Domingo, 28 Fevereiro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

O Comitê de Apoio a Jornalistas pede o apoio necessário às instituições de mídia palestinas

À luz das violações da ocupação e da crise de coronavírus

Hoje sexta-feira, o Comitê de Apoio aos Jornalistas pediu às instituições árabes e internacionais que forneçam o apoio necessário às instituições da mídia palestina, à luz das violações a que estão sujeitas a partir da ocupação israelense e da sufocante crise financeira que os afetou como resultado da atual Pandemia que assola o mundo.

O comitê sediado em Genebra pediu, em uma declaração ligando "Safa" por ocasião do Dia Mundial da Rádio que cai em 13 de fevereiro de cada ano, a confiar às instituições palestinas da mídia para continuar sua missão profissional e humanitária na consciência social, e para apoiar aqueles infectados com o Coronavírus, apoiando-os com todas as capacidades necessárias, à luz da difícil situação econômica vivida pela maioria das organizações de mídia locais.

Também apelou à "UNESCO" e aos sindicatos de rádio internacionais e regionais para boicotar as estações de rádio israelenses que transmitem incitação e racismo contra nossas instituições de mídia, apelando ao Conselho de Segurança da ONU para implementar sua Resolução (2222) sobre o fornecimento de proteção para jornalistas.

O Comitê de Apoio aos Jornalistas indicou que todas as equipes de imprensa que trabalham nas rádios palestinas locais estão desempenhando seu papel profissional, apesar das difíceis condições que enfrentam devido às contínuas violações da ocupação e o resultado do bloqueio israelense e as repercussões da Palestina. As rádios locais sofrem com a demissão de algumas de suas equipes na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, sob o pretexto das crises sofridas pela mídia com o surto de Coronavírus.

Ela enfatizou que a ocupação segue com as violações dos direitos das rádios e de seus trabalhadores, representadas pelo lançamento de repetidas campanhas de incursões e incursões, saques de equipamentos, pirataria e bloqueio do ar, impondo ordens arbitrárias de fechamento, ameaçando, prender jornalistas que trabalham em estações de rádio e prolongar sua detenção e praticar incitamento racial contra a mídia palestina.

Ela destacou que a ocupação ainda detém em suas prisões o jornalista Ahmed Al-Arbeed, que trabalha para a Rádio Al-Hurriya, e o condenado nas prisões de ocupação por um período de 4 anos, e as forças de ocupação o prenderam no início de fevereiro 2018, depois de invadir sua casa e espancá-lo.

Mencionei também que a ocupação repetiu intencionalmente a prisão de diretores de rádio na tentativa de conter seus trabalhos. As autoridades de ocupação prenderam várias vezes seguidas o diretor da estação de rádio "Hawa Nablus", o jornalista Muhammad Anwar Muna (39 anos). Foi um recluso editor que passou mais de 7 anos e meio nas prisões de ocupação e por vários períodos foi libertado das prisões de ocupação em 29 de novembro de 2019, após uma detenção administrativa que durou 18 meses.

O comunicado indicava que o jornalista Muhammad Mona foi preso várias vezes pelas forças de segurança da Autoridade, a última das quais em fevereiro do ano passado, depois que sua casa foi invadida e suas ferramentas e equipamentos pessoais foram confiscados, e ele foi libertado posteriormente.

Do lado do fechamento e da proibição do trabalho da rádio, o Comitê de Apoio aos Jornalistas afirmou que a ocupação ainda impede o trabalho da Broadcasting Corporation "Voz da Palestina" e sua equipe nos 48 territórios ocupados e em Jerusalém.

De acordo com o relatório anual do comitê para o ano de 2020, as autoridades de ocupação impediram a Palestinian Broadcasting Corporation de trabalhar três vezes consecutivas por um período de seis meses, sujeito a renovação, e ameaçaram sua equipe de prisão se eles continuassem seu trabalho profissional nas áreas de Jerusalém e o interior ocupado.

O Comitê de Apoio aos Jornalistas considerou o fechamento, prevenção, ameaças e prisões cometidas pela ocupação contra rádios locais e suas equipes como um crime contra a mídia palestina e uma tentativa de silenciar e prevenir os crimes de ocupação de serem expostos.

A declaração revisou parte do término do trabalho de alguns jornalistas que trabalhavam para várias estações de rádio locais devido às crises financeiras que ocorreram após a eclosão da epidemia de Corona, a Administração da Radio Ajyal de Ramallah, na Cisjordânia ocupada, ofereceu a seus funcionários a demissão em troca de receber 90% da recompensa de fim de serviço em dinheiro, ou trabalhar com a metade salário no início do corrente ano de 2021.

Ele citou o jornalista Tariq Al-Sharif da rádio "Ajyal" dizendo que "a crise financeira que atingiu o rádio no ano de 2020 não foi um produto da pandemia, como evidenciado pelo governo abandonando os serviços de vários funcionários meses antes da pandemia"

Al-Sharif acrescentou: "Assinamos as autorizações e renúncias para evitar que a rádio encerrasse nossos serviços com taxas baseadas na metade do salário se entrarmos no novo ano, e pagamos para renunciar e não foi nossa escolha", observando que eles não queriam “entrar nos autos, e de certa forma anunciamos o fim do contrato”. Cortês sem ofender ou mencionar detalhes, por respeito ao lugar que formava nossa segunda casa.

Na Faixa de Gaza, o Comitê de Apoio a Jornalistas afirmou que as estações de rádio de lá anunciaram muito seu sofrimento devido às dificuldades econômicas e ao declínio nas receitas de publicidade, que são a única fonte de continuidade de seu trabalho desde a eclosão dessa pandemia, e o declínio na porcentagem de empresas nacionais anunciadas, o que ameaça algumas delas com o risco de encerramento.

As rádios de Gaza reclamaram da continuação do bloqueio israelense por 14 anos, que se refletiu na corrente elétrica, impedindo a entrada de aparelhos e equipamentos pertencentes à obra de rádio, com o pretexto de impedi-los por razões de segurança.

 

Fonte: Agência de Notícias Safa

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.