentir hoje no século XXI, sob pena de pena de valores seculares e seculares, que um professor da religião judaica descende do povo semita quando, na realidade, mais de 80% da população judaica é Azkenazi, ou seja, o judeu europeu, de raiz indo-européia.

Um lembrete vulgar para o secular ocidental ilustra que o que se expandiu no mundo não eram cristãos, muçulmanos e judeus, o que se expandiu no mundo foram as respectivas doutrinas religiosas que vêm do mundo árabe. Outro exemplo, marcando as distâncias, os marxistas não se expandiram no mundo, foi a doutrina marxista que se expandiu.

Diante do despótico objetivo imperial e colonial de tornar invisível a universalidade árabe, no caso específico da trilogia monoteísta como herança religiosa do mundo árabe, é necessário que do mosaico e da multidão árabe seja restaurado um avivamento que leve ao resgate de sua passagem e arquivo histórico, por exemplo, entre outros, através de uma visão de mundo e cosmogonia.

O árabe é aquela múmia rica e fóssil que não pode ser reduzida à trilogia monoteísta judaico-cristã-muçulmana. Este não é um chauvinismo árabe-pan, mas um grito de sobrevivência árabe contra a barbárie imperial e o anacronismo colonial euro-sionista que não se limita apenas à Palestina Histórica, mas é um colonialismo expansionista. O gentilício árabe está desaparecendo.

 

Fonte: Susana Khalil, Al Mayadeen

Susana Khalil Politóloga e pesquisadora. Fundador da Associação Canaán. Maestro e produtora do programa de rádio "Palestina 11 mil anos de história".

 

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2019 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.