Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

O promotor do Tribunal Penal Internacional TPI investigará crimes de guerra na Palestina

O promotor do Tribunal Penal Internacional (TPI), Fatou Bensouda, anunciou a abertura de uma investigação formal sobre os supostos crimes de guerra na Palestina. O que já é exigido pelas autoridades palestinas faz anos.

O promotor do Tribunal Penal Internacional (TPI), Fatou Bensouda, pediu para abrir uma investigação por supostos crimes de guerra nos territórios palestinos.

Bensouda informou que o exame preliminar iniciado em 2018 a pedido do governo palestino, como Estado parte no Estatuto de Roma - o tratado fundador do ICP - terminou, considerando que "todos os critérios" são dados para abrir uma investigação formal.

O jurista da Gâmbia assinalou que "existe uma base razoável" para pensar que crimes de guerra foram cometidos na Cisjordânia ocupada, incluindo Jerusalém Oriental, e na Faixa de Gaza bloqueada, desde 3 de junho de 2014, e para iniciar uma pesquisa

“Os casos potenciais que surgirem seriam admissíveis. Não há razões substanciais para pensar que uma investigação (formal) não serviria ao interesse da Justiça ”, afirmou.

Bensouda solicitou à Câmara de Preconceito que determinasse o escopo da jurisdição territorial do ICP neste caso, para que o tribunal possa fazer seu trabalho.

 

"Um passo adiante"

A Organização de Libertação da Palestina (OLP) aplaudiu o anúncio de Bensouda. "É um passo adiante", disse Hanan Ashrawi, membro do Comitê Executivo da OLP, citado pela agência de notícias palestina WAFA.

Ele enfatizou que, “desde a incorporação da Palestina no Estatuto de Roma, o povo palestino depositou sua fé no ICP como um órgão independente que pode garantir-lhes alguma justiça e reparar os múltiplos crimes de guerra cometidos contra eles por seu ocupante, Israel e afirmou que não há dúvida de que o TPI tem jurisdição na Palestina ".

“Há cinco anos, a Palestina alertou ao mundo que a era de excepcionalismo e impunidade de Israel havia terminado. Israel deve pagar por seus crimes ", comemorou, alertando que "o povo palestino não aceitará a exclusão dos direitos humanos: estamos determinados a obter justiça ".

 

«Infundado e atroz»

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, reagiu rapidamente em um vídeo para rejeitar o que ele considera uma "decisão infundada e atroz". "Hoje é um dia péssimo para a verdade e a justiça", lamentou. Acusou Bensouda de "ignorar completamente" os argumentos legais de Israel e garantiu que o TPI não tenha jurisdição neste caso.

"Ele também ignorou completamente a história e a verdade, dizendo que todo ato de judeus que vivem em sua terra natal ancestral, a terra da Bíblia, é um crime de guerra", disse Netanyahu e denunciou que Bensouda “transformou o TPI em uma ferramenta política para deslegitimar o Estado de Israel. Não ficaremos calados diante dessa invertida da justiça”.

As autoridades palestinas pediram que o ICP investigasse a reação de Israel aos protestos conhecidos como Marcha do Retorno, que começaram em março de 2018 e deixaram um saldo de mais de 273 palestinos mortos e mais de 16.000 feridos.

 

Fonte: NAIZ

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.