Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

O assassinato de um jovem autista palestino desarmado “Iyad Al-Halak” em Jerusalém provoca indignação

Os palestinos ficaram chocados depois que a polícia israelense matou um palestino autista desarmado dentro da histórica cidade de Jerusalém Oriental, onde as autoridades israelenses têm um histórico de uso de perfil racial e força excessiva contra os palestinos, especificamente homens jovens.

Iyad Al-Halak, 32 anos, estava a caminho de uma escola para crianças e adultos com deficiência, onde estudava quando a polícia israelense ordenou que ele parasse porque ele parecia estar procurando por um "objeto suspeito que pudesse ser uma pistola".

 

Iyad Al-Halak (Foto: mídias sociais)

Al-Halak, que segundo as declarações de sua família é "a idade mental de um garoto de seis anos", teria ficado assustado com a polícia e começou a fugir deles.

Os policiais começaram a perseguir Al-Halak antes de atirar várias vezes, assassinando-o.

A polícia israelense divulgou um comunicado dizendo que, depois de "neutralizar" o "suspeito", eles revistaram o corpo e não encontraram nenhuma arma em seu poder.

O jornal Haaretz informou que, enquanto um policial disparava tiros de aviso no ar, o segundo policial mais jovem atirou em Al-Halak, que estava tentando se esconder atrás de um contêiner de lixo.

O oficial subalterno teria “suspeitado” de Al-Halak de ser um terrorista porque estava usando luvas, o que é muito comum no lugar, dada a pandemia de coronavírus.

Além do fato de que Al-Halak estava desarmado e autista, o raciocínio arbitrário e conflituoso dado pelos oficiais sobre o motivo pelo qual ele foi perseguido e baleado provocou indignação generalizada entre os palestinos em Israel e nos territórios ocupados.

"Israel desencadeou uma onda de assassinatos", disse a porta-voz da Autoridade Palestina Hanan Ashrawi em comunicado, referindo-se ao caso de Al-Halak e ao assassinato de Fadi Aqed, 37 anos, 24 horas antes do assassinato do Al-Halak.

Aqed foi morto a tiros por soldados israelenses em um ponto de ônibus nos arredores de Ramallah, depois que soldados alegaram que ele tentou forçá-los com seu carro. Nenhum soldado ficou ferido no incidente, enquanto a família de Aqed disse que ele estava indo buscar sua esposa quando o carro dela saiu da estrada.

"O mais recente assassinato no estilo de execução eleva para pelo menos 21 o número de palestinos mortos desde janeiro pelas forças de ocupação israelenses em atos de violência sem sentido", disse Ashrawi. Ela acrescentou que "os assassinatos, a apropriação de terras, a demolição de casas e outros atos de violência estrutural estão em ascensão".

O líder da Lista Conjunta Árabe Ayman Odeh foi ao Twitter para condenar o assassinato de Al-Halak, dizendo "lembre-se de que “a polícia da ocupação” apertou o gatilho, e a ocupação que carrega as armas".

Odeh pediu que os oficiais responsáveis fossem presos, mas expressou medo de encobrir.

"A justiça só será feita quando a família Al-Halak, seus amigos e todo o povo palestino tiverem, de fato, liberdade e independência", disse ele.

 

A vida dos negros e palestinos importam

O assassinato de Al-Halak foi apelidado de "assassinato extrajudicial" e provocou um ressurgimento de dores na comunidade palestina, que diz que há muito tempo são atacados e mortos pela polícia e exército israelenses por serem palestinos.

Ao longo dos anos, surgiram inúmeras histórias de palestinos mortos por ações frívolas e arbitrárias que provavelmente não teriam resultado em respostas violentas se não fossem palestinos.

Os palestinos foram baleados durante acidentes de trânsito por soldados que alegaram estar se defendendo de um ataque terrorista. Outros foram baleados simplesmente por andar perto de um posto de controle, enquanto outros, como Al-Halak, são mortos simplesmente por "parecerem suspeitos".

O assassinato precoce de Al-Halak coincidiu com o assassinato policial de George Floyd em 25 de maio em Minneapolis, Minnesota, e muitos ativistas palestinos e aliados notaram semelhanças entre o assassinato israelense de palestinos e os assassinatos desenfreados de homens negros desarmados nos Estados Unidos pelas mãos da polícia.

Manifestações ocorreram em Jerusalém e Jaffa na noite de domingo, com manifestantes carregando fotos de Al-Halak junto com fotos de Floyd.

Mesmo antes do assassinato de Al-Halak, foram publicadas fotos mostrando uma semelhança de policiais ajoelhados no pescoço de George Floyd e soldados israelenses ajoelhados no pescoço de um jovem palestino que se tornou viral nas mídias sociais com a legenda: "Não posso respirar".

"A foto do negro norte-americano que foi morto pela polícia dos EUA. Com sangue frio e que viralizou em todo o mundo, está sendo praticado em Jerusalém todos os dias ", disse à agência de notícias palestina Wafa Ziyad Hammouri, diretora do Centro de Direitos Sociais e Econômicos de Jerusalém.

Hammouri comparou a falta de prestação de contas nos Estados Unidos ao sistema israelense, acrescentando que, se uma investigação é aberta ao assassinato de um palestino desarmado, geralmente é uma "investigação simulada que sempre termina sem resultados e soluções e sem que ninguém seja julgado".

A reação contra o assassinato de Al-Halak levou Benny Gantz, ministro da Defesa em exercício, a pedir desculpas no domingo durante uma reunião semanal do gabinete dizendo: "Lamentamos realmente o incidente em que Iyad Halak foi morto a tiros e compartilhamos a dor da família. Estou certo de que este tópico será investigado rapidamente e que as conclusões serão alcançadas ”.

Apesar dos pedidos generalizados de prisão e prisão dos policiais envolvidos no assassinato de Al-Halak, o Haaretz informou que um policial foi libertado "sob condições restritivas", enquanto o outro foi colocado em prisão domiciliar.

Israel foi criticado por grupos de direitos humanos por sua falta de responsabilidade quando se trata de soldados e policiais que ferem e matam palestinos.

B'tselem disse: "Os responsáveis por prejudicar os palestinos ficam impunes e as vítimas não recebem compensação pelos danos que sofrem. As poucas exceções isoladas servem apenas para ampliar a ilusão de que os sistemas de aplicação da lei estão funcionando adequadamente. ”

 

Fonte: Yumna Patel, Mondoweiss / Rebellion.

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.