Sexta Feira, 07 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Odiar os árabes como um terreno comum: por que o governo de coalizão de Israel provavelmente sobreviverá

Por Ramzy Baroud

Logo após um acordo para formar um "governo de emergência nacional" em Israel, o líder do partido Azul e Branco (Kahol Lavan), Benny Gantz, twittou pateticamente que "a democracia" em Israel foi "salvaguardada".

Mas como seria um acordo que daria ao primeiro-ministro de direita, Benjamin Netanyahu, um poder de veto sobre o próprio sistema judicial que determinará seu destino, uma forma de democracia?

Em janeiro, Netanyahu foi indiciado por várias acusações de suborno, fraude e quebra de confiança. Seu julgamento está marcado para 24 de maio.

Ao fazer tal afirmação, Gantz está simplesmente se iludindo, seguindo um dos mais vergonhosos atos de traição política na história moderna do país. Ao concordar em se juntar ao partido Likud de Netanyahu, Gantz demoliu seu próprio grupo parlamentar, que unificou vários partidos importantes em um único bloco, todos com o objetivo de remover do poder o líder mais antigo de Israel.

O Blue and White, que até recentemente consistia em três partidos (Hosen Li-Israel, Yesh Atid e Telem), se apresentava aos eleitores israelenses como uma força política que finalmente restauraria alguma credibilidade às instituições políticas em dificuldades de Israel.

 

Claramente, Israel não estava pronto para essa missão.

É conveniente culpar Gantz pelo colapso da oposição outrora florescente de Israel, mas o problema com as elites políticas de Israel é muito mais complexo do que o de um único indivíduo.

Os líderes israelenses insistem que a democracia, a transparência e a inclusão são alcançáveis, mesmo quando milhões de cidadãos árabes do país são marginalizados e continuam sendo vítimas do racismo institucional que remonta ao próprio fundamento de Israel.

Na verdade, Gantz poderia ter formado um governo com a ajuda da Joint List, uma coalizão de partidos árabes e progressistas, que é o único bloco político israelense que representa a esperança de um futuro melhor e mais inclusivo.

O suposto "centrista" israelense, no entanto, optou por se juntar a Netanyahu - e, consequentemente, alienar seus próprios aliados, Yesh Atid e Telem - para atender às condições razoáveis da Lista Conjunta.

A Lista Conjunta, que acabou endossando Gantz para formar um governo, havia apenas solicitado a remoção da Lei do Estado Nacional (que define Israel como um Estado Judeu), a Lei de Kaminitz (que restringe a construção de comunidades árabes em Israel) e o fim da ocupação israelense da Palestina, de acordo com o direito internacional.

As demandas dos partidos árabes eram simplesmente demais para Gantz lidar, por várias razões.

Primeiro, Gantz é essencialmente um político de direita e um falcão militar, que favorece a anexação dos territórios palestinos ocupados e pediu guerras ainda mais duras em Gaza.

Segundo, o Azul e o Branco nunca teriam sido capazes de construir uma coalizão mais ampla se aderissem a alguma dessas demandas. Isso foi esclarecido pelo chefe do líder de Yisrael Beiteinu, Avigdor Lieberman.

Três, o membro do Knesset (Parlamento) Zvi Hauser, uma das figuras mais influentes do azul e do branco, está entre as principais forças por trás da lei racista do Estado das Nações de julho de 2018. Esperar que Hauser cancelasse suas realizações políticas seria negar a realidade e que teria desestabilizado ainda mais um partido que já perdeu quase metade de seus apoiadores em questão de dias.

Hauser é um personagem interessante, um político ambicioso e uma pessoa para acompanhar seus passos, pois ele desempenhará um importante papel no futuro no governo de coalizão de Israel.

Hauser agora se tornará o "braço longo proverbial do Comitê de Nomeações Judiciais", de acordo com Yossi Verter, escrevendo no Haaretz. Esse comitê, em particular, foi o principal obstáculo nas difíceis negociações, que precederam o anúncio de um acordo de coalizão do governo entre Gantz e Netanyahu.

Segundo o acordo, Netanyahu pode aceitar ou rejeitar qualquer compromisso futuro da Hauser. É improvável que Hauser ache a interferência de Netanyahu inaceitável, simplesmente porque ele está acostumado com a ideia de ser o contraponto de Netanyahu.

Sim, de fato, Hauser entrou em serviço público em 1994 para servir como porta-voz do partido Likud sob Netanyahu, que na época era o líder da oposição no país. De fato, a carreira política de Hauser ao longo dos anos parece estar intrinsecamente ligada à própria Netanyahu.

E aqui, no entanto, existe outro terreno comum entre o Likud e o Azul e o Branco, o que poderia tornar possível a anexação planejada de partes da Cisjordânia Palestina ocupada e do Vale do Jordão.

O texto do acordo do governo de coalizão falou em potencial anexação de partes dos territórios ocupados no início do verão, de acordo com a "Visão para a Paz" do presidente dos EUA, Donald Trump.

Esse entendimento não era de forma alguma uma concessão por parte de Gantz, que também apoia alguma forma de anexação.

É aí que o papel de Hauser se torna vital mais uma vez, pois foi o próprio Hauser quem chefiou a 'Coalizão pelo Golan Israelense', que defendeu e promoveu a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã sírias ocupadas.

O desejo de Hauser recebeu um grande impulso em março de 2019, quando Trump assinou a ordem reconhecendo as Colinas de Golã como israelenses.

Apesar de seu difícil nascimento e do revés azul e branco, a coalizão Netanyahu-Gantz tem mais em comum do que aparenta:

Por um lado, Gantz parece ter abandonado sua estratégia de se livrar de Netanyahu através do sistema judicial. Com Hauser como intermediário, Netanyahu, pelo menos por enquanto, é um tanto seguro.

Em segundo lugar, não apenas a anexação de territórios palestinos (apesar da forte rejeição palestina e internacional a esse movimento) não é um ponto de discórdia entre os parceiros da coalizão, mas também um ponto de acordo.

Em terceiro lugar, com a rejeição de Gantz de uma coalizão que inclui a Lista Conjunta e o completo desprezo de Netanyahu pela liderança palestina na Cisjordânia e Gaza, os palestinos são totalmente apagados do mapa político das elites dominantes de Israel. É improvável que isso mude no futuro também.

Há um aspecto positivo da coalizão pouco promissora do governo de Israel, e isso é a clareza. Conhecendo o longo legado das leis anti-palestinas, anti-paz e anti-internacionais de Netanyahu, devemos ter toda a clareza necessária para entender que nenhuma paz justa pode ser alcançada quando Netanyahu ainda está no comando.

O mesmo pode ser dito de Gantz, que preferiu apertar a mão do diabo de bom grado do que encontrar um terreno comum entre os líderes da comunidade árabe palestina de Israel.

Mesmo quando o prazo de dezoito meses de Netanyahu como Primeiro Ministro expirar, é improvável que um governo israelense liderado por Gantz tenha melhor desempenho.

 

Fonte: Palestine Responds

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.