Quinta Feira, 22 Outubro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

O homem no qual o estado sionista foi incapaz de enfraquecê-lo

Hoje marca o décimo oitavo aniversário do martírio de um dos homens da resistência Palestina, o líder Palestino “Shehada”, no dia do seu martírio foi testemunhando a brutalidade e a barbárie da ocupação israelense, onde um avião israelense lançou uma bomba de uma tonelada na área em que vivia, tirando sua vida com as mulheres e crianças inocentes, em um dos mais cruéis massacres já visto, feito pela ocupação israelense e seus crimes contra os palestinos.

Ele foi incluído em vários empregos desde 1976, mas o destino foi feito para esse homem através do heroísmo, foi preso em 1984 sob a acusação de realizar uma atividade anti-ocupação do território Palestino, a ser nomeado após sua libertação como diretor de assuntos estudantis na Universidade Islâmica de Gaza no ano de 1986, na época em que a Palestina estava em encontro com um dos eventos mais importantes e perigosos de sua história contemporânea, que foi a primeira intifada iniciada em 8 de dezembro de 1987 a inflamar toda a Palestina diante do ocupante sionista para confundi-lo, e toma uma série de medidas para limitar a intifada, que incluiu o fechamento da Universidade Islâmica em Gaza, No entanto, Salah contestou a decisão das autoridades de ocupação sionista israelense e continuou com o seu trabalho na universidade, por isso foi preso novamente em 1988 sob a acusação de formar o apartamento militar do Movimento de Resistência Islâmico, e emitir ordens para realizar algumas operações contra a ocupação israelense, e permanecer na prisão até 14 de maio de 2000.

Os longos anos que Salah passou na prisão não o aumentaram, exceto para resistir, de modo que o homem saiu cheio de determinação antes do testemunho, então ele reorganizou as Brigadas militares, e a liderança concordou por unanimidade na época em escolher um comandante em chefe dos batalhões para supervisionar e planejar muitas operações de martírio que afligiam o inimigo sionista. Até que o inimigo o classificasse naquele momento, exigia o número 1 em suas listas.

O nome de Salah foi aterrorizante para a entidade sionista, abalada por sua presença, abalando sua determinação e, portanto, sua eliminação estava no topo das prioridades da liderança sionista. Em 22 de julho de 2002, o primeiro ministro da entidade sionista, Ariel Sharon, supervisionou o lançamento de uma bomba pesando de uma tonelada em um prédio no bairro de Daraj. Na cidade de Gaza, o comandante Salah estava presente lá, acompanhado por sua esposa e um membro acompanhante das Brigadas militares, a todos martirizados com oito crianças, e esse massacre foi chamado de "massacre de Daraj". O exército israelense parabenizou seu comandante pelo assassinato de seu primeiro inimigo, como eles o chamavam naquele tempo, eles parabenizam o assassinato de um homem que lutou pela liberdade e justiça do seu povo. E a Palestina parabenizou o seu povo, pela morte heróica do Salah e aqueles que estavam com ele, por manter a tocha de resistência acesa naquela terra santa.

Ele estava exigindo a organização, a inclusão deles nas fileiras das brigadas, e os treinou e lhes atribuiu grandes responsabilidades, e um fluxo instantâneo de centenas de jovens veio apoiar seu país. Consciência militar, religiosa e nacional.

Deus deu ao comandante Salah uma energia de paciência e resistência que incapacitou seus carcereiros, para que eles não pudessem extrair nenhuma informação dele, e todos os métodos de tortura foram usados ​​pelos serviços de segurança israelenses Shin Bet não conseguiram quebrar o seu silêncio de obter dele um tópico para encontrar quaisquer informações que pudessem ser úteis para atingir a resistência ou enfraquecê-la ... e ele expressou à esposa (que Deus tenha piedade dela, foi assassinada com ele no mesmo dia junto com sua filha Íman) o que sofreu nas prisões israelenses e na detenção de danos e torturas, dizendo que “os soldados da ocupação israelense arrancavam o cabelo junto com couro cabeludo do meu queixo e do meu peito, até que eu duvidei que pudesse crescer novamente a barba, e arrancaram as unhas dos meus pés e das mãos, mas por Deus não senti dor e não soltei uma única palavra  ... eu recitava o Alcorão.”

Que Deus tenha piedade dele, desfrutando de um carisma cativante, e ele tinha presença notável; contudo, você o vê como um simplificado, compreendendo e rivalizando com eles para fazer as coisas e fazer o esforço sem custo, e apesar de sua dureza e unidade de seu caráter em relação ao inimigo, ele é aberto ao outro e é caracterizado pela flexibilidade de outros partidos, o que é Ele acompanhou a estratégia de cooperar com eles, realizar operações conjuntas e trocar experiências. Ele costumava espalhar o conhecimento militar de seu pedido e dizia: “desde que você resista, você tem o direito de aprender” e é por isso que todos os palestinos e líderes choraram quando ele foi assassinado. 

Seu assassinato foi qualitativo em termos de feiúra e atrocidade do crime, e o método de seu assassinato foi um evento bem conhecido que o mundo inteiro ouviu, quando um avião de guerra F-16 israelense mirou o prédio onde sua família reside no bairro de Daraj na cidade de Gaza com uma bomba que pesava uma tonelada de explosivos. Essa brutal agressão criminal ao líder palestino Salah e com dezessete outras pessoas, entre as quais seu assistente, sua esposa, sua filha mais nova, e também feriu 150 outros.

Suas lembranças vão amedrontá-los, ó homem que é temido por um estado sionista injusto arrogante e cujos pilares tremem da sua coragem, pois a falsidade tem um rumo e a verdade prevalecerá, e o que é tomado pela força só será recuperado pela força.

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.