Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

O Tribunal Penal Internacional rejeita a acusação israelense de favorecer a Palestina

O Tribunal Penal Internacional (TPI) rejeita as acusações do regime israelense de que está posicionado a favor da Palestina.

"O Tribunal Penal Internacional (TPI) age de acordo com o princípio da responsabilidade pessoal em face dos crimes", disse o promotor do Tribunal Penal Internacional de Haia, Fatou Bensouda, ao jornal hebraico Maariv.
 
Bensouda disse em 20 de dezembro que tinha visto bases, de acordo com o estudo preliminar do Tribunal Penal Internacional iniciado em 2015, para abrir uma investigação completa sobre os "crimes de guerra" perpetrados por Israel na Cisjordânia ocupada, cidade de Al-Quds (Jerusalém) e na Faixa de Gaza e pediu aos juízes que iniciassem as investigações.
 
Embora o anúncio tenha sido bem recebido pelos palestinos, causou grande indignação entre as autoridades israelenses. O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu alegou que o Tribunal Penal Internacional não tem jurisdição para investigar sobre os territórios ocupados após a guerra de 1967.
 
Além disso, Bensouda rejeitou as acusações das autoridades do regime de Tel Aviv de que o Tribunal Penal Internacional era "anti-Israel" e repetiu que o Tribunal Penal Internacional trabalha de acordo com as leis internacionais. “Isso é mentira e o Tribunal Penal Internacional trabalha de forma independente. Qualquer tentativa de falarO Tribunal Penal Internacional rejeita a acusação israelense de favorecer a Palestina
 
O Tribunal Penal Internacional (TPI) rejeita as acusações do regime israelense de que está posicionado a favor da Palestina.
 
"O Tribunal Penal Internacional (TPI) age de acordo com o princípio da responsabilidade pessoal em face dos crimes", disse o promotor do Tribunal Penal Internacional de Haia, Fatou Bensouda, ao jornal hebraico Maariv.
 
Bensouda disse em 20 de dezembro que tinha visto bases, de acordo com o estudo preliminar do Tribunal Penal Internacional iniciado em 2015, para abrir uma investigação completa sobre os "crimes de guerra" perpetrados por Israel na Cisjordânia ocupada, cidade de Al-Quds (Jerusalém) e na Faixa de Gaza e pediu aos juízes que iniciassem as investigações.
 
Embora o anúncio tenha sido bem recebido pelos palestinos, causou grande indignação entre as autoridades israelenses. O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu alegou que o Tribunal Penal Internacional não tem jurisdição para investigar nos territórios ocupados após a guerra de 1967.
 
Além disso, Bensouda rejeitou as acusações das autoridades do regime de Tel Aviv de que o Tribunal Penal Internacional era "anti-Israel" e repetiu que o Tribunal Penal Internacional trabalha de acordo com as leis internacionais. “Isso é mentira e o Tribunal Penal Internacional trabalha de forma independente. Qualquer tentativa de falar o contrário é enganosa ”, acrescentou.
 
Bensouda também prometeu que o Tribunal Penal Internacional conduzirá uma investigação independente e imparcial.
 
As investigações do Tribunal Penal Internacional incluirão diferentes medidas de Israel, como a construção de assentamentos ilegais na Cisjordânia ocupada, a violência exercida durante a agressão militar contra a Faixa de Gaza em 2014 e a repressão maciça dos palestinos nos protestos da Grande Marcha do Retorno realizada todas as semanas desde março de 2018 em Gaza.
 
O exame preliminar do Tribunal Penal Internacional sobre crimes israelenses começou em 2015, depois que a Palestina assinou o Estatuto de Roma e aceitou formalmente a jurisdição do tribunal sobre seu território.
 
 
Fonte: Hispan TV
Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.