Quinta Feira, 06 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

O líder palestino Raed Salah preso por Israel após perder apelo

Número influente inicia a sentença de 28 meses em agosto após perder batalha judicial no tribunal de Haifa.

Um tribunal israelense em Haifa rejeitou o apelo do líder político palestino Raed Salah sendo determinado uma sentença de 28 meses de prisão, depois que ele foi condenado em novembro passado por "incitação".

Salah é um cidadão palestino de Israel e residente em Umm al-Fahm, uma cidade ao sul da cidade de Haifa. Ele era o chefe do ramo norte do Movimento Islâmico, que foi banido pelas autoridades israelenses em 2015.

Falando publicamente pela primeira vez desde que foi detido em agosto de 2017, Salah disse à imprensa reunida em frente ao Tribunal Distrital de Haifa na quinta-feira que a decisão era esperada.

"A decisão não tem peso para nós, e entraremos na prisão como pessoas livres, fomos pessoas livres antes da prisão e viveremos na prisão como pessoas livres, e deixaremos a prisão como pessoas livres", Salah disse.

"Orar na mesquita de Al-Aqsa é de princípios, e não pediremos à ocupação que nos permita orar por lá".

A sentença deveria começar em março, mas foi adiada devido à pandemia de coronavírus que atingiu Israel naquele mês. A sentença está marcada para começar em 16 de agosto e ser executada na prisão de Al-Jalame.

Uma mulher que viajou de Jerusalém ocupada para Haifa para mostrar solidariedade a Salah disse ao MEE que vê a decisão da corte israelense como "injusta" contra Salah.

"Ele não merece isso, e só falou sobre os princípios islâmicos de adoração, oração e jejum [em Al-Aqsa]", disse ela.

Khaled Zabarqa, advogado de Salah, disse ao MEE que a decisão "é política sob o disfarce do judiciário e da lei ... Salah é firme e está sendo julgado por causa de Al-Quds [Jerusalém], Al-Aqsa e seus posicionamentos sobre essa questão  ".

Em novembro, Salah foi julgado por acusações de “incitação ao terrorismo”, por discursos que ele fez durante protestos em julho de 2017 contra a instalação de detectores de metal nos portões externos do complexo de Al-Aqsa na Jerusalém Oriental ocupada.

Os protestos palestinos forçaram  Israel a desmontar os detectores de metal depois de quase duas semanas.

Salah foi detido em 15 de agosto de 2017 e cumpriu 11 meses de prisão antes de ser transferido para prisão domiciliar sob rígidas restrições.

Ele foi forçado a usar uma tornozeleira  eletrônica, foi proibido de acessar ferramentas de comunicação, incluindo telefones, internet e sites de mídia social. Ele não teve permissão para falar com a mídia. Somente seus parentes de primeiro e segundo grau tiveram permissão para visitá-lo.

Salah é uma das figuras mais conhecidas e influentes da população palestina de Israel, bem como da Cisjordânia ocupada, Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza sitiada.

Ele foi o chefe do município de Umm al-Fahm por 12 anos até 2001, e antes disso, foi colunista e editor do município do Movimento Islâmico.

Os 1,9 milhão de cidadãos palestinos de Israel - descendentes daqueles que evitaram a expulsão em massa de palestinos durante a criação de Israel em 1948 - representam um quinto da população do país.

 

Fonte: Middle East Eye 

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.