Sexta Feira, 21 Junho 2024

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Ocupação israelense se vinga de pacientes em Gaza e os priva de tratamento

As Nações Unidas emitiram um relatório na quinta-feira, 11 de agosto, que revelou que uma média de 50 pacientes com casos extremamente graves, incluindo pacientes com câncer, aos quais é diariamente negado o acesso ao tratamento, cirurgias e cuidados necessários, desde o último fechamento das travessias de Erez.

O relatório dizia que desde o início da última rodada de agressão israelense a Gaza, a entrada de 14 máquinas de raios X portáteis e peças de reposição para dispositivos médicos foi adiada.

 

Em vista da incapacidade do sistema de saúde na Faixa de Gaza de fornecer serviços de tratamento a eles, como resultado da falta de pessoal médico especializado, e da escassez crônica de medicamentos e suprimentos médicos, especialmente radioterapia e materiais de laboratório necessários para a realização de testes diagnósticos. As necessidades sanitárias mais urgentes estão estimadas em US$ 2 milhões, incluindo medicamentos e consumíveis, suprimentos de laboratório e combustível para os principais hospitais.

 

É digno de nota que 47 palestinos foram mortos durante a última agressão, incluindo 16 crianças, além dos ferimentos de centenas de pessoas, incluindo 151 crianças e 58 mulheres.

 

Seis hospitais trabalharam para ativar planos de preparação de emergência na recente agressão, além da Sociedade do Crescente Vermelho Palestino, e o Hospital Al-Quds aumentou a capacidade de seus leitos no caso de ter que receber um número adicional de pacientes do Hospital Al-Shifa.

 

Em seu relatório, as Nações Unidas alertaram para um aumento nos altos níveis de trauma, estresse e distúrbios psicológicos.

 

Vale notar que o hospital Alshifa carece de pessoal e suprimentos na medida em que os médicos têm que realizar uma média de 65 a 70 horas por semana, durante os dias normais de trabalho, um número que está sujeito a aumentar durante os períodos de escalada militar israelense.

 

Em uma entrevista, realizamos ontem com o médico Baker AbuJarrad uma foto dele que ficou viral enquanto ele segurava e pressionava manualmente um saco salino na tentativa de recuperar sinais vitais para um paciente que entrou com ferimentos graves causados por um ataque aéreo israelense na última rodada de ataque no domingo, 7 de agosto de 2022.

 

A fonte revelou que, além dos ferimentos já desesperançados que vêem, o mais frustrante é ver aqueles com esperança de sobrevivência perderem suas chances enquanto esperam horas para obter licenças e autorizações das autoridades de ocupação israelenses para serem transferidos para hospitais na margem oeste ou para as áreas ocupadas da faixa atingindo um nível de danos irreversíveis e se tornarem casos desesperançados.

 

Ele acrescentou que às vezes a permissão de um paciente chega apenas para ter sua escolta rejeitada, precisando novamente pedir outra permissão enquanto perde tempo imperativo para sua sobrevivência.

 

Enquanto alguns dos médicos da al-Shifa têm a capacidade intelectual e a experiência para realizar procedimentos muito mais complexos, a falta de ferramentas e máquinas impossibilita que suas habilidades sejam realizadas aqui, ficando mais uma vez sob a misericórdia de um ocupante que coloca dificuldade em permitir que esses instrumentos entrem na faixa e que os pacientes tenham a capacidade de sair para tratamento em outro lugar.

 

Fechando travessias e não permitindo que pacientes palestinos com condições sérias viajem para tratamento, especialmente após rodadas de confrontos, é considerada uma perpetuação de uma política de punição coletiva contra mais de dois milhões de cidadãos palestinos residentes na Faixa de Gaza, e uma grave violação do direito humanitário internacional, especialmente da Quarta Convenção de Genebra de 1949.

 

Isto é confirmado pela declaração feita pelo Ministro da Defesa israelense Benny Gantz na quarta-feira, 5 de agosto, na qual ele vincula as condições humanitárias e de vida dos residentes da Faixa de Gaza à segurança "de Israel". Esta é uma continuação da abordagem israelense baseada na punição coletiva e na vingança contra a população civil.

 

Fonte: https://daysofpalestine.ps/the-israeli-occupation-takes-revenge-on-gaza-patients-deprives-them-of-treatment/

 

  • Gravatar - Post by
    postado por: Days of Palestine
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2024 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.