Domingo, 27 Setembro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

O Centro de prisioneiros: O calor transformou as prisões da ocupação em fornalhas.

Centro Palestino de Estudos para prisioneiros alertou hoje, sexta-feira, para o impacto da onda de calor que está atingindo os territórios palestinos na vida de prisioneiros em áreas desérticas.

O centro confirmou em um comunicado, que os presos das prisões de ocupação estão hoje expostos a condições muito difíceis e adversas, uma fase forte onde, ondas de calor que atinge a região, “onde os presídios se transformaram em fornalhas gigantes ”.

O centro indicou que os prisioneiros que mais sofrem com a onda de calor são aqueles que definham nas prisões do sul, que são (Negev, Raymond, Nafha e Ishel), que estão localizadas no deserto de Negev, e contêm quase metade do número de prisioneiros palestinos detidos pelas prisões de ocupação.

O centro disse: "Essas prisões estão localizadas em uma região desértica, onde as temperaturas sobem a grandes níveis, que se transformaram em um pedaço do Inferno à luz do calor e da alta umidade."

O centro destacou que a onda de calor fez com que vários reclusos ficassem com falta de ar, devido à grave falta de ventilação.

O centro alertou para as repercussões negativas sobre os prisioneiros em tais condições climáticas excepcionais, pois teme-se que alguns deles sofram de insolação ou desmaios como resultado da temperatura e do ar quente, e "não há nada para aliviar os prisioneiros políticos  deste calor, exceto pela água em que molham as roupas continuamente". Eles borrifam no chão dos quartos, corredores e até mesmo nas camas. "

O comunicado indicou que os presos nos centros de detenção e investigação "sufocam nesses dias, pois não há nada que os ajude a reduzir o calor, nem mesmo a água está disponível, porque os banheiros são fora dos quartos e não há ventiladores ou água fria para beber e os colchões são ásperos e eles não podem dormir neles". Os cobertores estão sujos e gastos. "

O centro explicou que as temperaturas atingiram hoje na Prisão do Deserto de Negev a mais de 44 graus Celsius, o que lhes causou um sofrimento agravante, e eles não puderam sair para as praças dos departamentos ou espaços, e essas condições difíceis são adicionadas às suas já duras condições como resultado das práticas opressivas da ocupação sionista israelense  e das penas impostas aos prisioneiros  palestinos.

No comunicado observa-se que este clima quente e seco em áreas desérticas faz com que ocorra a saída de répteis e insetos perigosos e venenosos, como serpentes mortais do deserto, roedores e escorpiões, que podem facilmente atingir seus departamentos e as celas prisionais, colocando esses prisioneiros em um risco extremo, especialmente porque a administração penitenciária impede os presos de adquirir meios de proteção Do perigo, como pesticidas e medicamentos para eliminá-los ou proteger seções para evitar sua entrada.

O Centro apelou às instituições internacionais para intervirem para proteger os reclusos das repercussões do tempo, que se somam às práticas da ocupação sionista israelense que é arbitrária contra os reclusos, que aumentam o sofrimento dos mesmo, especialmente nestas circunstâncias excepcionais com a propagação da epidemia do Coronavírus.

Os territórios palestinos têm testemunhado uma onda de calor sem precedentes por muitos anos, à medida que as temperaturas sobem 12 graus Celsius há mais do que o normal, além da alta umidade.

 

Fonte: Quds Press

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.